Direita volver!

Como dizem alguns “estava escrito nas estrelas”, outros mais céticos e mais “terrenos” observam o fim do romantismo de esquerda e por enquanto da centro-esquerda. Talvez os últimos 16 anos pudessem apresentar um bom modelo de gestão do Governo, talvez…. pudesse….; mas não foi. O sucesso econômico alcançado pelo neoliberalismo e pelo Plano Real de Fernando Henrique Cardoso (FHC) nos deu fortes esperanças. “Agora vai!!!”. Em 2002, o governo eleito de Lula tratou com bastante juízo de manter o modelo econômico, ampliando, contudo, as benesses sociais e fortificando os sindicatos e empresas públicas. Sua sucessora errou na dose e na fórmula e a “mantega” desandou. A presidente Dilma foi destronada quando jogou o País à bancarrota.

O setor elétrico que o diga. Perdemos a chance de um governo de padrões políticos que deveria valorizar o Estado. Deveria!!! O apetite na mordida foi maior que o tamanho do “sanduba”. Quebramos e o que deveria ter sido investido no País foi para as contas superfaturadas, para as malas de sujeitos medíocres, para os “hermanos” bolivarianos, para os cofres dos políticos e suas quadrilhas e toda sorte de descaminhos. Dilma pedalava não só em seus exercícios matinais (literalmente) no Planalto. Seu sucessor que tentou no primeiro instante semear a terra arrasada foi tentar contemporizar com a dupla caipira bandida e a vaca foi pro brejo. Mesmo depois do desfalque promovido pelo Governo, um número aproximado de 47 milhões de brasileiros preferiram esquecer o que se passou e dar a segunda chance a esta turma, como que em um perdão velado ou puro e cego fanatismo (o que é isso meus Jovens!). Outros 42 milhões preferiram não escolher A ou B, não comparecendo às urnas ou não validando seus votos e os restantes 58 milhões elegeram o candidato Jair Bolsonaro, dono de um discurso fácil, irônico e até atraente para a maioria, típico de roda de amigos. Agora que foi eleito esperamos que alguns conceitos apresentados sejam filtrados, recheado de conteúdo e por que não reposicionados. O mercado reagiu bem e o que se espera é uma época de novos investimentos internos e externos que consiga nos movimentar de novo. Temos um País inteiro para (re)construir e, por incrível que pareça, gente disposta a trabalhar. Durante o CINASE-RJ, o presidente do CREA-RJ, Eng. Luis Cosenza, apontava para a redução dos engenheiros empregados em função da crise. O SENDI, em Fortaleza, também nos deu esperança de dias melhores. Que a sociedade possa testemunhar a inversão desta curva para o sucesso e para o progresso de todos. Está na hora!

Atualizado em 7 de junho de 2021 por

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico