Comando e controle a distância

Prezado leitor, o tema que gostaria de discutir hoje é comando e controle a distância. Antigamente, na saudosa época da eletromecânica, utilizava-se um mar de contatores auxiliares e cabos para se idealizar as lógicas de comando e controle, adicionando-se uma infindável quantidade de chaves seletoras “local-remoto” para se montar um sistema de comando e controle que atendesse aos princípios de funcionamento exigidos nas instalações. Naquele tempo, preocupar-se com a segurança cibernética do sistema de comando e controle era coisa dos filmes de Hollywood.

A evolução dos sistemas digitais trouxe às instalações elétricas os PLCs, computadores lógicos programáveis, que revolucionaram os sistemas de comando e controle por incorporarem toda aquela lógica feita anteriormente de forma eletromecânica para dentro dos computadores e suas placas de IOs, concentrando as decisões e dando flexibilidade aos processos, pois alterações funcionais eram facilmente implementáveis mudando-se apenas as lógicas funcionais dentro dos programas dos PLCs. Entretanto, a eletrônica tem suas limitações, o que obriga a utilização de um arsenal de acessórios para proteção dos computadores contra sobretensões, induções, sobrecargas nas placas de IOs, etc.

Chegamos então à nossa realidade e pergunto: por que não pensar em conectar, monitorar, medir, controlar, proteger, entre tantas coisas que fazemos usando quadros elétricos de baixa e alta tensão, mas utilizando-se dos conceitos da indústria 4.0? Sensores, relés, controladores, drives, isso tudo já não está conectado a redes de dados? Já não acessamos tudo isso apenas com as ferramentas disponíveis nos já consagrados sistemas de automação e controle que caracterizam a terceira revolução industrial? Então, para que serviria essa tal indústria 4.0 em nossas instalações elétricas?

Alguns anos atrás, escrevi nesta mesma coluna uma provocação ao leitor: mas e a segurança de tudo isso? Estaríamos expostos e vulneráveis a ataques cibernéticos, badwares ou vírus, entre outros problemas?

Nestes dois anos que se passaram, estudei o assunto junto a alguns fabricantes e projetistas e cheguei a algumas conclusões:

– Os sistemas não podem ser integrados, ou seja, medição e monitoramento, que são matérias de interesse mais imediato e objeto de desejo quando se trata de gestão dos ativos, para que sejam acessíveis externamente às instalações, devem ter sua base de dados e de acesso segregados da base de dados dos sistemas de comando, controle e proteção, pois não é possível garantir que softwares mal intencionados não acessem nosso sistema quando abrimos as portas para acesso externo no momento de acompanhar dados de medição ou monitoramento;

– Comando, proteção e controle só se faz pela rede local, inacessível pelo mundo externo, e os dados coletados por estes sistemas devem ser armazenados em servidores dedicados a este fim;

– Será mesmo impossível uma rede inexpugnável?

Aguardo sua manifestação a respeito desse assunto para intensificarmos as discussões sobre o tema. Boa Leitura!

Atualizado em 3 de agosto de 2021 por Maria Elisa Vaiser

Posts Relacionados

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico