Energia solar no Brasil: alvorada ou ocaso?

Edição 68 – Setembro de 2011
Por André Freire e Carlos Patrocínio Ribeiro

O uso de energia solar vem sendo cada vez mais difundido no Brasil, de modo que vários fatores contribuem para tal reconhecimento. São muitas as causas que justificam a expansão da energia solar no País, tendo como a principal o clima quente com grande incidência de sol durante o ano todo.

 

O Brasil já é o sétimo no ranking mundial de utilização da energia solar e o aproveitamento dessa fonte de energia tem crescido ano após ano. Contudo, apesar do clima de otimismo e da expansão da exploração dessa matriz energética no País, ainda há uma séries de desafios a serem trilhados.

Desafios técnicos: a produção dos painéis fotovoltaicos

A exploração da energia solar funda-se na utilização dos denominados painéis solares fotovoltaicos, que são dispositivos utilizados para converter a energia da luz do Sol em energia elétrica, por intermédio do uso de células solares semicondutoras, produzidas à base de silício.

É justamente aí que reside um problema quando tratamos da exploração da energia solar no Brasil. Na verdade, o silício utilizado nos paineis fotovoltaícos é o chamado silício grau solar, conhecido pela sigla SiGS, uma das formas mais puras desse composto.

Atualmente, o Brasil produz silício de grau metalúrgico em larga escala, o menor grau na escala de pureza. Segundo o pesquisador João Batista Ferreira Neto, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, que trabalha com o refino de silício há bastante tempo, o Brasil é um dos maiores produtores mundiais de silício em grau metalúrgico, sendo certo que o domínio da técnica de purificação para o grau solar, além de inserir o Brasil de forma ativa como produtor de placas fotovoltaicas, propiciará o seu ingresso em um importante mercado.

Sempre segundo as informações do pesquisador João Batista Ferreira Neto, considerando o atual nível de produção de silicio em grau metalúrgico do Brasil, bem como a almejada capacidade em transformá-lo em silício em grau solar, o Brasil poderá atuar como exportador de silício em grau solar, referenciando que a cotação deste composto está compreendida entre US$ 30-60/kg.

O fato é que, por conta dessa defasagem tecnológica, o País ainda não possui um parque tecnológico e industrial apto a produzir os painéis fotovoltaicos, se vendo obrigado a
importá-los. Isso faz surgir outro problema: o aumento dos custos com a exploração dessa matriz energética. 

Desafios econômicos: o alto custo da energia solar

Por conta das mencionadas limitações técnicas, seja no refino do silício para grau solar, seja na produção das placas fotovoltaicas, o Brasil se vê obrigado a importar os painéis utilizados na exploração da energia solar.

A preocupação com essa questão chegou ao Congresso Nacional, por ocasião da votação do Projeto de Lei 336/2009, de autoria do Senador João Vicente Claudino (PTB-PI), que previa a isenção do imposto de importação sobre as células solares fotovoltaicas.

Ao justificar a sua tramitação, o Senador João Vicente destacou a importância dessa matriz energética e a necessidade de baratear seus custos, lembrando expressamente a incidência de uma alíquota de 12% do imposto de importação, razão pela qual propôs a sua isenção.

Ocorre que, em 11/05/2011, o Senador Francisco Dornelles (PP-RJ), da Comissão de Serviços de Infraestrutura, confeccionou parecer pela rejeição do referido Projeto de Lei, mesmo após reconhecer a importância desta matriz energética e a necessidade de difundir sua utilização no País. O fundamento para a recomendação da rejeição do PL 336/2009 é a proteção do produto nacional, da indústria brasileira.

Mas, perguntamos: neste caso, qual produto nacional e indústria brasileira estamos protegendo? Afinal, como já dissemos, não há, ainda, estabelecida uma indústria nacional de painéis fotovoltaicos. Mais: o País sequer domina o refino do silício em grau solar,
matéria-prima para a produção desses painéis.

Hoje não podemos, sequer, fixar uma data ou expectativa para domínio da tecnologia de refino do silício, para que este atinja o grau de pureza necessário para ser utilizado como
matéria-prima dos painéis fotovoltaicos.

Salientemos que o próprio Senador Dornelles reconhece que o Brasil já faz uso dessa tecnologia, principalmente no âmbito do Programa Luz Para Todos, contudo, a nosso ver, denota um pouco de desconhecimento acerca do atual estágio de domínio brasileiro sobre esta matriz energética.

É de se destacar que o Projeto de Lei do Senador João Vicente Claudino não prevê a isenção do imposto de importação sobre os painéis fotovoltaicos por prazo indeterminado, indicando como data limite para sua concessão 31/12/2014.

Consideramos que a rejeição deste Projeto de Lei funcionará mais como um entrave à difusão da exploração dessa matriz energética do que um incentivo ao seu desenvolvimento. O Brasil não apresenta uma indústria fotovoltaica, sendo certo que o domínio da tecnologia de refino de sua principal matéria-prima ainda não apresenta um prazo concreto definido.

Até a implementação desta indústria e com o arquivamento do Projeto de Lei 336/2009, teremos de aguardar a organização dessa indústria pagando uma considerável alíquota de 12% por conta da importação dos painéis fotovoltaicos.

André Freire é advogado e membro do Grupo de Negócios Energia do MBAF Consultores e Advogados.

Carlos Marcos Patrocínio Ribeiro é advogado e membro do Grupo de Negócios Energia do MBAF Consultores e Advogados | Jusenergia.blogspot.com | energia@mbaf.com.br

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico