E o legado da Copa do Mundo?

Edição 102 – Julho de 2014
Por Michel Epelbaum

A água desapareceu do radar de preocupação das pessoas durante o mês da Copa, apesar de ter piorado a situação: no início de julho, o nível da água do Sistema Cantareira estava em 18,5% (sem o volume morto, o nível seria 0%) e do Alto Tietê em 24%; diversas cidades da região de Campinas e Sorocaba estão com racionamento; o lago da usina de Furnas está no nível mais baixo desde 2001, ano do “apagão”, e a “disputa a tapa” continua entre a água para gerar energia e para os demais usos.

Mesmo assim, tenho que me render aos fatos e fazer a última coluna sobre a Copa, que sumirá rapidamente dos noticiários (ainda mais depois do “apagão” do Brasil contra a Alemanha e da baixa energia contra a Holanda), restando o seu legado, sobre o qual falaremos aqui.

Temos o legado (in)questionável dos estádios. E sua certificação sustentável não é 100% como previsto: em 18 de junho, a FIFA e o Green Building Council (GBC) anunciaram que somente metade das arenas recebeu a certificação LEED: Mineirão (categoria Platinum – a mais alta), Maracanã, Fonte Nova, Arena Amazônia, Arena Pernambuco (categoria Silver) e Castelão (certificação simples). Sobre as parcas obras viárias do entorno: serão úteis, mas longe de serem um grande avanço na mobilidade urbana. Talvez um legado útil da Copa seja a ampliação dos aeroportos de várias cidades-sede.

E no campo social, qual foi o legado? Muito se questionou sobre violações de direitos humanos durante as manifestações contra a Copa. O governo federal falou de programas sociais paralelos ao evento, mas não parecem ser proporcionais à importância do evento e dos gastos, para se tornar um legado efetivo. Chamou mais a atenção o grande envolvimento da seleção alemã com a comunidade no sul da Bahia, deixando como legado um novo campo de futebol para os moradores, doando recursos financeiros aos índios Pataxós de Coroa Vermelha para aquisição de ambulância e para a Escola da Vila de Santo André por três anos.

Sobre o legado social, vale a pena passar um relato feito pelo Instituto Ethos, em seu boletim de 27 de junho de 2014, sobre a gestão sustentável e responsável do futebol da Costa Rica, que nesta Copa fez história. Começando pela base: aboliu o exército em 1948 e direcionou as verbas militares para o ecoturismo e manejo sustentável das florestas; é o único país da América Latina na lista das 22 democracias mais antigas do mundo, e está à frente do Brasil quanto ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e à sustentabilidade (considerado em 2012 o país com melhor desempenho ambiental do continente americano e o quinto do mundo).

Até os anos 1990, o futebol costarriquenho era um esporte semiamador, quando o professor Roberto Artavia da Incae Business School, da Costa Rica, elaborou o projeto “A Indústria do Futebol: Responsabilidade Social e Promoção de Valores”. O projeto foi adotado pelo empresário mexicano Jorge Vergara (dono do Chivas México/EUA e da empresa Omnilife), que comprou o Saprissa da Costa Rica no início dos anos 2000. A partir de então contratou somente jogadores costarriquenhos, fortaleceu e lançou marcas próprias do time, abriu escolinhas de futebol, fez parceria com a Prefeitura da capital para manutenção de campos e de equipes infantis/juvenis em bairros da periferia e fundou a escola e a universidade do futebol para capacitar profissionais.

O Saprissa venceu a Liga de Clubes Campeões da Concacaf em 2005 e participou do Campeonato Mundial Interclubes, no Japão, influenciando a modernização dos demais clubes e da federação de futebol do país. A primeira divisão hoje tem como objetivo específico promover a identidade comunitária e a coesão social, capacitando técnicos, dirigentes e executivos dos clubes, e estimulando as empresas a usar o investimento social privado em projetos de futebol. Os estádios estão sendo reformados conforme o “padrão Costa Rica”: segurança, equipamentos, higiene e acessibilidade, sem luxo.

A Costa Rica também criou as primeiras fundações de times de futebol, iniciando pelo Saprissa, mobilizando a sociedade junto com ONGs e governos para projetos que beneficiem jovens e setores carentes da população, incentivo a trabalhos voluntários de torcedores, inserindo jovens em risco social com o futebol, e operando centros comunitários de reciclagem de resíduos sólidos.

Espelhando-se no exemplo da Costa Rica, vamos sonhar com um legado além de estádios e obras, e revolucionar a “indústria” do futebol brasileiro e a inserção das comunidades em um projeto sustentável de longo prazo?

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico