Atuação na área elétrica: falta ética na engenharia?

Edição 71 – Dezembro de 2011
Por Luciana Mendonça

Desde 1933 uma peleja se estende no chamado sistema Confeaq/Crea: quem está apto a elaborar um projeto de instalação elétrica sobretudo em baixa tensão? Esta é uma confusão antiga que envolve engenheiros eletricistas, civis e arquitetos e em grande parte está atrelada à má redação de decretos e leis, a começar pelo conhecido “Decretão”.

O Decreto Federal nº 23.569, de 1933, tinha como função regular o exercício das profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor.

Em sua redação, o decreto afirmava:

Art. 28 – São da competência do engenheiro civil:

b) o estudo, projeto, direção, fiscalização e construção de edifícios com todas as suas obras complementares.

Art. 30 – Consideram-se da atribuição do arquiteto e engenheiro-arquiteto:

a) estudo, projeto, direção, fiscalização e construção de edifícios, com todas as suas obras complementares.

Quando o decreto utilizava a expressão “obras complementares”, criava margem para uma série de interpretações. Dentre elas, a de que o projeto de instalação elétrica é uma obra complementar, assim como é garagem coberta ou uma edícula, por exemplo.

De acordo com a interpretação de cada um, a instalação elétrica, do ponto de vista do decreto, podia ser classificada como complementar, argumento contestado pelo engenheiro eletricista e ex-conselheiro do Crea-SP, Paulo Barreto, pois, caso assim fosse, a instalação elétrica poderia ou não ser obrigatória em um prédio, mas sem ela, o edifício ficaria impróprio para utilização.

Durante 30 anos, uma série de atribuições profissionais próprias dos engenheiros eletricistas foi estendida a civis e arquitetos. Até que em 1966 entrou em vigor a Lei nº 5.194, que não estabelece atribuições profissionais por modalidade, como era o decreto. A lei trata apenas do exercício legal da profissão e passa a competência de atribuição ao órgão federal, único habilitado para esta função.

A questão, entretanto, também não ficou bem resolvida com a Resolução nº 218, de 1973, do Confea, que sustentou ruído de comunicação semelhante ao existente no decreto no que se refere à expressão “obras complementares”:

Art. 7º – Compete ao engenheiro civil ou ao engenheiro de fortificação e construção: I – o desempenho das atividades 01 a 18 do artigo 1º desta Resolução, referentes a edificações, estradas, pistas de rolamentos e aeroportos; sistema de transportes, de abastecimento de água e de saneamento; portos, rios, canais, barragens e diques; drenagem e irrigação; pontes e grandes estruturas; seus serviços afins e correlatos.

Novamente, segundo Barreto, o legislador introduziu ruído em seu próprio documento. “Desde quando instalação elétrica tem afinidade ou correlação com tijolo, cimento, ou ferragem? A expressão ‘serviços afins e correlatos’ não é definida e, por isso, é apropriada por aqueles que se julgam capazes de projetar um sistema de instalação elétrica. A redação do ‘decretão’ e em parte da resolução nº 218 foram as responsáveis, em certa medida, por esta discussão com a qual estamos lidando há tanto tempo dentro da profissão e do Sistema Confea/Crea”, avalia o engenheiro.

Excluindo os termos que podem dar dupla interpretação, o que se tem hoje dentro do Confea, no âmbito da Resolução nº 218, “não deveria dar margem para sombreamento entre as profissões”, na visão de Barreto. O engenheiro civil, o arquiteto, ou qualquer outra modalidade profissional, não possui atribuições na área da energia elétrica e isso pode ser fundamentado inclusive por decisões plenárias e judiciais, ao longo dos anos, que colocam claramente a responsabilidade de qualquer sistema elétrico, desde a baixa tensão, nas mãos única e exclusivamente dos engenheiros eletricistas.

Para o engenheiro eletricista e conselheiro do Confea, Eduardo Delmondes Góes, a legislação que regulamenta as profissões ligadas à engenharia e arquitetura realmente deixa, para alguns, a dúvida sobre o direito de elaborar e executar projetos de instalações elétricas, mas não há sombreamento. “Não há como a resolução configurar o sombreamento, se estamos comparando cinco anos de universidade para o engenheiro eletricista com uma ou, no máximo, duas disciplinas de 30 ou 40 horas de instalações elétricas obrigatórias aos engenheiros civis e arquitetos, e quase sempre ministradas por professores sem competência técnica para tal”, critica Goés.

Para o conselheiro, a questão envolve muito mais ética que qualquer outra coisa. “Como engenheiro eletricista e conselheiro federal, não tenho essa dúvida. A atividade de elaborar e executar projetos de instalações elétricas é exclusivo de profissionais com formação na área elétrica. Esta questão é mais ética que técnica”, opina Góes.

Plenárias derrubam instrução de serviço na Bahia

Um exemplo recente destas confusões deu-se em 2008, quando o Confea decidiu pelo cancelamento da Instrução de Serviço n. 01/2004, da Câmara Especializada de Engenharia Civil (CEEC), do Crea-BA, que determinava que engenheiros civis graduados possuíam atribuições nas áreas de eletricidade, com ou sem restrições de tensões.

O autor da ação contra a CEEC foi o engenheiro eletricista Marcos Roberto Borges. Segundo ele, a instrução de serviço permitia que engenheiros civis se responsabilizassem por projetos de instalações elétricas de até 1.000 Volts sem limite de tensão. “Entrei com processo junto ao Crea e levamos dois anos para derrubá-la. A primeira vitória veio dentro da própria plenária do Crea e depois ganhamos a ação na plenária do Confea, em 2008. Mesmo assim, de forma prática, os civis continuam assinando ART na área elétrica e a fiscalização não dá conta de impedir esta ilegalidade”.

Para Borges, a principal questão dentro desta irregularidade é que muitas obras não possuem sequer um projeto específico para instalações elétricas. Então, o engenheiro civil assina a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), mas quem “projeta” a instala&cced

il;ão é um mestre de obra ou eletricista sem formação nenhuma. “O que este profissional faz é um acobertamento perigoso porque eletricidade envolve riscos para quem trabalha com ela e para quem vai viver ou trabalhar naquele edifício”.

Borges prossegue afirmando que cada instalação é projetada para durar ao menos 15 anos, então, é necessário prever um possível aumento de carga, cabeamento adequado, futuras manutenções e reformas, etc.

“Todas estas decisões são colocadas nas mãos de um leigo que não tem conhecimento técnico para o assunto. A concessionária também padece porque instalações fora das normas ficam sobrecarregadas. Então perde a população em termos de segurança; perdem os engenheiros eletricistas porque possuem uma profissão regulamentada que é precarizada; e a ética é deixada totalmente de lado, quando você assume a responsabilidade por um projeto que não existe”, desabafa Borges.

Formação versus informação

Além de uma má redação de decreto e lei, a grande questão que envolve este embate é o próprio conceito de atribuição profissional. Até 1973, as engenharias eram unificadas, o que fazia as disciplinas de cada área serem ministradas de maneira mais abrangente e formativa. Porém, a partir do momento que as engenharias se especializam, o currículo fica dividido entre disciplinas informativas e disciplinas formativas, e é daí que vêm as atribuições profissionais – do currículo escolar.

O engenheiro civil tem aulas de cálculo estrutural, concreto armado, disciplinas indispensáveis para sua formação técnica, que o qualifica para prestar determinados serviços, de acordo com o projeto pedagógico de seu curso. Mas ele também tem aulas de ar condicionado, de mecânica, de elétrica, mas com conteúdo informativo, pela necessidade de as engenharias dialogarem para a execução dos projetos. E como se definem as atribuições? Segundo Barreto, apenas com as disciplinas de cunho formativo.

“Infelizmente, isso não é ensinado e, dentro dos próprios Creas, as pessoas não têm isso em mente. Fui conselheiro do Crea durante quatro anos e levei tempo para ter este conhecimento. Há muitos profissionais que imaginam ter conhecimento suficiente para projetar instalações elétricas e se responsabilizarem por conta de suas disciplinas informativas. É um despreparado que coloca seu nome, sua responsabilidade civil e criminal em jogo, exorbitando de suas funções”, explica Barreto.

Uma questão que faz parte desta discussão é a quem cabe realizar atribuições técnicas. Ficou decidido pelo Confea que as atribuições são concedidas por meio de análise curricular, entendendo isso como a estrutura curricular do profissional, o perfil de sua formação e o projeto pedagógico dos cursos, considerando-se somente as matérias que dão conhecimento específico profissionalizante. A análise curricular fica a cargo da câmara especializada – câmaras que compõem os Creas – inerente à atividade que está sendo requerida, porém somente o Confea faz atribuições profissionais.

O sistema Crea/Confea

Na prática, há muitos Creas realizando atribuições, como o caso já citado da Bahia. Este é um dos grandes problemas dentro do sistema Confea/Crea, pois ele é composto por profissionais de todas as áreas abrangidas por esse sistema – arquitetura, agronomia e todas as engenharias.

O Confea tem o seu poder legislativo. Este poder legislativo chama-se “Plenária” e é composto por profissionais das mais diversas categorias profissionais e que tem como uma de suas funções principais decidir sobre projetos de resolução destinados a regulamentar o exercício profissional.

“Historicamente, o Confea e os Creas têm sido comandados por engenheiros agrônomos e civis por serem estes a maior parcela dos profissionais do Sistema Confea/Crea. Daí conclui-se, pela obviedade, que é impossível que a determinação do direito pela elaboração e execução de projetos de instalações elétricas exclusivas de profissionais com formação na área elétrica seja originada no Sistema Confea/Crea”, afirma Eduardo Goés, membro conselheiro do Confea.

Ideia semelhante compartilha o presidente da Associação Brasileira de Engenheiros Eletricistas (ABEE – SC), Hélio Rohden. “Dentre as profissões ali presentes, a maioria é da modalidade da engenharia civil, ou seja, quando as matérias de interesse de ambas as modalidades vão para a Plenária, a maioria vence a votação, o que significa que os assuntos de interesse da engenharia elétrica, normalmente, são preteridos e a presidência do sistema fica numa situação delicada, caso resolva apoiar a elétrica, pois há mais votos do outro lado”, explica.

Foi por conta destes entraves dentro do sistema que nasceu a Associação Brasileira dos Engenheiros Eletricistas (ABEE) e a unidade catarinense foi responsável por uma ação inédita no país. “Nós resolvemos recorrer à Justiça e reclamar o fato de profissionais sem atribuição estarem atuando em nossa área e esta entendeu perfeitamente a angústia dos profissionais da área elétrica”, afirma Rohden.

A primeira reunião que originou esta ação ocorreu em 7 de junho de 2003, em Lages (SC). Vários prazos tiveram de ser cumpridos para registro da ABEE-SC no sistema Confea. A ação foi protocolada em abril/2009 na Justiça Federal, após os associados juntarem documentação suficiente para a ação.

“Ainda não temos o desfecho, pois o Crea efetuou todos os recursos possíveis sem lograr êxito. No entanto, a ABEE teve total atendimento do judiciário nos seus requerimentos. Na prática, conseguimos impedir que profissionais não habilitados preencham ART com códigos de natureza e atividades da área elétrica. O site do Crea SC ficou obrigado a bloquear qualquer profissional que não seja engenheiro eletricista a assinar códigos da área de engenharia elétrica com nossos códigos”, explica Rohden.

Para Goés, a ABEE–SC deu um claro exemplo a ser seguido. “A associação tem conseguido sucesso no seu intento e deveria ser seguida por todas as entidades de classe dos profissionais da área elétrica”.

A questão das disciplinas formativas e informativas também toca em dois pontos que Barreto julga serem muito importantes: o “poder fazer” e o “saber fazer”. À legislação, cabe atribuir quem pode desempenhar determinadas atividades, porém, se o profissional não se sentir capacitado para determinada tarefa, mesmo sob o amparo da lei, ele não deverá
fazê-la. “Caso faça o serviço, sem estar preparado, pode ser considerado um infrator pelo Código de Ética e responder a

processo por negligência, imperícia e imprudência”, relata Barreto.

Para Rohden, é óbvio que quem estudou profundamente um determinado assunto, tem melhores condições de discernir entre as aparentes possibilidades. “Sem querer denegrir a engenharia civil ou a arquitetura, ou outra que seja, entendo que, da área elétrica, são os engenheiros eletricistas os especialistas. Apesar de termos estudado disciplinas de outras áreas, nós, engenheiros eletricistas, não nos sentimos à vontade para atuarmos naquelas áreas”.

Para ajudar a resolver o problema de sombreamento, a Resolução nº 1.010/2005 do Confea concede extensão de atribuição profissional a engenheiros que façam cursos de especialização, mestrado ou doutorado registrados no Crea. Para Barreto, a resolução poderia resolver o problema, porque um engenheiro civil que queira trabalhar com instalações elétricas, poderia fazer um curso de especialização e pedir extensão de atribuição, o mesmo é válido para um engenheiro eletricista que queira, de repente, trabalhar com questões da área mecânica.        

Na contramão desta possibilidade, Góes vê a Resolução n. 1.010 como o “tiro de misericórdia” nos engenheiros eletricistas e afins, pois ele atribui de forma legal a possibilidade de engenheiros civis e arquitetos elaborarem e executarem projetos de instalações elétricas.

“Tivemos neste ano a saída dos arquitetos do Sistema Confea/Crea e temos ouvido rumores de outras categorias que querem também a separação. Acreditam que esta seja a solução de todos os problemas existentes hoje no sistema. Ledo engano, neste caso, separação é sinônimo de enfraquecimento. Enfraquecimento este que pode, um dia, levar à desregulamentação da profissão, haja vista que já se ouviu isso no Congresso Nacional. Eis aí o problema de fato. Enfim, em se tratando de Confea, esta celeuma não tem previsão para acabar”, acredita Góes.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Comentários (1)

Noticia de 2011, e que ao que parece o cenário de regulação da Engenharia elétrica não teve nenhuma melhora, ao contrário, agora até técnicos podem elaborar projetos…

Os comentário estão encerrados.

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico