Gestão humanística

A existência de uma empresa depende diretamente de pessoas, são elas as responsáveis pela movimentação, inovação, tomada de decisões, relação com clientes, liderança, motivação, enfim, todo o quadro organizacional empresarial necessita da intervenção humana. Assim sendo, temas como o gerenciamento de pessoas e equipes, educação, bem-estar físico e emocional devem ser parte da cultura organizacional. A abordagem humanística buscará a elevação de consciência entre as pessoas e o alinhamento de suas ações, das equipes e até mesmo seus objetivos pessoais com a visão e missão da organização.

O trabalho é uma atividade vital que distingue o homem dos outros seres vivos, gerando consciência e intencionalidade, permite aquisições de bens à sua sobrevivência e construção futura, por ser de tão grande importância deve ocorrer em ambiente favorável não somente ao aprendizado de plantar e colher conhecimentos, mas à percepção acerca da dignidade e unidade humana. Quando paramos para analisar quantas horas diárias nos dedicamos ao trabalho, não é apenas o tempo em que estamos no local em que trabalhamos, mas em qualquer outro momento no qual pensamos sobre ele: as metas, os problemas e suas soluções. Por tamanha quantia de nossas vidas ser dedicada ao trabalho, faz-se necessário uma gestão genuinamente preocupada com pessoas, pensada para desenvolver relações saudáveis, agradáveis, motivadoras e com propósito, diminuindo desgastes e a chance de que o trabalho seja encarado como fardo.

A abordagem humanística, sendo incorporada aos avanços tecnológicos, auxiliará pessoas a deixarem a estreita perspectiva mecanicista para, renovando sua visão e proporcionando sentimentos de plenitude e unidade, trazendo resultados tais como um maior altruísmo nas relações humanas e saldo financeiro positivo. O desenvolvimento e implementação dessa abordagem trará melhorias na qualidade de vida individual e coletiva, incentivarão a parceria e cooperação, o trabalho em equipe e, finalmente, estimularão maior crescimento e evolução.

A gestão humanística não deve ser confundida com paternalismo ou fraternidade, embora a fraternidade esteja presente este não é o objetivo dessa gestão, ela estimula e incentiva o altruísmo, ela representa a conexão positiva entre as pessoas. Exige que as organizações sejam transparentes e ética em suas comunicações e que indiquem esforços ao profundo entrosamento entre pessoas e equipes.

Na visão humanística, o conhecimento deve passar a ser visto como um recurso estratégico tendo maior investimento na capacitação contínua de seus colaboradores. As capacitações, no ambiente empresarial, geram resultados diferentes dos da formação acadêmica: a formação acadêmica é de extrema importância por ser estruturante, mas o colaborador leva tempo até amadurecer profissionalmente. A capacitação no seio da organização, o treinamento, soma-se à formação acadêmica e permite comunicação direta com a visão e missão, proporcionando melhor assimilação e performance.

Em uma organização que faz uso da visão humanística, colaboradores passam a contar com estratégias mais eficientes na hora de lidar com seus desafios profissionais e melhores formas de acessar novos métodos e ferramentas gerenciais, que tragam autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e capacidades de questionarem suas próprias convicções. Essas práticas podem reduzir quadros de ansiedade, diminuir o stress e, consequentemente, trazer felicidade e qualidade de vida aos colaboradores, dentro e fora do trabalho.

Ainda há muita divisão por setores e funções, egoísmo, individualismo em detrimento da união e do pensamento voltado ao time. Todos, então, estão convidados a refletir sobre a necessidade de serem implementadas essas mudanças mentais, mesmo não sendo fácil o trabalho em equipe, a restauração de uma integração coletiva entre os membros da equipe e da organização é a melhor alternativa à empatia.

A visão humanística permite aos colaboradores reconhecerem-se como iguais, facilita a administração de divergências e a resolução de conflitos, torna a comunicação imprescindível nas tomadas de decisão e, além disso, permite o entendimento acerca da importância da sinergia e pertencimento e de como ela é necessária ao fluxo do conhecimento.

Por mais que pareçam distintos, os sistemas de uma empresa são integrados e dependem uns dos outros para manterem-se em funcionamento. Os colaboradores, para compreenderem os sistemas mais complexos, precisarão observar o sistema integralmente e, ao fazerem isso, poderão sentir-se pertencentes e valorizados. Desse modo, por terem compreendido e observado a importância de seu trabalho à organização, terão condições e motivações de melhorarem seu desempenho e sua produtividade.

O monitoramento do ambiente interno permitirá aos gestores observarem o relacionamento entre as pessoas, a sinergia delas com as áreas e equipes e o grau de complexidade das tarefas: levantamento de atividades, recursos, tecnologias, perfis comportamentais e habilidades, inclusive no que diz respeito ao contato externo, com fornecedores. Além disso, poderão fomentar o capital intelectual e incentivar colaboradores a observar e detectar pontos fortes e fracos da organização, e, munidos com tais informações, terão dados suficientes para a elaboração de estratégias que visam melhorar processos administrativos, adequando-os às melhores circunstâncias e garantindo constante inovação em relação às organizações concorrentes.

O exemplo deve partir das lideranças para a criação de ambientes que promovam mudanças nas formas de pensar e seja estimulado não somente o compartilhamento de informações e conhecimentos, mas o desejo de se aprender a reaprender. Por meio dessa transformação (metanoia), poderá ser gerada sinergia entre pessoas e mentes e a confluência de todos em prol de um objetivo comum que rume em direção à excelência, o lucro passa a ser considerado um meio necessário para a empresa manter-se saudável.

A meritocracia pura e simplesmente pode gerar colapso social, já que a formação e a aprendizagem das pessoas não estão em níveis iguais, revela-se a gestão de pessoas baseada na meritocracia humanística como uma opção mais justa. Esse tipo de gestão, além de proporcionar funcionários bem selecionados, treinados e motivados, também oferecerá ambientes de trabalho mais agradáveis, possibilidade de novos caminhos à empresa e, como resultado, garantindo mais competitividade, produtividade e lucratividade. Essa abordagem deixa de ser utópica, quando implantada de forma séria, com o objetivo de valorizar ações sinérgicas, que aumentarão o sentimento de pertencimento coletivo entre os colaboradores.

Referência:
Textos extraídos do livro Reflexões para Gestores, do próprio autor.

*José Jorge Porto é graduado em Gestão Estratégica de empresas, Bacharel em Filosofia e Engenharia Elétrica. Trabalha atualmente na empresa Temon Técnica de Montagens, na gestão de comissionamentos e testes.

 

 

Atualizado em 16 de agosto de 2021 por José Jorge Porto

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico