A importância do ponto de conexão – parte 2

Na edição de outubro de 2017 apresentávamos algumas ponderações sobre a importância do ponto de conexão ou ponto de acoplamento comum entre as distribuidoras e os consumidores, sejam eles quais forem, desde residências até grandes indústrias, cada qual com as suas particularidades. O artigo está disponível no link:       https://www.osetoreletrico.com.br/importancia-do-ponto-de-conexao/. Um ano depois, vale a pena revisitar o assunto, uma vez que outros pontos devem ser reavaliados, além daqueles tratados no cumprimento dos limites e desafios com a geração distribuída na oportunidade desenvolvidos.

Medições elétricas e instrumentação

Os modelos clássicos de alimentação das instalações por parte das distribuidoras possuem logo após o ponto de conexão ou de acoplamento um sistema de medição relacionado ao faturamento da energia. Este sistema deve ser inviolável e de acesso permitido somente à própria distribuidora que ainda fornece ou afere os TC´s e outros acessórios se aplicáveis. Naturalmente, os sistemas de conexão, medição e distribuição da energia variam em função das distintas tipologias da alimentação, níveis de tensão de alimentação, existências de subestações próprias e mesmo o desenvolvimento de outros modelos mais novos que são adotados em função da disponibilização e maturação das tecnologias, como os sistemas prediais em baixa tensão com barramentos blindados e medidores nos pavimentos conectados em rede de comunicação que evitam a função de leitura manual, além da própria viabilidade com vistas às  instalações elétricas. Os “segmentos” da instalação em que são instaladas as linhas elétricas e outros componentes antes da medição são também tratados por “correntes não medidas” e outras terminologias assemelhadas.

 Os desafios dos novos usos da eletricidade, automação, smart-grid e IoT

Os novos modelos de fornecimento e uso da eletricidade têm uma natural relação com os modelos de instalações a serem aplicados, pontos de conexão, medição de energia e outros, assim como a geração distribuída prescinde da medição “bidirecional” que possibilita a leitura da energia consumida pela carga e gerada pela fonte do mesmo consumidor, mantendo-se a inviolabilidade de acesso às “correntes não medidas”.

Novos desafios estão chegando ao mercado e as novas instalações deverão estar prontas não só para serem conectadas a sistemas próprios de GD, mas a sistemas de armazenamento de energia (storage), como também para alimentar e se conectar, por exemplo, a estações de carregamento de baterias para carros elétricos que também poderão ser aplicados na alimentação das cargas da instalação (agora fonte e não mais carga). Um grande “troca-troca” de energias, tarifas e regulações.

A necessária integração das instalações e informações entre as distribuidoras e os consumidores

Os requisitos de controle do sistema, aspectos de gestão das cargas e da monitoração da qualidade de energia dependem de uma integração mais próxima entre as distribuidoras e consumidores. Esta integração depende do atendimento das necessidades das duas partes e a conveniente troca de serviços, disponibilidades e informações técnicas. Enquanto o consumidor precisa de sinais de TC´s e TP´s das distribuidoras para alimentar seus instrumentos de monitoração e controle, gerenciar suas cargas, garantir que a demanda está conforme a previsão e mesmo acionar os seus filtros junto ao ponto de conexão, a distribuidora certamente faria bom uso da informação disponível nestes sistemas implantados pelos clientes por meio do acesso ao comportamento das variáveis elétricas em tempo real e histórico no ponto de conexão, aspectos de qualidade de energia e interrupções de fornecimento (DIC, FIC, FI), atendimento as normas, forma de uso de sua infraestrutura e outros pontos que possam ser disponibilizados. O paradigma da inviolabilidade deve ser repensado, mantendo naturalmente a qualidade e confiabilidade da instalação, porém de forma que busque uma gestão mais integrada. Os recursos atuais permitem tal avanço. Basta coragem e disposição! Em tempo: operação ilhada sem distribuidora, pense antes na potência de curto circuito, instrumento fundamental para a regulação da tensão adequada.

Atualizado em 22 de julho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico