Com acordo de leniência publicado, a Nova Engevix retoma projetos e investimentos no Sul do País

Em SC, grupo investe R 380 milhões na conclusão da hidrelétrica de São Roque; e no RS, a Nova estuda projetos que incluem inovação tecnológica

Após a publicação, na semana passada, do acordo de leniência pela Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU), o grupo Nova Participações – controladora da Nova Engevix Engenharia e da Nova Engevix Construções – anuncia a retomada de antigas operações na região Sul do País e a intenção de iniciar outros projetos nos setores público e privado.

Em Santa Catarina, a Nova se dedicará à conclusão da usina hidrelétrica de São Roque (UHE), com um investimento na ordem de R﹩ 380 milhões e a previsão de gerar 1.000 empregos no Estado.

No Rio Grande do Sul, o Grupo investe na recuperação do estaleiro Rio Grande, onde as plataformas já entregues produzem mais de 600 mil barris de petróleo, garantindo cerca de 3 mil postos de trabalho.

“É uma nova era na vida do Grupo Nova Participações”, comemora o acionista da holding, José Antunes Sobrinho.

Com uma trajetória de 55 anos no mercado de engenharia consultiva, a Nova Participações, por meio das empresas Nova Engevix, desenvolve e viabiliza operações nas áreas de infraestrutura, saneamento, energia e indústria. “A empresa foi totalmente reorganizada e reestruturada, a partir de um rigoroso padrão de compliance“, acrescenta Antunes.

Em anos anteriores, o grupo ficou conhecido pelos catarinenses por operações em vários segmentos – algumas funcionando como uma verdadeira escola para a engenharia no estado, como no caso da energia renovável. Ainda tiveram a assinatura da Nova projetos de infraestrutura e saneamento por meio das estatais Casan, Celesc, Deinfra, além dos trabalhos realizados para a Prefeitura de Florianópolis.

“Nós praticamente desenvolvemos a bacia do Rio Uruguai e suas grandes hidrelétricas: Itá, Barra Grande, Campos Novos e Foz do Chapecó”, lembra Antunes.

Os gaúchos também contam com diversas operações do Grupo, como as hidrelétricas de Rio das Antas, Dona Francisca, São João e Monjolinho, além do processo da privatização da CEEE, os projetos de saneamento e o plano de reestruturação econômica para a Metade Sul do Rio Grande do Sul.

Neste momento, o plano é investir em novos negócios nos três estados da região Sul, sobretudo os que incluírem inovação tecnológica. Na avaliação de Antunes, a assinatura do acordo de leniência está viabilizando a tomada de crédito no mercado, que sente os efeitos dos programas de governança, ética e integridade iniciado em 2017 na companhia, após sua mudança de gestão.

O recente documento firmado com a Controladoria Geral da União deixou claro que não existem motivos para manutenção de bloqueios, restrições ou impedimentos para a Nova se relacionar com a Administração Pública, podendo participar de procedimentos licitatórios ou de qualquer outra modalidade de contratação.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por

Posts Relacionados

Comentários (1)

no Brasil, definitivamente, o crime compensa

Os comentário estão encerrados.

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico