Engenharia a favor da fonte solar fotovoltaica

No final de 2020, em sua primeira manifestação sobre o assunto, o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), cumprindo seu principal objetivo, de zelar pela defesa da sociedade e do desenvolvimento sustentável do Brasil, aprovou em plenário uma nota técnica de apoio às atuais regras da microgeração e minigeração distribuída, estabelecidas pela Resolução Normativa Aneel nº 482/2012 (REN 482/2012).

Recentemente, em maio de 2021, esse que é o maior conselho de profissionais do País e que representa mais de um milhão de pessoas na área tecnológica e cerca de trezentas mil empresas, aprovou por unanimidade em plenário um manifesto de todos os presidentes do Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia (CREA de cada estado e do Distrito Federal), em apoio ao Projeto de Lei (PL) nº 5.829/2019, que cria o marco legal da geração distribuída no Brasil.

Todas essas manifestações se baseiam na sintonia do Confea e dos CREAs em apoiar o desejo de 90% dos brasileiros, que querem ter mais autonomia e liberdade de escolha para gerar e consumir a sua própria energia elétrica limpa e competitiva, conforme apontam dados de pesquisa Ibope Inteligência. Atualmente, o Brasil tem apenas cerca de 0,7% de consumidores cativos com geração solar instalada em suas residências, comércios, pequenas indústrias e propriedades rurais. No entanto, possui um dos melhores recursos solares do mundo, teria condições de ser uma grande liderança nesta tecnologia. Lamentavelmente, ainda é apenas 16º no ranking mundial de potência instalada acumulada.

A proposta da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para revisão da REN 482/2012 buscava impor aos consumidores com geração própria renovável uma cobrança sobre a energia elétrica injetada na rede de cerca de 57%, o que não leva em consideração corretamente os benefícios que esta geração local proporciona à sociedade, ameaçando o desejo da maioria da população.

Nesse momento de pandemia, depressão econômica e crise hídrica enfrentado pelo Brasil, será que devemos renunciar à geração própria renovável e ameaçar a sobrevivência de 15 mil empresas e de mais de 283 mil empregos?

Vejamos o exemplo do estado da Califórnia, nos Estados Unidos da América, uma das referências mundiais no desenvolvimento das fontes renováveis: o estado só implementou este tipo de cobrança quando a geração distribuída atingiu 5% do suprimento elétrico de cada distribuidora. A partir deste marco, a cobrança foi de 10,5%, bem longe dos 57% que a Aneel propôs.

Dessa forma, os consumidores esperam que os legisladores levem todos estes fatores em consideração e votem favoravelmente ao PL nº 5.829/2019, que propõe uma solução justa e equilibrada para a cobrança sobre a energia injetada na rede, preservando o desenvolvimento deste importante segmento da engenharia nacional, em sintonia com os anseios da sociedade.

O PL garantirá, em lei, o direito de todo cidadão, empreendedor e produtor rural, de gerar e consumir sua própria energia elétrica a partir de fontes limpas e renováveis, como o sol, o vento, a biomassa, o biogás e a água. O crescimento desta modalidade traz amplos benefícios para a sociedade e contribui para a redução de custos dos consumidores brasileiros.

38 instituições representativas do País já declararam apoio formal ao marco legal da geração distribuída, dentre elas a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Sebrae, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) e a Proteste, maior entidade de defesa do consumidor da América Latina e do Brasil.

A fonte solar fotovoltaica terá função cada vez mais estratégica para o atingimento das metas de desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Brasil. A aprovação deste marco é ainda mais fundamental, sobretudo neste momento de crise hídrica e explosivo aumento na conta de luz dos brasileiros, devido ao acionamento em massa das termelétricas fósseis da matriz elétrica nacional, mais caras e poluentes.

A tecnologia fotovoltaica é parte da solução para este problema crônico do setor elétrico e vai ajudar na recuperação sustentável da economia, já que se trata da fonte renovável que mais gera empregos no mundo.

Atualizado em 18 de agosto de 2021 por Redação

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico