Cobre ou alumínio: qual é o melhor para cabos elétricos?

Conheça quais características e fatores tornam o uso de um ou outro mais comum no cabeamento de instalações elétricas e na indústria

                

Cobre e alumínio são os mteriais condutores preferidos dos sistemas elétricos, o que faz da comparação entre ambos um exercício comum até mesmo entre profissionais do setor. Afinal, qual deles é o melhor para utilização em fios e cabos elétricos?

Pode parecer um conceito básico e simplista, uma linha adotada por quem prefere não se posicionar, mas a melhor resposta é poder contar com ambos os metais“, explica Marcondes Takeda, gerente de produto do Grupo Prysmian no Brasil. O Grupo é líder mundial na fabricação de cabos de energia e de telecomunicações.

A realidade do mercado torna oportuna a utilização desses materiais em tantos cenários de instalação que um acaba complementando o outro, ou seja, quando o cobre se sairia melhor que o alumínio naquela aplicação e vice-versa“, completa Takeda.

A flexibilidade de escolha de material conforme o cenário de instalação, além do que é determinado pelas normas reguladoras nacionais e internacionais, mantém ambos em plena especificação nos mais variados projetos.

Áreas de aplicação

O fato de não existir uma melhor opção que atenda a todos os cenários não nos impede de conhecer onde cada metal é mais utilizado. As áreas de aplicação desses condutores são relativamente distintas e dependem principalmente da condutividade elétrica e das propriedades mecânicas.

Como regra geral, o cobre é usado como condutor elétrico para aplicações em que a minimização do volume é importante, como por exemplo no cabeamento em equipamentos elétricos. Já o alumínio é mais utilizado onde a minimização da massa é importante, como por exemplo nos cabos de transmissão aérea de energia.

Minimizar o volume é fundamental para aplicações onde é preciso economizar espaço. O cobre se sai melhor nesse cenário porque implica em cabos de menor seção e diâmetro do que os de alumínio para uma mesma condutividade“, explica Takeda.

É por isso que o cabo de cobre é mais utilizado para instalações elétricas residenciais, dada a flexibilidade e ocupação de espaço menor nos eletrodutos. Outra questão referente às instalações domésticas é a previsão obrigatória de cabos de cobre na maior parte das instalações elétricas de baixa tensão (ABNT NBR 5410).

O que dá peso a obrigatoriedade da norma por cabos de cobre é a necessidade de maior expertise para a instalação e conexão dos de alumínio, um desafio em um país onde a cultura do “qualquer um pode fazer” ainda é grande em elétrica.

Por outro lado, os de cobre chegam a pesar o dobro dos de alumínio igualando-se a condutividade. “Isso faz diferença onde o peso não essencial é algo a se eliminar, como nas linhas aéreas de transmissão em alta tensão e na indústria aeroespacial” completa o gerente.

Avanços industriais também podem mudar a especificação de cabos. A indústria automotiva, por exemplo, hoje consome 1.1 milhão de toneladas de cabos de cobre (95%) e quase de 60 mil toneladas de alumínio (5%) por ano. Em média, usam-se de 35 a 40 kg de condutores de cobre a cada veículo no mundo.

Com a ascensão dos carros elétricos, no entanto, um maior número de cabos vai levar a indústria a buscar uma redução do peso do cabeamento usando uma variedade maior de opções em alumínio.

Condutividade

Cobre e alumínio são os metais mais utilizados como condutores em cabos elétricos porque possuem baixa resistividade, excelente eficiência, dúcteis e relativamente resistentes à corrosão se corretamente instalados.

O cobre é o mais produtivo dos dois metais, a ponto de ter sido escolhido como o padrão internacional de condutividade (100% IACS). Dos metais puros comumente encontrados, apenas a prata é melhor condutora que o cobre (106%), mas é consideravelmente mais cara e não é tão resistente mecanicamente. O ouro é mais condutivo (76%) do que o alumínio (61%), mas assim como a prata também não é economicamente viável“, explica Takeda.

A condutividade e a resistividade do material dependem da temperatura: a condutividade da maioria dos materiais diminui à medida que a temperatura aumenta, enquanto a resistividade da maioria cresce com o aumento da temperatura.

Propriedades mecânicas

As propriedades mecânicas dos condutores de cobre e alumínio diferem significativamente para uma mesma condutividade elétrica, não só em relação ao peso (cobre 50% maior) e à seção transversal (alumínio 64% maior), mas também na resistência à tração (cobre 16% maior) e resistência à fluência (cobre mais resistente).

O efeito da oxidação em ambos é um ponto a se destacar. Em contato prolongado com o ar e a umidade, o óxido no cobre pode formar um carbonato básico de cor verde que adere na superfície do metal e o protege.

A Estátua da Liberdade é de cobre e hoje possui uma coloração esverdeada justamente por conta da oxidação desse metal“, exemplifica Takeda.

O alumínio, por sua vez, é um metal que se dilata mais e um dos que mais sofrem oxidação com o ar, porém, a camada de óxido que o protege na superfície é muito mais resistiva do que a camada de óxido que se forma no cobre. O excesso da oxidação acaba por elevar a resistividade do cabo de alumínio provocando sobreaquecimento nas conexões.

Outro ponto de atenção é no encontro entre o cobre e o alumínio. Os condutores de alumínio têm maior tendência à corrosão devido ao seu baixo potencial eletroquímico. A conexão do alumínio com metais de maior potencial resulta na chamada corrosão galvânica.

A formação de Al2O3 isolante é um dos fatores mais prejudiciais, pois inibe o fluxo de corrente, consome o metal condutor e ainda causa a formação de pontos quentes nos contatos. Esse processo de degradação continua até que todo o alumínio seja consumido enquanto houver um eletrólito (umidade)“, alerta Takeda.

  

A solução para esse problema passa pela aplicação de conectores bimetálicos como olhal-barril, pino-barril, parafuso fendido e cunhas, além da aplicação de pastas antioxidantes.

Mercado e dinâmica de preços

O sistema elétrico é o maior mercado de vendas para a indústria do cobre, compreendendo cerca de 70% de todo o metal produzido atualmente, enquanto que, para a indústria do alumínio, sua representatividade é de 13%.

Ao contrário do alumínio, o cobre ocorre naturalmente, cujas fontes variam de pequenos traços a ricos depósitos de minas. A maioria opera com concentrações de cobre entre 0,2% e 0,8%, mas existem minas no centro da África Austral com concentrações de até 5%.

O minério é triturado, lixiviado e após a extração do solvente, é obtido o complexo de cobre. Por meio da eletrólise, recupera-se o metal como cátodo – matéria-prima para fabricação de cabos – com 99,9% de pureza, índice adequado para uso elétrico.

O alumínio, curiosamente, é o material mais comum encontrado na crosta terrestre, mas não ocorre em seu estado natural – é preciso extraí-lo do minério de alumínio, a bauxita.

O processo de refino químico obtém primeiro a alumina para depois obter o metal puro em lingotes por meio da eletrólise. São processos que consumem muita energia, não à toa a conta de luz corresponde a 70% do custo desse metal primário.

A cotação do cobre na bolsa de metais London Metals Exchange (LME) é muito mais volátil em comparação com a do alumínio. O preço desses metais no mercado é definido em função destas cotações.

Tomando maio/2020 como referência, a tonelada de cobre custava em média US$ 5.233,50 enquanto a tonelada de alumínio estava estimada em US$ 1.459,30, o que faz do cobre um material muito mais visado por ladrões de cabos elétricos.

A comparação direta do custo do metal, já considerando o cabo de alumínio com seção transversal maior para ter a mesma capacidade de condução de corrente, não é justa” analista o gerente.

Quanto maior o valor agregado ao cabo, em termos de construção, utilização de outras matérias primas e complexidade do processo produtivo, menor é o peso do metal no custo“, completa.

Atualizado em 4 de agosto de 2021 por Flávia Lima

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico