Eficiência energética em empreendimentos sustentáveis

Edição 69 – Outubro de 2011
Por Marcos Casado 

O selo LEED está presente em 131 países desenvolvendo o mercado de construções sustentáveis. Trata-se de um selo que comprova a sustentabilidade de um empreendimento por meio da verificação de uma série de critérios que visam à redução dos impactos ambientais durante a obra e operação. Como o próprio nome sugere, Leadership in Energy and Environmental Design, um desses critérios é a eficiência energética.   

 

Isso porque o setor imobiliário é responsável pelo consumo de 41% da energia elétrica gerada. Em um empreendimento que adote medidas sustentáveis, o consumo de energia tem uma redução média de 30%. Para atingir esse patamar, mitigar os impactos no meio ambiente e obter o selo Leed, as empresas devem pensar de forma verde já em seus projetos, desde a implantação até a escolha de envoltórias, sistemas, equipamentos e materiais eficientes.

O Green Building Council Brasil, organização que fomenta a indústria da construção sustentável no país, tem acompanhado a evolução dos fabricantes de produtos para atender a essa demanda. O mercado tem hoje uma série de tecnologias que podem ser empregadas nos projetos a preços pouco ou nada superiores aos convencionais que não trazem economia de energia. No caso de produtos com um custo inicial superior, há o retorno desse investimento durante a operação com a economia de energia.

Para atender ao critério de eficiência energética do Leed, o primeiro cuidado deve ser reduzir o consumo. Após a redução de tudo o que for possível, deve-se pensar na geração ou compra de energia de fontes renováveis e, posteriormente, na garantia de que durante a operação haja uma boa gestão desses recursos.

Como exemplos de soluções que podem ser adotadas em uma obra, visando a eficiência energética, podemos citar: utilização de recursos naturais como a ventilação e a iluminação natural; uso de equipamentos eficientes como lâmpadas, motores, geradores, elevadores eficientes, equipamentos de ar condicionado, escritório e linha branca; aquecedor solar e geradores eólicos e fotovoltaicos; sensores de presença para acionamento e desligamento automático; entre outros.

No setor elétrico brasileiro, há alguns desafios. Para que o setor elétrico possa colaborar de maneira efetiva com o movimento, temos ainda que adaptar normas e regulamentações para facilitar e promover cada vez mais a possibilidade de compra e geração local ou externa de energia de fontes renováveis como eólica, fotovoltaica etc. Como já vem acontecendo com a energia eólica, o aumento da demanda fará que cada vez mais tenhamos preços competitivos nessas fontes. Outro desafio é abri-las aos pequenos consumidores.

Além da redução do consumo e da diminuição dos impactos ambientais, algumas medidas podem também trazer vantagens para a melhoria da qualidade ambiental interna. O aproveitamento da iluminação natural e vistas externas, por exemplo, promovem um melhor bem-estar aos usuários por trazer a conectividade do interior com o exterior, diminuindo a irritação nos olhos e o descanso natural da retina, sem a necessidade de consumo de energia artificial. Um estudo realizado nos Estados Unidos mostra que um maior controle individual de iluminação promove ganhos de 6,7% de produtividade; maior controle de temperatura traz ganhos de 3,6% e também a renovação do ar; enquanto o controle de umidade e filtros eficientes reduzem em média 42% os sintomas de gripes, resfriados e outros males respiratórios.

Os números do movimento de construções sustentáveis nos mostram que a demanda por esses materiais deve aumentar ainda mais em um curto espaço de tempo. Atualmente, o Brasil ocupa o 4º lugar no ranking mundial de empreendimentos em processo de certificação Leed. Nos três últimos meses, o USGBC recebe o registro de mais de um projeto por dia útil do Brasil. Porém, a construção sustentável representa 1% do mercado de construção civil. Em países em que o conceito já é usado há mais tempo, este percentual é de 10%, mostrando o quanto ainda é possível crescer.

A construção sustentável veio para ficar, talvez um pouco tarde, mas com o engajamento de toda a sociedade, revendo nossas ações e atitudes, certamente alavancará a formação de uma nova cultura baseada na visão sistêmica preconizada pela sustentabilidade.

Marcos Casado é gerente técnico do Green Building Council Brasil.

 

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico