Armazenamento: o ‘canivete suíço’ do setor elétrico

Ao redor do mundo, o setor elétrico está passando por profundas transformações. A ampliação da participação de fontes renováveis variáveis, novos conceitos de comercialização de energia elétrica, o positivo avanço da geração distribuída – todas estas tecnologias estão alterando e quebrando os antigos paradigmas deste mercado.

O armazenamento de energia elétrica complementa o portfólio destas tecnologias transformadoras. Muitos especialistas afirmam que esta é a tecnologia que faltava para catalisar o novo paradigma do setor elétrico, baseado em geração e gestão descentralizada, descarbonizada e digitalizada, com mais liberdade e autonomia.

Por sua ampla gama de aplicações, versatilidade, modularidade e pela sua capacidade de prestar diversos serviços relevantes e valiosos ao mercado, o armazenamento de energia elétrica foi apelidado de ‘canivete suíço’ do setor elétrico. Seus usos incluem importantes funções junto a geradores, transmissores, distribuidores, consumidores e operadores dos sistemas elétricos. Dentre as principais funcionalidades do armazenamento, destacam-se o aumento do autoconsumo, backup de energia elétrica, redução de demanda, gerenciamento de consumo, postergação de investimentos em transmissão e distribuição, alívio de transformadores e alimentadores, redução de perdas, regulação de tensão e frequência, flexibilidade e suporte operativo, entre outros.

As tecnologias para armazenar energia elétrica não são novidade: há muitos anos, já estão disponíveis para aplicações variadas. As primeiras usinas hidrelétricas reversíveis foram construídas há mais de 100 anos, por exemplo. Até o armazenamento eletroquímico, baseado em baterias, é uma invenção do final do século XIX. O que mudou dramaticamente durante as últimas décadas foi a maneira como a energia elétrica está sendo armazenada. As primeiras baterias de íons de lítio foram comercializadas somente no início da década dos anos 1990. Desde então, alavancaram inovações tecnológicas profundas na sociedade – desde o telefone móvel (agora superado pelo smartphone que também usa estas baterias) até o carro elétrico de alto desempenho.

Ao longo do ano de 2019 mais de 3 GW de novos projetos de armazenamento estacionário (ou seja, excluindo aplicações em mobilidade elétrica) foram realizados a nível global. Cinco anos antes, em 2014, eram apenas 500 MW. Atualmente, os principais protagonistas deste novo mercado são a Coreia do Sul, a China, a Alemanha, a Austrália e os Estados Unidos. Chama atenção a diversidade de aplicações de armazenamento nestes países.

A Alemanha, por exemplo, é um mercado de armazenamento fundamentalmente distribuído. Durante os últimos anos, aproximadamente 50.000 sistemas de pequeno e médio portes foram instalados. Atualmente, quase 60% dos novos sistemas solares fotovoltaicos abaixo de 30 kW instalados na Alemanha incluem bateria de íons de lítio.

Na China, principal mercado solar fotovoltaico e eólico do mundo, os sistemas de armazenamento estão sendo usados, com reconhecido sucesso, para facilitar o despacho destas usinas renováveis variáveis. Com isso, ajudam a facilitar a entrada de grandes volumes de eletricidade renovável na matriz elétrica do país, comprovando que é possível fazer uma forte transformação renovável do setor elétrico, mesmo em um país que ainda é abastecido majoritariamente por termelétricas a carvão mineral.

A Califórnia, nos EUA, destaca-se por uma grande demanda de sistemas de pequeno porte, mas também por projetos relevantes de grande porte. Em agosto de 2020, foi inaugurado o maior sistema de armazenamento eletroquímico em San Diego, com uma capacidade de 250 MWh. No entanto, o título de maior projeto de armazenamento poderá passar em breve a um novo empreendimento em Nova Iorque, onde será instalado um sistema de grande porte, com capacidade de 2,5 GWh, para substituir uma termelétrica a gás natural. A primeira etapa do projeto será inaugurada em março de 2021.

No Brasil, ainda há quem diga que o armazenamento não terá relevância econômica até 2030. Muito provavelmente, esta visão não se sustentará. Já existem vários projetos de pesquisa e desenvolvimento, como o sistema de 510 kWh em Fernando de Noronha, resultado da Chamada de P&D Estratégico 021/2018, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Adicionalmente, há um crescente número de projetos puramente comerciais em vários estados brasileiros, realizados por empresas de vários setores, tais como: hotelaria, distribuição de bebidas, redes de restaurantes, entre outros.

São projetos pioneiros e ainda há muito trabalho a ser feito: a carga tributária sobre sistemas de armazenamento é exorbitante; a falta de regulamentação específica dificulta a conexão de sistemas à rede; e as normas técnicas atuais não acompanharam a evolução tecnológica das baterias. Neste sentido, a abertura da Tomada de Subsídios nº 011/2020 pela Aneel para receber contribuições para adequações regulatórias para a inserção de sistemas de armazenamento no setor elétrico brasileiro é um sinal encorajador. Ela será o ponto de partida para uma importante discussão regulatória sobre o tema e a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), por meio de seu Grupo de Trabalho de Armazenamento de Energia Elétrica, irá contribuir com este debate.

Atualmente, o mercado brasileiro de armazenamento ainda pode parecer pequeno, mas certamente apresentará um crescimento dinâmico e intenso, similar ao já observado pelo setor solar fotovoltaico. Que venha o canivete suíço!

Atualizado em 18 de agosto de 2021 por Redação

Posts Relacionados

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico