Energia solar fotovoltaica no Brasil

Recebi o convite de O Setor Elétrico para escrever mensalmente sobre esta fonte de energia que deixou de ser uma tendência mundial para se tornar uma realidade em muitos países. Vamos inaugurar a coluna oferecendo um breve panorama sobre a fonte.

A energia solar fotovoltaica (FV) cresce com robustez no Brasil. Mesmo o país atravessando umas das mais graves crises de sua história, esta fonte de energia conseguiu se sobressair e atrair a atenção de todos.

Vejam a comparação entre o desempenho do PIB e o da geração distribuída solar FV, por número de instalações, nos últimos 3 anos:

Coluna-Renovaveis1

O payback (tempo de retorno sobre o investimento) de um sistema instalado varia, em média, no Brasil, entre quatro e seis anos. Difícil uma aplicação trazer tão rápido retorno. Isso se explica porque os preços dos equipamentos que compõem um sistema fotovoltaico caíram cerca de 80% nos últimos dez anos, enquanto o custo da energia elétrica subiu acentuadamente.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê que em 2024 o Brasil terá 886,7 mil de sistemas instalados, o que corresponde a menos de 1% das unidades consumidoras possíveis. Hoje, para se ter uma ideia do crescimento que nos espera, temos cerca de 20 mil sistemas instalados, segundo dados da Aneel, o que significa que o setor deverá crescer 4333,5% nos próximos sete anos.

A energia solar FV representa hoje apenas 0,02% da matriz. No entanto, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) divulgou recentemente que a participação da fonte deverá passar para 10% da matriz até 2030. Um crescimento de 500 vezes em 13 anos.

Um marco para o setor no Brasil foi a edição da resolução normativa 482/12 da Aneel, que regulamentou a micro e a minigeração distribuída ao criar um sistema de compensação de energia elétrica. Esta resolução foi aprimorada pela RN 687/15. Para aqueles que estudam investir no setor, é necessário se aprofundar.

Além de ser uma importante fonte complementar, a energia solar fotovoltaica apresenta vantagens ao ser instalada no Brasil, pois temos uma alta incidência de radiação solar no país. O pior sol no Brasil é melhor que o melhor sol na Alemanha. Além disso, o pico de consumo no Brasil ocorre entre 12h e 17h, o que coincide com o pico de geração de energia dos sistemas fotovoltaicos.

Coluna-Renovaveis-fig2

Figura 1 – Irradiação solar no mundo.

Embora o Brasil tenha uma matriz elétrica extremamente limpa, cerca de 15% dessa energia se perde na transmissão e na distribuição. Esse volume é significativo e equivale a toda energia consumida pelo comércio no país. Aqui se destaca uma outra relevante vantagem da energia solar – na geração distribuída, esse percentual se reduz a quase zero, pois a energia excedente gerada em uma residência é injetada novamente na rede e é consumida quase que imediatamente por outra.

Porém, alguns gargalos ainda precisam ser superados, tais como: desconhecimento da tecnologia pela maior parte da população, carência de financiamento de médio e longo prazo, tributação excessiva, segurança jurídica que garanta o cumprimento dos contratos, falta de políticas públicas para incentivo do setor, etc.

Já existem trabalhos, em todas estas frentes, capitaneados pela Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar) e outras associações para que a energia solar FV continue crescendo aceleradamente.

*Ronaldo Koloszuk é diretor da Divisão de Energia do Departamento de Infraestrutura da Fiesp, conselheiro da Absolar e diretor comercial da Solar Group.

 

Atualizado em 29 de julho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico