A análise de risco conforme a parte 2 da ABNT NBR 5419 ajuda a avaliar o custo da eficiência da proteção

Edição 122 – Março de 2016
Espaço 5419
Por Hélio Sueta*

 

A parte 2 da ABNT NBR 5419/2015, gerenciamento de risco, grande novidade da revisão da norma de proteção contra descargas atmosféricas, analisa também o custo-benefício para as perdas econômicas devido aos raios em uma estrutura.

O objetivo da análise de risco realizada por esta parte da norma é calcular os riscos de perda de vida humana (R1) para todos os tipos de estruturas; de perda de serviço ao público (R2) para as estruturas em que a falta de serviços, por exemplo, energia elétrica, comunicação, tevê, água ou gás acarretará danos ao público; de perda de patrimônio cultural (R3) para estruturas históricas com patrimônio insubstituível e também os riscos de perdas de valor econômico; (R4) para as estruturas onde se tem os valores como o total (animais valiosos, edificação, conteúdo e os valores dos sistemas internos incluindo suas atividades) e também estes valores individualizados, em espécie.

 

Esta avaliação pode ser feita com a estrutura dividida por zonas. Neste caso, é necessário ter os valores individualizados para cada zona, ou seja, o valor dos animais valiosos para as zonas onde eles estiverem, o valor da construção referente a cada zona, o valor do conteúdo da zona (móveis, equipamentos, etc.) e o valor dos sistemas internos, incluindo suas atividades na zona (instalação elétrica, de rede, de telefonia, de água, de tevê a cabo, etc.). Com estes valores, sempre na mesma moeda, é possível calcular as componentes de risco que compõem o risco de perda econômica para cada zona. Este risco multiplicado pelo valor total da estrutura (soma de todos os valores individualizados) fornece o custo da perda em uma zona (CLZ).

 

O custo total de perdas (CL) de uma estrutura é calculado pela soma dos custos das perdas de todas as zonas consideradas que é igual ao risco relacionado à perda de valor, sem as medidas de proteção vezes o valor total da estrutura. Em outras palavras, o custo total de perdas equivale ao montante que se coloca em risco por ano se não forem aplicadas as medidas de proteção.

 

Considerando que os riscos importantes para a estrutura sob estudo ficaram acima do tolerável, uma nova análise de risco deve ser realizada com o objetivo de obter as medidas de proteção para que os riscos fiquem dentro do tolerável. Daí é possível obter o custo de perdas residuais para cada zona (CRLZ) e, consequentemente, para a estrutura como um todo (CRL). Este custo deve diminuir bastante em relação ao anterior, pois, com as medidas de proteção, o risco diminui.

 

Neste ponto, devemos calcular o custo das medidas de proteção (CP), por exemplo, quanto vai custar a implementação de um SPDA conforme o nível de proteção obtido na análise de risco somados às outras medidas de proteção, tais como a instalação de um sistema de DPS coordenado. O custo anual (CPM) das medidas de proteção é calculado pelo custo CP vezes a soma da taxa de juros (i) com a taxa de amortização (a) e com a taxa de manutenção (m).

 

O valor econômico anual (SM) em espécie é calculado pela diferença do custo total de perdas (CL) e a soma do custo anual das medidas de proteção (CPM) com o custo total de perda residual em uma estrutura (CRL).

 

            SM = CL – (CPM + CRL)

 

Se o valor econômico anual for maior que zero, a proteção é justificada.

 

Na versão atual do TUPAN 2015 (versão 1.5), esta análise econômica pode ser feita, porém, não totalmente automatizada (estamos preparando uma versão 2.0 em que isto será possível). No exemplo a seguir, baseado no exemplo E.4 da norma para um hospital, podemos observar que o custo anual das perdas (CL) sem as medidas de proteção pode ser obtida no campo ressaltado em azul, sendo neste caso, R$ 56.934,00 (ver Figura 1a). O custo anual de perda residual (CRL), após as medidas de proteção, pode ser obtido na Figura 1b) no campo ressaltado em vermelho, sendo, no caso, R$ 213,00. O valor total da estrutura é de R$90.000.000,00.

 

A análise econômica deste caso é a seguinte: do valor total da estrutura, o montante que se coloca em risco anualmente é de R$ 56.934,00 em relação aos danos causados pelos raios. Se forem instaladas as medidas de proteção indicadas pela análise de risco, neste caso, a instalação de um SPDA com nível de proteção I, a instalação de um sistema coordenado de DPS para a linha elétrica e para a linha de sinais com nível de proteção I nas zonas 2, 3 e 4, instalar um sistema automático de proteção contra incêndio na zona 2 e instalar nas zonas 3 e 4 uma blindagem espacial tipo malha de 0,5 x 0,5 metros, o montante que se coloca em risco anualmente cai para R$ 213,00.

 

Dessa forma, se o custo para a instalação destas medidas de proteção multiplicado pela soma da taxa de juros mais a taxa de amortização mais a taxa de manutenção for inferior à diferença entre o custo anual das perdas (no exemplo: R$ 56.934,00) e o custo anual de perda residual (no exemplo R$ 213,00), ou seja, R$ 56.721,00, a proteção está justificada economicamente.

 

Esta análise permite também que sejam estudadas outras opções de medidas de proteção e comparar economicamente qual é mais viável.

 


Figura 1a) Tela do TUPAN 2015 sem medidas de proteção e 1b) com medidas de proteção.


*Hélio Eiji Sueta é doutor em Engenharia Elétrica e secretário da CE-003.064-10.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico