José Starosta

Análise da forma de onda – Quando, como e por quê?

Edição 116 – Setembro de 2015 Por José Starosta Aqueles que habitualmente frequentam as sempre ricas sessões das sucessivas “Conferências sobre Qualidade da Energia”, organizadas pela turma da Sociedade Brasileira de Qualidade da Energia Elétrica (SBQEE), se acostumaram a ouvir nossos velhos mestres explicando a importância da cuidadosa avaliação da forma de onda quando se deseja entender os fenômenos de qualidade de energia, no domínio do tempo. Ao contrário das medições tomadas no domínio da frequência, em que as variáveis…

Geração e consumo de energia: como estamos?

Edição 115 – Agosto de 2015 Por José Starosta Apesar do furacão, a nau tem de navegar e os indicadores da viagem têm de ser monitorados. O barco não pode afundar, temos de ir em frente contra tudo e contra todos. Os indicadores extraídos dos sites do Operador Nacional do Setor Elétrico (ONS) e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) nos apontam para algumas informações importantes que merecem nossa atenção. As conclusões não cabem nesta coluna e possuem vertentes diversas,…

Quando as nossas redes serão realmente “smart”?

Edição 114 – Julho de 2015 Por José Starosta Na carona da última edição da Conferência Brasileira sobre Qualidade da Energia Elétrica (CBQEE), realizada na simpática e progressista Campina Grande (PB) pela Universidade Federal de Campina Grande e promovida pela SBQEE, o “smart grid” foi abordado no minicurso em dia anterior à conferência pelo eminente professor Paulo Ribeiro (agora finalmente repatriado). O tema foi discutido pelos presentes sob as diversas óticas de desenvolvimento, tecnologias, aplicações, regulações e projeções futuras. Foi…

Infraestrutura de instalações As instalações estão informatizadas. Nossas equipes estariam informadas e, sobretudo, formadas?

Edição 113 – Junho de 2015 Por José Starosta O avanço tecnológico das ofertas e soluções que assistimos em nossas instalações é exponencialmente crescente. Novos sistemas de proteção, de controle e comando, de medições de variáveis elétricas e mecânicas, e mesmo os elementos e os materiais e sistemas aplicados na construção e montagem são incorporados a cada novo projeto. Os supridores de soluções, sejam elas subestações elétricas e seus subsistemas, sistemas de fontes de contingência como os geradores e UPS,…

Aplicação de geradores em instalações elétricas: alguns cuidados necessários

Edição 112 – Maio de 2015 Por José Starosta Na última edição, abordamos a possibilidade apresentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), por meio da portaria 44 do MME, de compra da energia gerada por unidades consumidoras e que atualmente se encontra em estudo após a chamada pública. José Starosta José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br

A inversão do fluxo da energia – Consumidores vão gerar para o sistema elétrico

Edição 111 – Abril de 2015 Por José Starosta O tema não seria novo se estivéssemos tratando da geração fotovoltaica que já está regulada e que só aguarda a redução do apetite dos governos estaduais nas cobranças do ICMS para a sua viabilização. Do ponto de vista conceitual, outra ideia de geração distribuída está sendo ampliada. Encontra-se em fase de análise de votos e aprovação na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a resolução que objetiva contratar energia gerada por…

Mitigação dos problemas de qualidade da energia – Ações corretivas

Edição 110 – Março de 2015 Por José Starosta Vencida a primeira etapa da identificação dos problemas da qualidade de energia, normalmente conduzida por levantamentos, vistorias e, fundamentalmente, por medições adequadas, cabem, em uma segunda etapa, as definições e especificações das ações corretivas aplicáveis. A questão desta especificação da solução pode considerar uma simples mudança no esquema de aterramento, a troca de algum transformador, painel ou ainda a mudança do ponto de alimentação da carga. Pode ainda considerar a instalação…

Otimização do consumo de energia elétrica em instalações com o controle da tensão

Edição 109 – Fevereiro de 2015 Por José Starosta Conceitos gerais A eficiência do uso de energia elétrica em plantas industriais e complexos comerciais pode ser substancialmente melhorada com o ajuste adequado dos níveis de tensão de operação dos barramentos de alimentação das cargas e equipamentos. José Starosta José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br

Regulação de tensão

Edição 108 – Janeiro de 2015 Por José Starosta A regulação de tensão tem como objetivo e regra geral a avaliação da variação da tensão, relacionando o comportamento da tensão em regime de carga e em vazio, em relação a uma referência (normalmente a tensão em carga). A expressão 1 ilustra esta definição. José Starosta José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br

Qualidade da energia – A necessária integração dos indicadores: exemplos de aplicação

Edição 107 – Dezembro de 2014 Por José Starosta Em continuidade às duas colunas publicadas anteriormente, o primeiro exemplo considera a avaliação de um barramento secundário de transformador em instalação industrial com as medições conforme mostram as Figuras 1 e 2. José Starosta José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br