Conceitos básicos de eletrotécnica aplicada – 7ª parte Cargas das instalações e linearidade – cargas não lineares e fator de potência (continuação)

Ordem harmônica

Cada um dos sinais senoidais apresentados na edição anterior compõe o sinal “soma” e pode ser representado pela “ordem harmônica”, que é a relação da frequência do sinal pela frequência fundamental. Em um sistema elétrico de corrente alternada, 60 Hz, um sinal (corrente ou tensão) de 300 Hz é considerado como de 5ª harmônica, o de 420 Hz de 7ª harmônica e assim por diante. De forma a facilitar a representação e entendimento destes sinais, a representação mais utilizada é convencionalmente feita com a utilização do histograma apresentado na Figura 1. Nas abscissas são informadas não exatamente as frequências das correntes harmônicas, mas sim o número inteiro múltiplo que estas frequências guardam em relação à frequência fundamental, ou as ordens harmônicas. Assim o número 3 é relativo à frequência de 180 Hz (3ª harmônica) e o 5 é relativo a 5ª harmônica, 300 Hz.

Esse número relativo à frequência harmônica é utilizado como índice do sinal que se deseja representar. A grandeza I5= 17A significa que a corrente eficaz (rms) de 5ª harmônica (em frequência de 300 Hz) é de 17 ampères. Concluindo, a referência a uma componente harmônica de ordem “n” significa que se está tratando de um sinal de tensão ou corrente em frequência “n.f”, em que f é a frequência fundamental.

Representação de um sinal:

O sinal “soma” da figura 2 da edição passada (i(t)), que é o sinal total distorcido é definido pela série de Fourier como a soma dos outros sinais senoidais. A expressão geral da Série de Fourier pode ser representada para um determinado sinal de corrente como:

i(t)=Idc+I1.sen(ωt+φ1)+I2.sen(2ωt+φ2)+I3.sen(3ωt+φ3)+…. …… + Ih.sen(hωt+ φh)

em que:

Idc é a componente de corrente contínua do sinal;

Ih (h=1,2,3…) é a máxima corrente (ou corrente de pico) na frequência harmônica “h”;

φh (h=1,2,3…) são os ângulos de defasamento de cada harmônica.

Na Figura 2 estão presentes as correntes harmônicas de ordem 3 e 5, além do sinal de corrente fundamental.

i(t)= I1.sen(ωt+φ1)+I3.sen(3ωt+ φ3) + I5.sen(5ωt+ φ5)

O valor máximo da corrente I1 será 81*√2 A (como cada um dos sinais que compõe o sinal distorcido é senoidal).

Imaxfund=√2*I1

A mesma metodologia não vale para o sinal soma que não é senoidal.

i(t)= 114.sen(ωt)+41.sen(3ωt)+24.sen(5ωt);

em que ω= 2.∏.f, sendo f a frequência fundamental, 60 Hz.

Figura 1 – Representação do espectro harmônico de sinal de corrente.

Outra forma usual de representação é a de quantificar cada harmônica em valores percentuais relativos ao valor da corrente fundamental. Assim o espectro harmônico formado pela terceira harmônica de 29 A e quinta harmônica de 17 A, pode ser representado conforme figuras 3 e 4

Figura 2 – Representação do espectro harmônico de sinal de corrente em valores percentuais em relação à corrente na frequência fundamental.

Da mesma forma podem ser representados os sinais de tensão harmônica.

Corrente eficaz do sinal harmônico

O valor eficaz de um sinal harmônico (tensão ou corrente) é calculado pela raiz das somas quadráticas dos valores eficazes de cada um dos sinais. Assim, a corrente eficaz de um sinal com componentes de correntes fundamental, segunda, terceira, quarta, quinta e outras harmônicas será:

Irms =

Analogamente, o valor eficaz do sinal tensão será:

Vrms =

Assim, o sinal de corrente apresentado na tabela 7.1 terá como valor eficaz:

Irms = = 87,7 A

Resultando que a corrente eficaz (Irms) será aproximadamente 8% superior à corrente fundamental (I1).

Distorção total de um sinal harmônico

Com base no espectro das diversas componentes (corrente ou tensão) de um sinal harmônico, podem-se estabelecer os indicadores Distorção Harmônica Total de Tensão e de Corrente.

 A literatura e referências internacionais tratam a grandeza distorção harmônica total por THD (Total Harmonic Distortion), sendo THDI a distorção harmônica total de corrente e THDV de tensão. A norma ANEEL-Prodist módulo 8 trata esses indicadores por DHT (distorção harmônica total), DTT de “distorção total de tensão”.

Por uma questão de simplificação e adequação à terminologia utilizada nos instrumentos de medidas elétricas, trataremos estes indicadores por THDI e THDV, contrariando nesse caso as referências oficiais nacionais.

A definição da distorção total de um sinal é originada da raiz quadrada da soma quadrática das componentes harmônicas, definida como a raiz quadrada da soma dos quadrados dos sinais, relacionada ao valor do sinal na frequência fundamental. As expressões a seguir ilustram a distorção harmônica total de um sinal de corrente

 

 

ou ainda:

 

 

 

 

 

 

 

Continua na próxima edição.

Atualizado em 9 de agosto de 2021 por Flávia Lima

Posts Relacionados

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico