José Starosta

Qualificação de Escos: um marco necessário

Ed. 57 – Outubro de 2010 Por José Starosta O amadurecimento do mercado também se faz com ações coordenadas que vislumbram não só a integração e atendimento comercial, mas fundamentalmente o posicionamento coerente, a competência técnica e modelos adequados da relação entre os tomadores e prestadores de serviço, José Starosta José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br

A nova abordagem da cobrança da energia reativa e o limite do fator de potência

Ed. 56 – Setembro de 2010 Por José Starosta Aconteceu no mês de agosto na Universidade Federal de Uberlândia, por iniciativa da Sociedade Brasileira da Qualidade da Energia Elétrica (SBQEE), um workshop para discussão do fator de potência de referência no Brasil. As apresentações feitas pelos diversos representantes da sociedade civil e por órgãos de administração pública, além da própria SBQEE, abordaram um panorama bem interessante sobre o assunto (as apresentações estão disponíveis no site www.sbqee.com.br/workshop). José Starosta José Starosta…

Instalações elétricas críticas e de (atendimento às cargas de) missão crítica – 3ª parte

Edição 54, julho de 2010  Por José Starosta Operação e manutenção de instalações considerando aspectos de operação com procedimento e segurança da equipe Os procedimentos de operação e manutenção de instalações de atendimento a cargas de missão crítica assemelham-se aos aplicados em usinas e subestações de concessionárias. As equipes são treinadas e os procedimentos documentados, sendo estes ainda discutidos e revisados a cada nova oportunidade. Toda a instalação é documentada, assim como as ocorrências e soluções tomadas. José Starosta José…

Instalações elétricas críticas e de (atendimento às cargas de) missão crítica (1ª parte)

Edição 52, Maio de 2010 Por José Starosta É bastante perceptível no mercado que o avanço tecnológico das últimas décadas é também verificado nos componentes e materiais aplicados em nossas instalações elétricas. Também foram desenvolvidos componentes elétricos com custos industriais de produção mais baixos que o das soluções clássicas, como o caso de eletrodutos e outros materiais construídos à base de matérias-primas plásticas e assemelhadas, que merecem uma pré-analise sob o ponto de vista de onde e como instalar.  …

Até quando continuaremos a nos matar?

Autoria: José Starosta Crescemos com elas, nos habituamos a conviver com elas e muitas vezes não percebemos que estão bem próximas, às vezes na nossa frente, às vezes ocultas. Talvez sejam mais frequentes até que as noticias sobre políticos em atos de corrupção (é, talvez). Sim, estamos falando de Sua Excelência, a “GAMBIARRA”. O termo, originalmente aplicado para identificar os circuitos dependurados nas estruturas que servem para alimentação das lâmpadas nos circos, passou a ser utilizado de forma geral na…

Energia com qualidade

Por que “eficiência energética”? As lições mais difíceis são aprendidas com muito esforço e suor e a história do homem tem nos mostrado isso. Da mesma forma ocorre com a prática da eficiência energética que, nos tempos modernos, aparece como umas das melhores alternativas desde o dilema do racionamento mundial do petróleo, que se iniciou em 1973. José Starosta José Starosta é diretor da Ação Engenharia e Instalações e membro da diretoria do Deinfra-Fiesp e da SBQEE. jstarosta@acaoenge.com.br