Eletrodo de aterramento PDA – parte 3

  • O arranjo B (em anel)

a) Este arranjo consiste num anel circundado a edificação com cabo de cobre 50 mm2, afastado de um 1 m da projeção da edificação, a 50 cm de profundidade.

b) Para as edificações de nível III e nível IV, este anel circundando a edificação é suficiente conforme figura 3 da parte 3.

c) Como vemos na figura 3, o comprimento mínimo para nível III e nível IV é de 5 m, o que é facilmente atendido em quase todas as edificações desses níveis de proteção, uma vez que o comprimento mínimo do eletrodo não varia com a resistividade do solo.

d) Para o nível e nível II de proteção é necessário fazer a prospecção do solo “In loco”, estratificar este em camadas (NBR7117), identificar a resistividade da camada onde o eletrodo de aterramento será instalado, entrar na figura 3 e descobrir no “eixo y” qual o comprimento mínimo do eletrodo de aterramento (l1) deverá estar enterrado.

e) O próximo passo consiste em calcular o Re (raio equivalente), que é o raio de uma circunferência que tenha a mesma área do seu anel de aterramento, e verificar se o re ≥ l Se esta condição for atendida, então o comprimento mínimo do eletrodo de aterramento atende à exigência da Norma. Caso contrário, o comprimento do eletrodo terá de ser aumentado até que a condição seja atendida.

f) Como vemos na figura 3, caso a resistividade do solo extrapole os 3.000 Ω.m, a Norma dá duas fórmulas para calcular o l1 em função do nível de proteção, que são respectivamente, lr= 0,03.r – 10 (Classe I) e lr= 0,02.r – 11 (Classe II). Nos 2 casos, é necessário fazer a prospecção e estratificação do solo em camadas para poder determinar a resistividade (r) da camada onde o eletrodo de aterramento será instalado.

g) Para aumentar o comprimento do eletrodo de aterramento, quando a resistividade do solo é inferior a 3.000 Ω.m , a Norma fornece 2 opções. Para o eletrodo de aterramento com eletrodos horizontais (cabos ou fitas), a formula é lr= l1-re , e para eletrodos verticais (hastes verticais ou inclinadas ou buracos verticais com cabos) a fórmula é lv= (l1-re)/2.

 

NOTA 1 – O anel de aterramento deverá estar no mínimo 80% enterrado, aceitando-se em casos de extrema necessidade, como por exemplo caso de interferências com outras instalações que no máximo 20% do eletrodo possa estar a uma profundidade menor. Nesta situação, é altamente recomendável que seja justificado o motivo desta atitude.

NOTA 2– Aquele anel que a Norma antiga aceitava até 4 m acima do solo não é mais permitido. A regra agora é a nota 1 acima.

NOTA 3 – No caso de impossibilidade de executar esse anel na periferia externa da edificação, a Norma permite que esse anel seja executado dentro a edificação. Nestes casos, é altamente recomendável que seja justificado no relatório técnico do projeto essa medida. Uma dica para este caso é que o anel interno à edificação seja instalado o mais externo possível para reduzir o risco de alguém que esteja no subsolo possa estar fora do anel no instante em que um raio atinja a edificação e esta possa estar em situação de risco, submetida a tensões de passo e/ou toque acima do desejável.

E cadê os 10 OHMS ?

a) A Norma anterior à Norma de 1993 exigia uma resistência máxima de 10 ohms em qualquer época do ano. Esse jargão constava em todos os projetos e documentos técnicos que falassem sobre o aterramento do SPDA. Veja de onde veio esse texto.

NBR5419/1977

“3.4.5.1.- O número de eletrodos de terra depende da característica do solo; a resistência de terra não deve ser superior a 10 ohms, em qualquer época do ano, medida por aparelhos e métodos adequados.”

b) O primeiro erro é que a garantia desse valor de aterramento é do projetista, através da execução da prospecção do solo e estratificação em camadas (NBR 7117/2012). Lançando a malha de aterramento nessa estratificação, usando um aplicativo de estratificação, ele já te daria um valor de aterramento estimado para essa malha, e desta forma o projetista poderia ampliar a malha com eletrodos verticais ou horizontais até chegar num valor que ele considerasse aceitável para esse tipo de solo.

c) Como a maioria dos projetistas de SPDA não faziam o seu trabalho corretamente, passavam a responsabilidade para a empresa instaladora que, no final da obra, após a medição de resistência (NBR15749/2009) de aterramento, na maioria dos casos mal feita, dentro da área de influência do aterramento, via de regra apresentava valores baixos, exatamente por ter sido medida de forma incorreta. É uma situação típica onde o crime compensa. Você faz a medição errada e o valor dá baixo, quando deveria dar alto para punir e obrigar a fazer a medição da forma correta.

d) Assim sobrando para o instalador resolver o problema de projeto, este partia para a cravação de hastes e lançando produtos químicos agressivos no solo, para que a qualquer custo aparecessem os malditos 10 ohms. Quando a solução não eram os produtos químicos se partia para as fórmulas mágicas de sal grosso, carvão vegetal, água e uma reza brava para atingir os tão sonhados 10 ohms. Obviamente, essas soluções mirabolantes trazem de médio a longo prazos um preço, que é a degradação do aterramento e a sua inevitável troca total.

Após 1993, a norma mudou o texto para:

“5.1.3.1.1 – Para assegurar a dispersão da corrente de descarga atmosférica na terra sem causar sobretensões perigosas, o arranjo e as dimensões do sistema de aterramento são mais importantes que o próprio valor da resistência de aterramento. Entretanto, recomenda-se uma resistência da ordem de 10 W, como forma de reduzir os gradientes de potencial no solo e a probabilidade de centelhamento perigoso.”

Como vemos no texto da Norma de 1993, a palavra “a resistência de terra não deve ser superior a 10 ohms  em qualquer época do ano” da Norma anterior foi trocado por “recomenda-se uma resistência da ordem de 10 W “ . Como vemos, houve uma evolução da obrigatoriedade para a recomendação.

Na Norma NBR 5419/ 2015, o texto evolui para :

Na Norma atual não é mencionado nenhum valor específico pois se sabe que a configuração da malha de aterramento, associada ao anel circundando a edificação, é a melhor solução tanto para a dispersão das correntes no solo, quanto para a segurança pessoal. Associado a esse tema, temos de lembrar que as correntes impulsivas têm miopia para a resistência ( R ), sendo mais importante a sua Impedância (Z), que depende da geometria da malha e do perfil dos materiais que estão sendo usados.

Mas se os 10 OHMS não validam o aterramento como válido um aterramento de SPDA hoje em dia à luz da nova Norma?

A eficiência de um aterramento de SPDA pela nova Norma pode ser validada pelos seguintes itens.

a) Eletrodos naturais

  • Garantia da sua integridade física (anel dentro das vigas baldrames) sejam acidentais (durante a execução da fundação)  ou sejam propositais (usando um condutor específico para garantir a continuidade do anel).
  • Essa integridade poderá ser comprovada com documentos técnicos que comprovem que a continuidade foi executada
  • Testes de continuidade elétrica de acordo com o anexo F da parte 3 da Norma, com respectivo relatório técnico comprovando os valores medidos.

b) Eletrodos não naturais

Para um eletrodo de aterramento não natural é necessário garantir que:

  • o eletrodo de aterramento é um anel fechado circundado a edificação;
  • o anel está no mínimo 80% em contato com o solo;
  • caso existam os 20% fora do solo, deverão ser justificado;
  • que esse anel está conectado com os condutores de descida;
  • que esse anel está a uma profundidade mínima de 50 cm;
  • o anel está 1 m afastado da edificação, caso contrário, seja justificado;
  • o cabo do eletrodo em anel está dentro da Norma NBR 5419/2015, tabela 7 da parte 3, e NBR 6524 (7 fios com 3 mm diâmetro cada fio etc.);
  • não existam conexões mecânicas em contato com o solo;
  • caso o anel de aterramento contenha hastes (eletrodos verticais) estas sejam de alta camada, conforme Norma NBR 13571;
  • o anel de aterramento é continuo (registro documental ou teste de continuidade);
  • validar o comprimento do eletrodo de aterramento pela figura 3 da parte 3, comprimento de eletrodo versus resistividade do solo;
  • validar que o re ≥ l1;
  • no caso de nível 1 e 2 para validar o l1 é obrigatório ter a prospecção do solo e a resistividade do solo, estratificada em camadas NBR 7117/2012.

Conclusão final

  1. Acho que ficou bem claro que antigamente se validava um aterramento a partir de um valor de resistência que aparecia no aparelho sem questionar o método de medição usado, contra 13 ou mais itens que fazem realmente uma grande diferença na qualidade e eficiência do eletrodo de aterramento.
  2. E como estamos falando de aterramento é necessário muito cuidado com os milagrosos aterramentos separados, eletrônicos, isolados, exigidos por fabricantes de equipamentos eletrônicos. A Norma deixa claro que caso existam outros eletrodos de aterramento estes têm de ser equalizados via barramentos BEP ou BEL.

*Eng. Normando V.B. Alves  é Diretor de Engenharia da Termotécnica

Atualizado em 7 de junho de 2021 por

Posts Relacionados

Comentários (4)

Parabéns Normando, artigo muito bem explicado e de fácil entendimento. Um farol neste mar de escuridão, que é esse tema.

Leonardo Dantas de Souza

Bom dia,
Quando não se há a possibilidade de fazer o anel de aterramento tanto externamente quanto internamente a edificação oque a norma diz ?
há uma outra solução ?

Excelente abordagem a cerca da questão ” 10 ohms”.

Aterramento elétrico para uma estrutura metálica de uma tirolessa. Uma estrutura desta natureza instalada em 100% dos casos a céu aberto requer um aterramento elétrico adequado com base na NBR 5419 e NBR 5410, uma vez que os cabos de aço entre a base de lançamento e base de chegada passa ser naturalmente um subsistema de capitação e consequentemente necessita de um subsistema de aterramento para escoar uma eventual descarga interceptada para terra e assim garantir a integridade da estrutura metálica das bases e dos cabos aço. É Evidente que em condições climáticas desfavoráveis o acesso e utilização às bases da tirolessa deve ser terminante evitado. O fato é que eu pesquisei e não encontrei nas literaturas e ou Normas pertinentes referências sobre aterramento elétrico específico para tal. Entendo que a NBR5419/2015 não se aplica na sua totalidade mas neste caso é a Norma que devo observar uma vez que não há nenhuma instalação elétrica associada e o risco de incidência de descarga sobre cabos e bases é eminente.Assim sendo e conhecendo a resistividade do solo onde estão instaladas as bases, o comprimento mínimo (I1) do eletrodo em anel do subsistema de aterramento pode ser calculado através do gráfico I1 x resistividade do solo (IEC2097/05), podendo até ser enquadrado em classes superiores, claro que observando custo/benéficio. Favor comentar sobre o assunto.

Os comentário estão encerrados.

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico