Crise energética: entender o passado para preservar o presente

A proximidade de uma crise energética trouxe de volta aos brasileiros questões com as quais não nos preocupávamos desde 2001, ano marcado por uma política de redução compulsória do consumo de energia elétrica. Cinco estados brasileiros enfrentam o que já é considerada a pior seca em 91 anos, de acordo com um comitê de órgãos do governo federal, que emitiu pela primeira vez na história um alerta de emergência hídrica para o período de junho a setembro.

Mesmo que os termos ‘energia’ e ‘saneamento’ pareçam distantes entre si, eles estão estritamente ligados. A geração de energia, sobretudo no Brasil, usa a fonte hídrica. O saneamento é justamente a água que se usa e se devolve ao meio ambiente. É necessário ter consciência de que a água não é só utilizada para banho ou para café em casa. A sociedade humana usa este recurso no comércio, indústria, agropecuária e em muitos outros locais. Como é um recurso finito, temos que saber utilizar.

E não é apenas a seca atual que preocupa os pesquisadores, mas a série histórica que mostra que a estiagem tem ficado mais intensa nos últimos anos no Brasil. A falta de chuva é intensificada pela ausência de floresta, decorrente também do desmatamento na Amazônia. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apresentou uma proposta de campanha de conscientização do uso eficiente da energia elétrica. O objetivo é sensibilizar a população quanto à responsabilidade do consumo consciente de energia, apresentando orientações sobre as condições de geração de energia elétrica e o consumo consciente para evitar desperdícios.

Em meio a uma crise hídrica e energética, percebemos que o planejamento é essencial. E este deve ser governamental, envolvendo os três níveis: municipal, estadual e federal. E além disso, deve ser democrático, isto é, levar em conta todos os grupos sociais e todos os tipos de usos da água feitos pela sociedade. Ninguém faz planejamento sem história. Não podemos planejar o futuro sem entender o passado.

Um dos principais compromissos da Fundação Energia e Saneamento é trabalhar com educação ambiental. Mostrar ao público, principalmente escolar, que é necessário preservar o recurso natural para preservar a vida da população. Desde sempre, mas sobretudo neste momento atual em que estamos vivendo, consideramos que conversar e instruir as gerações sobre isso é fundamental.

*Renato Diniz, Presidente do Conselho de Administração da Fundação Energia e Saneamento.

Atualizado em 20 de outubro de 2021 por Renato Diniz

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico