Água, economia, corrupção e o setor elétrico

Edição 112 – Maio de 2015
Por Michel Epelbaum

Enquanto a crise da água se distancia dos olhos, bocas e coração da mídia e da população, apesar da prevista piora nos próximos meses de período seco, o combate à corrupção continua sendo manchete nos noticiários, junto com a parada da economia. Abordando de uma maneira integrada os temas “quentes” da sustentabilidade, procuramos esboçar as relações entre eles (ver figura) e comentamos as últimas notícias sobre os principais deles (numerados).

 

Água (1) 

O Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2015 lançou novos dados sobre a situação da água:

– Até 2030, o planeta enfrentará um déficit de água de 40%, a menos que seja melhorada dramaticamente a sua gestão;

– Em 2050, prevê-se um aumento da demanda hídrica mundial de 55% – também devido ao crescimento da demanda dos sistemas de geração de energia. Segundo o relatório, maximizar a eficiência do uso da água pelas geradoras de energia, nos sistemas de refrigeração, e expandir a geração de energia eólica, energia solar fotovoltaica e de energia geotérmica será um fator determinante para alcançar um futuro sustentável em termos de recursos hídricos.

Crise em estados e cidades do Brasil? A situação da Califórnia e outras regiões dos Estados Unidos demonstram a urgência de medidas drásticas: a atual seca dura quatro anos e o governador determinou neste ano a redução de 25% do consumo urbano, depois de já ter definido em 2014 a redução de 10% do consumo doméstico e da irrigação (fonte: O Estado de São Paulo, 23/04/15).

 

Economia (2) 

A expectativa para 2015 e 2016 é de baixo crescimento pelas políticas equivocadas e desarranjos macroeconômicos, agravados também pelos desdobramentos da Operação Lava Jato, crise da água e de energia, incluindo os erros na política energética e seus elevados preços.

Além disso, volumosos investimentos em infraestrutura são necessários para eliminar gargalos e reduzir o Custo Brasil. No caso da energia, isso também é necessário para aumentar a oferta e evitar racionamentos. No momento, dentre várias medidas anunciadas e planejadas, pelo governo, foi lançada campanha na mídia para conscientização dos consumidores, esperando-se uma redução do consumo de 5-10%, e estuda-se a compra de energia de geradores dos consumidores para aumentar a oferta.

 

Corrupção (3) 

Os desdobramentos das investigações continuam no Brasil e no exterior, bem como a regulamentação da legislação brasileira.

Como os estudos ilustrados na coluna passada mostram, a corrupção é maior nos setores de construção, petróleo; gás e mineração, eletroeletrônicos, transporte e estocagem; informação e comunicações (alguns associados à infraestrutura e setor elétrico); e em contratos com os governos. No entanto, 55% (dos 124 entrevistados na pesquisa da Delloite citada) responderam que houve caso de corrupção na própria empresa!

Uma boa iniciativa é a do Pró-Ética – programa mantido pela Controladoria Geral da União (CGU) e o Instituto Ethos, que reconhece empresas comprometidas com a prevenção e o combate à corrupção, integridade e transparência. Recentemente, foi lançado um novo formato a partir de mudanças trazidas pela Lei da Empresa Limpa (Lei 12.846/2013), com nova metodologia de avaliação e divulgação da lista das empresas contempladas pela marca do Pró-Ética, a partir de agora realizadas anualmente.

 

Gases de efeito estufa (4) 

No final de 2015, teremos a importante reunião de Paris sobre as mudanças climáticas, com a previsão de um novo acordo global. No final de março, venceu o prazo informal para que os 192 membros da ONU apresentassem suas metas para a redução de emissões de gases de efeito estufa, mas somente 33 o fizeram (dentre eles a União Europeia, a Rússia e os Estados Unidos). O Brasil mais uma vez demonstrou que o meio ambiente não é prioridade do governo federal.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico