A contribuição do conector perfurante (IPC) para a eficiência e a confiabilidade de redes BT Parte I

Edição 114 – Julho de 2015
Dicas de instalação: Contribuição do conector perfurante
Por Damien Jeanneau e Viven Rineau*

Os conectores perfurantes de isolação (IPC) têm sido usados na maioria dos países asiáticos nos sistemas de redes multiplexadas há mais de 20 anos e em outras áreas do mundo há mais de 40 anos. Ao longo do tempo, as concessionárias e fabricantes de acessórios puderam acumular e compartilhar experiências importantes que fortaleceram a confiabilidade deste tipo de redes de distribuição. Isso levou à definição e refinamento dos padrões e requerimentos.

Devido ao fato de que muitas concessionárias estão buscando soluções para melhorar a eficiência da rede, este estudo propõe destacar assuntos para melhorar ainda mais as práticas usadas nos perfurantes em redes multiplexadas com o objetivo de diminuir perdas nestas redes e melhorar a sua confiabilidade.

As normas nacionais e internacionais para perfurantes são uma base forte para garantir segurança e confiabilidade ao longo do tempo. Entretanto, nenhuma norma atual leva em conta de maneira séria o nível de eficiência que conectores para baixa tensão oferecem ou poderiam oferecer. Menos óbvia que a eficiência dos transformadores, os conectores perfurantes têm sua própria resistência e contribuem para a eficiência total das redes de baixa tensão multiplexadas. Enquanto a resistência real de um conector BT possa parecer insignificante, na realidade pode haver uma discrepância muito grande na resistência total dos conectores BT. Considerando-se que na maioria das concessionárias asiáticas centenas de milhares de conectores são instaladas a cada ano – com uma vida útil estimada entre 20 e 40 anos, impacto consolidado da resistência dos perfurantes que resultam em perdas técnicas pode ser muito significativo na rede.

Este documento vai apresentar, inicialmente, um breve resumo das normas e especificações usadas como referência para perfurantes, com o objetivo de traçar uma estratégia de trabalho, seguindo um breve aviso com relação ao terrível impacto que pode ser causado por perfurantes de má qualidade. O artigo tratará ainda sobre eficiência e como a resistência destes conectores pode ser determinada.

Contexto das normas internacionais

Para a maioria das concessionárias, usar como referência uma norma internacional em um processo licitatório é uma maneira útil e conveniente como forma de selecionar produtos e ofertantes. O cumprimento de uma norma internacional amplamente utilizada oferece à concessionária uma garantia de que um conjunto básico de critérios de qualidade seja observado, bem como um roteiro para a avaliação técnica dos produtos ofertados, à medida que leis e regulamentos exigem cada vez mais transparência em processos de licitação.

Após um primeiro conjunto inicial de especificações nacionais, duas normas de referência surgiram: a VDE 0220-3 e a NF C33-020 (06/1998). A NF C33-020(98), entretanto, proporcionou um salto de qualidade no que se refere à qualidade e confiabilidade apresentando o ensaio de tensão aplicada em 6 kV, bem como testes para campo confiáveis simulando, de maneira bem próxima à realidade, 30 a 40 anos de serviço em ambientes com incidência agressiva de raios UV e com humidade. Graças a esses critérios técnicos adicionais a NF C33-020 tornou-se, e ainda continua a ser, uma referência inspiradora para a maioria das especificações das concessionárias na Ásia e ao redor do mundo.

Embora o surgimento de uma norma internacional ainda não tenha acontecido, houve uma tentativa no começo dos anos 2000 para consolidar as normas nacionais europeias em uma norma comum: a EN50483. Houve passos muito interessantes no sentido da definição de uma norma multinacional. Entretanto, esta norma europeia apenas colocou no papel procedimentos bastante diferentes e os converteu em várias “opções” dentro da norma.

Como consequência, dependendo das “opções” escolhidas pelo cliente, o cumprimento da norma EN50483 pode resultar em produtos que apresentam níveis de desempenho drasticamente diferentes (isolação, proteção, estanqueidade, elétrica). 


Figura 1 – Produto com diferentes níveis de qualidade/desempenho, ambos de acordo com a norma EN50483.
 

Com um exemplo, o ensaio de envelhecimento climático pode, nesta norma, ser feito sob vários métodos, do mais exigente método para classe 1 (equivalente à norma NF C33-020) a um procedimento muito menos completo para classe 2. Além disso, o teste de tensão aplicada de 6 kV em água, sinônimo de segurança para perfurantes nos últimos 20 anos, é só apresentado como uma “opção” na norma EN50483.

Ainda que inicialmente parecesse uma oportunidade para a melhoria da qualidade (inclusão de ensaio de envelhecimento elétrico com 1.000 ciclos), a EN50483 apresenta, na verdade, uma oportunidade para confusão. Deve-se recomendar cuidado às concessionárias quando forem transpor a norma EN50483 para suas especificações. Para evitar rebaixamento da qualidade é importante verificar nos detalhes o desempenho de cada material que dizem cumprir com as normas.

De qualquer maneira, a norma NF C-33020 evolui para uma revisão 2013. Esta nova versão da NF C33-020 (2013) é, na verdade, baseada na EN50483 (inclusão do ensaio de envelhecimento elétrico com 1.000 ciclos). A NF C-33020 é um documento de referência interessante, já que ela pré-seleciona “opções” da EN50483 garantido, no mínimo, o nível de qualidade da NF C-33020 (1998). Isso simplifica a evolução para esta nova geração de normas. 


Figura 2 – Câmaras de envelhecimento climático para fazer ensaios classe 1-método 1 sob a norma EN50483.

Essa nova evolução da NF C33-020 permite garantir, sem equívoco, ao menos desempenho que funciona há mais de 20 anos, incluindo:

  • Classe 1 – teste de tensão aplicada 6 kV sob água;
  • Classe A – envelhecimento elétrico com curto-circuito para conectores de rede em condutores maiores que 35 mm²;
  • Método 1 – ensaio de envelhecimento climático.

Devemos lembrar que o comitê da ANSI C119 emitiu, em 2009, uma nova norma americana para perfurantes (C119.5). Esta norma ainda não foi totalmente adotada. Apesar da inexistência de uma norma realmente internacional a NF C33-020 de 1998 se tornou a referência de fato em muitos países. A publicação da NF C33-020 de 2013 dá aos comitês normativos e engenheiros de especificação um caminho claro para projetar normas de perfurantes dentro do padrão mais avançado de requerimento de desempenho.

O impacto dos conectores de baixa qualidade na qualidade das redes

Antes de discutirmos como os perfurantes podem contribuir para a eficiência geral da rede, é crucial lembrar que perfurantes de má qualidade irão diminuir tanto a eficiência como a confiabilidade de uma rede multiplexada.

Os conectores perfurantes ser tornaram uma commodity para a maioria das concessionárias e um grande número de fornecedores, com mais ou menos escrúpulo, e que garantem cumprir com as normas, acabaram aparecendo.

Conectores perfurantes de má qualidade produzem basicamente três tipos de impacto na rede: falha na conexão, aumento das perdas por pontos quentes e quebra da confiabilidade geral da rede.

O problema mais óbvio relacionado à instalação de conectores perfurantes de má qualidade é a falha do próprio conector. Qualquer falha no conector poderá causar um desligamento de um ou vários clientes, exigir que uma equipe de reparos seja despachada para o local, danificar aparelhos dos clientes caso haja quebra do neutro, requerer mais material e condutor para o reparo ou criar um risco de segurança (fogo, destruição da isolação).

Toda concessionária deve estar preparada para avaliar os custos envolvidos nos problemas acima comparados com a economia de curto prazo feita na compra do produto. Se levarmos em conta os pontos de A a D no parágrafo anterior (menos horas de trabalho de uma equipe treinada, combustível, tempo e manutenção do caminhão, reposição de componentes, reposição de aparelhos danificados dos clientes, reclamações dos clientes, outros custos envolvidos na solução do caso) podemos estimar um custo médio para a concessionária por cada falha de um perfurante na ordem de R$ 820,00 – deixando de lado o importante risco de segurança (ponto difícil de quantificar).

Considerando o custo de R$ 820,00 para cada perfurante que falha, uma taxa de falha baixa como 1 entre 120.000 perfurantes por ano de serviço irá impactar, durante a vida útil, o custo de aquisição do perfurante em R$ 0,10. Ainda que cada concessionária possa ajustar o cálculo à sua própria situação, a ordem de grandeza detalhada acima é clara: a confiabilidade dos perfurantes é um critério-chave na hora de avaliar uma oferta econômica.

O segundo impacto causado por perfurantes de má qualidade esta ligado às perdas devido à alta resistência. Vale a pena mencionar que o custo de perfurantes de má qualidade é muito maior quando eles não queimam do que quando eles queimam. De fato, com base em cálculos apresentados ao longo deste documento, cada perfurante de baixa qualidade instalado e que se torna um ponto quente pode custar perdas de R$ 2 a R$ 4 por ano em operação.

Por fim, o último impacto de perfurantes de baixa qualidade, ainda que não seja fácil de avaliar, é, na verdade, mais devastador. O conceito da rede multiplexada é baseado no princípio da isolação total de ponta a ponta. Há muitos benefícios nisso, entre os quais, segurança e proteção contra água, e, portanto, contra corrosão galvânica.

Uma das falhas mais comuns em perfurantes de má qualidade é a baixa qualidade do termoplástico usado como matéria-prima, o que pode levar a relaxamento excessivo, rachaduras e baixa resistência mecânica. Aqui o problema está no fato de que a água pode entrar na área da conexão e infiltrar-se pela rede multiplexada. Com água no seu interior, tanto a confiabilidade como a segurança da rede ficam comprometidas: isolação, corrosão.

Representando apenas uma pequena porcentagem do custo de uma rede multiplexada os perfurantes de má qualidade irão, nesta condição, colocar em perigo a rede inteira. Este fato fez que muitos grandes países asiáticos reconsiderassem a tecnologia de perfurantes como um todo após uma experiência que tiveram com perfurantes de má qualidade.

Na próxima edição, serão abordadas a eficiência elétrica do conector, a eficiência segundo as normas técnicas, o impacto econômico da eficiência do conector e as consequências para as concessionárias.


*Damien Jeanneau é engenheiro e mestre em Engenharia e em Empreendimento de Negócios. Atuou em diversos cargos de gerenciamento de produto e, atualmente, é diretor da área de negócios para acessórios de redes aéreas em baixa e média tensão da Sicame da França, coordenado projetos de P&D, inovação e gerenciamento de produtos.

*Vivien Rineau é engenheiro e mestre em Engenharia. Trabalha como engenheiro líder global e  gerente de produtos (perfurantes) na Sicame da França. 

 


 

 

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico