Conceitos básicos de eletrotécnica aplicada – Parte 1

Para o entendimento e equacionamento de ocorrências de eventos de qualidade de energia é importante a revisão e recapitulação de alguns conceitos da eletrotécnica básica que muito auxiliam nestas interpretações. Apresentamos na sequência uma revisão suscinta de alguns destes conceitos.

Grandezas em corrente alternada

A alimentação da maioria das cargas elétricas clássicas das instalações elétricas indústrias, de grandes complexos comerciais, hospitais, data centers e mesmo em nossas residências como os motores de todos os tipos, sistemas de iluminação, eletromédicos, sistemas de informática e outras, é efetuada em tensão alternada. As normas disponíveis estabelecem os limites de alimentação aos consumidores e às próprias cargas. Mesmo que estas cargas possuam sistemas incorporados que operem ou que controlem as mesmas em tensão e corrente contínua como os Leds de sistemas de iluminação ou as fontes chaveadas dos computadores ou as fontes de  telecomunicações,  sistemas   UPS, e outros, o tema Qualidade de Energia está relacionado à alimentação destes, portanto, a tensão alternada da entrada das instalações e dos equipamentos.

Portanto, estamos nos referindo a um sinal senoidal gerado por fontes convencionais de energia em tensão alternada como os geradores/alternadores associados, por exemplo, às  turbinas em  usinas   hidrelétricas,   em   motores e turbinas acionados por combustível fóssil ou biomassa, e mesmo às fontes renováveis que se utilizam de inversores eletrônicos como fonte para a alimentação das cargas e que também devem atender às premissas e limites estabelecidos para este fornecimento em tensão alternada.

Sinal senoidal

Um sinal de tensão (v) e corrente

(i) senoidais são então definidos pelas expressões gerais (1) e (2):

v =Vm.cos(wt) (1)

i = Im.cos (wt+j) (2)

Em que:

  • Vme Im são os valores máximos (pico) dos sinais senoidais de tensão e corrente.
  • w é a frequência angular equivalente  a  p.f  ;  sendo  f  a  frequência  do sinal de tensão da rede de alimentação e da corrente da carga. No Brasil, f = 60Hz ou 60 ciclos por segundo. Esta frequência é tratada como a “frequência fundamental”.
  • O angulo j representa a defasagem dos ângulos de tensão e corrente em relação a uma mesma referência ou simplesmente a diferença dos fasores de tensão e corrente relativos a uma mesma fase.

A Figura 1 apresenta os sinais de tensão e corrente gravados em um barramento e um circuito alimentador de carga hospitalar. Note-se que o sinal de tensão apresenta leve e até imperceptível deformação da forma de onda, enquanto a deformação da forma de onda de corrente tem clara percepção. Esta deformação da forma de onda é chamada de deformação harmônica e será tratada com mais detalhes mais a frente.

O ângulo j é apresentado de forma aproximada também na Figura 1 e representa a defasagem entre os sinais de corrente. Na representação vetorial no regime jw é o ângulo de defasagem entre tensão e corrente de uma mesma fase, ou simplesmente é “ângulo de defasamento da carga”. O cosseno deste ângulo cosf é o fator de potência da carga na frequência fundamental.

Tensão e corrente eficaz

As tensões e correntes eficazes são aplicadas no regime “jw” (ou no domínio da frequência) que considera a integração dos sinais senoidais acima expostos.

Como informação, o valor eficaz ou rms de uma tensão elétrica corresponde ao valor que deveria ter uma tensão contínua para produzir em uma determinada resistência a mesma taxa de dissipação de energia (potência) que produz a tensão alternada. O valor eficaz ou rms é definido então por:

Da expressão (3) pode-se deduzir que a tensão eficaz tem a seguinte relação com a tensão máxima ou de pico do sinal senoidal:

No Brasil, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estabelece diversos valores de tensão eficaz e estão disponíveis em diversos documentos de referência da agência, incluindo o modulo 8 do Prodist, que é o documento que regulamenta a qualidade da energia que as distribuidoras devem fornecer aos consumidores. Alguns dos sistemas de tensão eficazes de fornecimento, ou simplesmente tensões de fornecimento mais aplicados no Brasil, são por exemplo:

  • 220/127 V; 380/220 V; 240/120 V;
  • 208/120V, sendo todos sistemas em 60 Hz.

Nota: A forma de representação acima considera tensões de “linha / tensão  de  fase”, sendo tensões de linha aquelas entre duas fases e tensões de fase  entre  cada  uma das fases em relação ao neutro. Assim, um sistema de alimentação trifásico  (3 ) com tensão de alimentação 380/220V terá medições de tensão de linha e de fase como representado na Figura 2 e que apresenta o registro de tensões eficazes referentes ao mesmo local onde foi registrado o sinal de tensão senoidal da Figura 1.

Na próxima edição continuaremos a tratar deste e outros assuntos.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Flávia Lima

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico