Descarbonização do setor depende de planejamento

Estudo realizado por pesquisadores do Poli-USP, RCGI e Universidade de Queensland, na Austrália, mostra quais são os principais desafios para que a tecnologia de fontes renováveis criada nos países desenvolvidos seja de fato implantada nos de baixa e média renda.

Se de um lado países desenvolvidos dominam tecnologias de fontes de energia renováveis, essenciais para a descarbonização do setor elétrico, países de baixa e média renda seguem com dificuldades para implantá-las. Um dos obstáculos que dificultam essa transição é a replicação de modelos de planejamento energético de forma desconectada da realidade desses países.

“Quando se discute transição energética, fala-se de uma série de soluções encontradas na bibliografia internacional, que é muito mais voltada para estudos realizados nos países desenvolvidos. Portanto, são discussões distantes da realidade de países de baixa e média renda. Enquanto os países desenvolvidos falam em autonomia do consumidor, outros países ainda lutam para dar acesso a qualquer tipo de energia elétrica para parte da população”, exemplifica Stefania Gomes Relva, pesquisadora da Poli-USP e autora do estudo. Confira mais notícias sobre a descarbonização do setor clicando aqui.

“Assim, não basta promover a transferência da tecnologia, são necessários modelos e planejamento estratégico diferentes dos adotados no Norte global e, sobretudo, que haja mecanismos de estímulo que levem em conta outras necessidades, como a formação de mercado interno e de mão de obra qualificada para manter as plantas renováveis autossuficientes”, destaca.

Para rastrear essa desconexão entre as inovações propostas e o que de fato é implantado nos países em desenvolvimento, os pesquisadores fizeram uma revisão bibliográfica de artigos focados em questões de transição energética de países de baixa e média renda. Na análise, os pesquisadores constataram que, já no planejamento para a transição energética, precisam ser considerados ainda aspectos como corrupção, imprevisibilidade econômica, formação de expertise e mercado interno nos países de baixa e média renda.

 

A instabilidade impossibilita o planejamento

 

Vinícius Oliveira da Silva, pesquisador da Poli-USP e coautor do estudo, conta que enquanto países desenvolvidos têm uma economia consolidada e maior capacidade de fazer planos, os países em desenvolvimento são muito instáveis, com variações de crescimento tão bruscas que se torna difícil projetar o crescimento econômico, de um ano para outro. “Com isso, nos países desenvolvidos fica muito mais fácil de planejar no longo prazo e executar uma mudança no setor energético. Já por aqui é difícil até definir uma tendência”, conta.

O estudo pode ser acessado neste link: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0360544220327663

Imagem: APD Portugal.

Atualizado em 28 de setembro de 2021 por Redação

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico