Eletricidade estática em atmosferas explosivas – Riscos, controle e mitigação – Parte 05/08

6 – Aterramento e equipotencialização

A equipotencialização é a técnica utilizada para minimizar a diferença de potencial entre dois objetos condutivos, de forma que fiquem no mesmo valor. Os objetos, nestes casos, não são aterrados. O aterramento, por outro lado, é a técnica de equalizar a diferença de potencial entre dois objetos condutivos e o terra. A combinação das técnicas de equipotencialização e de aterramento é utilizada de forma a manter o potencial do sistema sob consideração no potencial zero do sistema de terra.

Podem ser citados como os principais objetivos dos circuitos de aterramento e equipotencialização:

  • Eliminar a possibilidade de choques elétricos para as pessoas;
  • Proporcionar a devida operação de dispositivos de proteção de forma que o tempo de duração das correntes de falta seja minimizado;
  • Equalizar o potencial de tensão de partes metálicas não destinadas à condução de corrente;
  • Evitar o acúmulo de cargas eletrostáticas geradas pela movimentação de fluidos nos equipamentos de

As atividades de  equipotencialização  e de aterramento de aeronaves durante o processo de reabastecimento evita o acúmulo de cargas eletrostáticas que são geradas pela movimentação do querosene ou da gasolina de aviação, as quais poderiam, em caso contrário, causar a ignição dos vapores combustíveis.

Em áreas classificadas, a eliminação das fontes de ignição pode ser considerada como um requisito fundamental,  sendo  que a implantação de um sistema efetivo de aterramento e de equipotencialização representa um critério básico de projeto.

Além de evitar o acúmulo de eletricidade estática, o sistema de aterramento contribui também para a devida atuação de dispositivos de proteção contra faltas à terra, no caso da ocorrência de falhas do isolamento para a terra em equipamentos e circuitos elétricos, os quais rapidamente desligam o circuito. Caso contrário, poderia ocorrer a existência de pontos quentes com temperatura excessiva (acima da classe de temperatura do local da instalação) ou que poderiam ser gerados arcos elétricos devido à falha do isolamento.

7 – Aterramento de caminhões para controle de eletricidade estática

Os caminhões de transporte de produtos inflamáveis reconhecidamente apresentam características de geração de acúmulo de cargas eletrostáticas, durante as operações de enchimento e descarregamento (pela parte de cima ou de baixo), bem como durante a movimentação destes fluidos durante o deslocamento (transporte) e por ações do vento sobre a sua superfície externa. Estas características de risco eletrostático são agravadas em função das características isolantes dos pneus, fabricados com borracha, que não apresentam adequadas características condutivas.

De forma a não permitir o acúmulo de cargas eletrostáticas em caminhões de transporte de produtos inflamáveis, além de uma série de procedimentos de segurança a serem atendidos pelos equipamentos e pelo pessoal de operação, uma das medidas efetivas é o aterramento do veículo em uma estrutura aterrada e a monitoração da continuidade deste aterramento durante as operações de enchimento e descarregamento. Dentre as principais ações que devem ser executadas na operação de caminhões contendo produtos inflamáveis capazes de gerar atmosferas explosivas, podem ser citadas as seguintes:

  • Assegurar que o caminhão esteja continuamente conectado a um objeto ou estrutura aterrada;
  • Não deve ser “presumido” que uma estrutura esteja “aparentemente” aterrada, o que deve de fato confirmado;
  • Assegurar que o caminhão possua uma conexão com o sistema de aterramento que seja continuamente  monitorada  durante as operações de carregamento e de descarregamento;
  • Sempre que possível, deve ser verificado se uma interrupção manual na conexão de aterramento de fato provoque a operação de um intertravamento automático que pare a operação de transferência de produtos;
  • Um caminhão devidamente aterrado assegura que as mangueiras não acumulam eletricidade estática somente nos casos que estas tenham sido fabricadas de material condutivo e que estejam em adequadas condições de manutenção, submetidas a procedimentos de inspeções periódicas ou testes regulares.


Roberval Bulgarelli é consultor técnico e engenheiro sênior da Petrobras. É representante do Brasil no TC-31 da IEC e no IECEx e coordenador do Subcomitê SC-31 do Comitê Brasileiro de Eletricidade (Cobei). | Email: bulgarelli@petrobras.com.br

Atualizado em 28 de julho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico