Choque de realidade no custo da energia

Edição 110 – Março de 2015
Por José Starosta – Consultor Técnico

Racionalizar e tornar o uso eficiente para não racionar

A partir de março os consumidores passaram a sentir em seus bolsos os reflexos do aumento extraordinário do custo da energia e das bandeiras tarifárias. Desta vez até os consumidores livres também estão sendo “premiados” com o impacto decorrente do importante aumento do valor da tarifa de uso do sistema de distribuição (Tusd).

A sinalização é clara: “bem-vindo ao mundo real!”. Ao contrário do que ocorria no final de 2012 com a publicação da MP 579, quando se achava que os custos de energia podiam ser reduzidos, o mercado encara mais este desafio e, como já dito anteriormente, pela falta de chuvas e aumento de geração térmica. Naquela oportunidade, muita água foi turbinada para a geração de energia de baixo custo e desperdícios, mas esta água não voltou.

O PLD, que já havia sido reduzido para R$ 388,45, retém o apetite dos setores industriais que haviam se tornado “comercializadores”, reduzindo suas próprias cotas contratadas de consumo (talvez até pela recessão que este setor industrial atravessa). Aliás, não fosse a recessão, a situação estaria bem pior.

Diante do quadro, os setores do governo federal responsáveis pela gestão da energia no país fazem suas contas em função dos números da oferta e demanda. Espera-se que, até o final das chuvas (este mês de março), sejam anunciadas as novas medidas. Algumas tidas como certas, outras nem tanto:

  • Incentivo às ações de eficiência energética (será que agora vai?);
  • Remuneração por geração distribuída em consumidores que possuam fontes de “backup”;
  • Incentivo na implantação de fontes renováveis em geração distribuída e ajustes das questões fiscais e impostos destas fontes;
  • Ajustes e aspectos fiscais em equipamentos eficientes;
  • Medidas em curto prazo de eficiência energética em prédios públicos.

Como seriam implantadas estas medidas? Teremos de esperar para ver. A turma é experiente e sabe o que deve ser feito, o que se espera é que os deixem trabalhar. 

Um novo cenário merece novas ideias, novos projetos e novos resultados; de velho só mesmo o nosso Valdívia que continua lesionado.

Boa sorte para nós!

Eng. José Starosta
Consultor da revista O Setor Elétrico
consultor@osetoreletrico.com.br

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico