Conferência Nacional de PCHs CGHs discute cenário da energia renovável em Curitiba

As fontes de energia limpa e renovável com enfoque em Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) serão debatidas entre os dias 02 e 03 de abril, no Salão de Atos do Parque Barigui, em Curitiba.

A capital paranaense irá sediar a 4ª edição da Conferência Nacional de PCHs e CGHs – evento realizado pela Associação Brasileira de Pequenas Centrais Hidrelétricas (Abrapch) – e que reunirá empreendedores do setor, autoridades do governo e especialistas.

As Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) são empreendimentos de 5 até 30 megawatts (MW) de potência. Já as Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) vão de 1 até 5 (MW).

O objetivo da conferência é proporcionar o debate técnico, a troca de conhecimentos, desafios e oportunidades do setor de energia. O evento é composto por sessões e workshops que abordam aspectos regulatórios, socioambientais, tecnologia, ambiente regulatório, royalties e outras pautas que proporcionam ao público um panorama completo do cenário energético.

A vice-presidente executiva da Abrapch, Alessandra Torres, diz que a expectativa para este ano é reunir cerca de 700 convidados. “Serão apresentadas ações que estão em andamento no Congresso Nacional e projetos de Lei que estão em tramitação como, por exemplo, a modernização do setor elétrico, segurança de barragens, resolução 003 da Aneel e da Agência Nacional de Águas – que disciplina a obrigação do empreendedor autorizado de fazer medições hidrométricas, modernização do setor, o código brasileiro de energia, responsabilidade empresarial das PCHs e CGHs e também os benefícios que as pequenas usinas prestam para a sociedade”, ressaltou Alessandra.

A Conferência acontece no parque Barigui, local em que a Abrapch realizou a doação da pequena usina Nicolau Kluppel , que há um ano gera energia para o Parque.

Números – Ao todo, o Brasil conta com 1.522 PCHs e CGHs em operação, que geram cerca de 500 mil empregos diretos.
Porém o número representa apenas um terço do potencial nacional. Países como a Alemanha — um dos mais rigorosos do mundo na questão ambiental — tem mais de 7.300 PCHs e CGHs. Já a China possui 47.700 empreendimentos deste porte.

No que se refere a potencial remanescente, o Brasil conta com dois tipos : o potencial hidrelétrico já identificado, estudado e com inventário aprovado junto a ANEEL — com 1.752 novas PCHs e CGHs, totalizando 15.765 megawatts de potência e o potencial não estudado ou ainda não aprovado pela ANEEL.

“Apenas com o potencial já estudado poderíamos quadruplicar a quantidade de CGHs e PCHs em operação no Brasil, gerando aproximadamente 109 empregos por megawatts de potência instalada e investimentos em torno de R$ 7milhões por megawatts”, afirma o presidente da diretoria executiva da Abrapch, Paulo Arbex. A geração de emprego e investimento por megawatts de empreendimentos a serem instalados no Brasil totalizaria R$110 bilhões e 7 milhões de empregos potenciais.

“A nossa estimativa é que, além deste potencial inventariado, exista ainda um potencial hidrelétrico para PCHs e CGHs de trechos de rios que ainda não fora estudados de mais 20 mil megawatts de potência”, reforça Paulo.

Porém, para o setor ter um melhor desempenho, Paulo reforça a necessidade de desburocratização do licenciamento ambiental. “ Técnicos dos ministérios de Minas e Energia e do Meio Ambiente estão se reunindo com representantes das associações do setor elétrico para compreender melhor onde estão as dificuldades para o desenvolvimento dos empreendimentos. Com essas informações em mãos, o governo federal tem como meta elaborar regras específicas que aprimorem e agilizem o licenciamento ambiental”, ressalta Arbex.

Demandas do setor – As principais demandas da Abrapch são a manutenção do mercado, ampliar a informação sobre os benefícios ambientais e sociais dos empreendimentos e a desburocratização do processo de licenciamento ambiental, tendo em vista que o tempo de espera para o licenciamento das PCHs tem sido, em média, de nove anos.

“Estes são temas fundamentais para que possamos garantir os investimentos em PCHs e reduzir os custos da energia no Brasil”, afirmou o presidente do Conselho Administrativo Abrapch, Valmor Alves.

Apesar de ser considerada uma energia limpa e renovável, as PCHs levam, segundo os empreendedores do setor, tempo demais no seu processo de licenciamento ambiental.

Palestrantes confirmados — Entre os palestrantes confirmados estão a secretária de apoio ao licenciamento ambiental PPI do Governo Federal, Rose Hofmann; presidente da Associação Nacional dos Municípios Sedes de Usinas Hidroelétricas — AMUSUH, Lucimar Salmória; o presidente da Associação das Pequenas Centrais Hidrelétricas de Goiás (APCH), Sevan Naves; o presidente da Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia — (ABIAPE), Mario Menel; o presidente Honorário do Comitê Brasileiro de Barragens (CBDB), Edilberto Maurer; o presidente da Associação dos Produtores de Energia de Santa Catarina (APESC), Gerson Berti, o deputado federal Kim kataguiri, o presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa das CGHs e PCHs na Câmara Federal , deputado federal Pedro Lupion e coordenador da Frente Parlamentar em Prol das Energias Renováveis da Assembleia Legislativa do Paraná, o deputado Tião Medeiros.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico