Cepel e Marinha assinam acordo de cooperação

O Cepel e a Marinha do Brasil, enquanto coordenadora da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), formalizaram acordo de cooperação técnica para o desenvolvimento de projetos de abastecimento de energia elétrica das ilhas oceânicas do país, a partir de fontes renováveis. O acordo foi assinado pelo diretor-geral do Cepel, Amilcar Guerreiro, e o contra-almirante Antonio Cesar da Rocha Martins, secretário da CIRM.

O Cepel já havia prestado apoio técnico à Marinha em iniciativas do gênero, por meio de solicitação direta do Ministério de Minas e Energia (MME) e da Eletrobras, e o novo termo de cooperação terá início justamente no arquipélago de São Pedro e São Paulo, onde, há mais de duas décadas, o Centro instalou a única fonte de energia elétrica local, por meio de painéis fotovoltaicos e baterias.

“O arquipélago de São Pedro e São Paulo não é apenas mais um conjunto de pequenas ilhas no Oceano Atlântico, quase desconhecidas. No local, a Marinha mantém uma Estação Científica, que precisa ter seu suprimento elétrico revitalizado, haja vista a potencialidade do local enquanto campo de pesquisa e também o interesse estratégico para o nosso país. Essa potencialidade justifica a necessidade de superação dos obstáculos naturais do sítio. A cooperação que ora renovamos se reflete, portanto, em ações especificamente voltadas para questões relacionadas à maximização da eficiência energética, como a adoção de sistemas de produção de energia solar, ressalta Amilcar Guerreiro.

O acordo também prevê o apoio técnico do Cepel em projetos de geração renovável e eficiência energética em outras ilhas brasileiras de interesse da Marinha. Além do arquipélago de São Pedro e São Paulo, a Marinha possui estação científica na ilha de Trindade, onde pleiteia extensão da plataforma continental junto à Comissão de Limites, e tem perspectiva de ter uma terceira estação, em Fernando de Noronha.

Neste sentido, Amilcar Guerreiro vê como promissor o acordo de cooperação. Tanto para a Marinha, que terá atendida sua necessidade de soluções energéticas sustentáveis para as ilhas oceânicas brasileiras, quanto para o Centro, que poderá avançar na pesquisa da degradação de painéis fotovoltaicos, estudo relevante nas condições brasileiras. “Essa cooperação do Cepel com a Marinha do Brasil é mais uma evidência de como o Centro contribui para o desenvolvimento do nosso país”, considera.

A parceria pode render mais frutos. O contra-almirante Antonio Cesar da Rocha Martins assinala também o potencial da parceria no fomento a projetos de geração de energia no mar, a partir de marés, ondas, correntes, ventos, plataformas de petróleo. Segundo Martins, Cepel e Marinha podem construir outras alternativas, não só em atividades em que a Marinha esteja diretamente envolvida, mas em outras, que visem aproveitar as potencialidades do mar e resultar em desenvolvimento sustentável para o Brasil.

Atualizado em 13 de agosto de 2021 por Redação

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico