Haverá luz no final do túnel?

Edição 106 – Novembro de 2014
Por Juliana Iwashita

Provavelmente muitos estejam pensando: “Finalmente 2014 está acabando…”. Este ano foi marcado por acontecimentos importantes para o Brasil, como a realização da Copa, eleições bastante acirradas para presidência, por uma desaceleração forte da indústria e da economia, muitos escândalos e discussões políticas e riscos de racionamentos de água e energia elétrica.

Acredito que em 2015 continuaremos a ter muita instabilidade econômica, mas o setor de eficiência energética deverá ganhar mais atenção. Afinal eficiência energética é a forma mais barata para economizar energia, cujo custo deverá subir significativamente nos próximos meses. Acredito que políticas governamentais e empresariais para economizar energia deverão ser um alvo maior para o ano que se aproxima. Em 2013, segundo o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, os programas de eficiência energética proporcionaram uma economia de 2,1% de toda a energia consumida no país no período e o Brasil tem como meta, no Plano Nacional de Energia (PNE) 2030, ter o atendimento de 10% do consumo de energia no Brasil com ações de eficiência energética.

Em consonância às políticas energéticas, em novembro, a Eletrobras comemorou os 20 anos do Selo Procel e o lançamento do Selo Procel Edificações. Seguindo os conceitos do Selo Procel, que orienta o consumidor na aquisição de eletrodomésticos energeticamente mais eficientes, o novo selo lançado na ocasião, o Procel Edificações, indicará as construções comerciais, de serviços, públicas e residenciais com maior potencial para a redução do consumo de energia. Isto deverá ser um incentivo maior para a busca da certificação Procel Edifica nas construções brasileiras, que faz parte do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) em parceria com o Inmetro.

Segundo o Procel, o consumo de energia elétrica nas edificações corresponde a cerca de 45% do consumo faturado no país. E estima-se um potencial de redução deste consumo em 50% para novas edificações e de 30% para aquelas que promoverem reformas que contemplem os conceitos de eficiência energética em edificações.

Segundo o presidente da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto, destacou durante o evento, o Procel já contribuiu, por meio de suas ações, para a economia de mais de 70 bilhões de kWh de energia elétrica e grande parte desse resultado é creditado às ações do Selo Procel, criado com a finalidade de ser uma ferramenta simples e eficaz. O selo estimula a competitividade na indústria e o desenvolvimento tecnológico na busca de maior eficiência energética dos aparelhos elétricos.

Em 2013, o Selo Procel foi concedido a um total de 36 categorias de equipamentos, distribuídas entre 187 fabricantes e 3.748 modelos. Mais de 62 milhões de equipamentos com o selo foram vendidos no período. Com isso, o uso de equipamentos com o Selo Procel contribuiu para que o Brasil economizasse 9,578 bilhões de kWh no ano, representando 3.733 MW de demanda retirada do horário de ponta.

Em iluminação, o Selo Procel foi recentemente lançado para lâmpadas de Led em outubro. Com caráter voluntário, o Selo Procel visa identificar os melhores produtos no mercado para economizar energia e se aplica às lâmpadas Led com dispositivo de controle integrado à base ou corpo, constituindo uma peça única, não destacável, em 60 Hz, para tensões nominais de 127 V e/ou 220 V e potência nominal de até 60 W.

Dentre os critérios para concessão do Selo para lâmpadas de Led estão contemplados ensaios de segurança e de desempenho, como: medições de potência; fluxo luminoso inicial; eficiência energética; fator de potência; distorção harmonica total (THD); equivalência com a lâmpada incandescente; Temperatura de Cor Correlata (TCC), Índice de Reprodução de Cor (Ra) e vida declarada nominal mínima de 25.000 horas com manutenção de 70% do fluxo luminoso inicial.

Para concessão do selo as lâmpadas Led deverão ter eficiência energética medida e declarada de, no mínimo, 80 lm/W, as lâmpadas tubulares G5 com eficiência mínima de 105 lm/W e as lâmpadas tubulares G13 com no mínimo 90 lm/W.

Este Selo Procel deverá ser um grande impulsionador, em conjunto com a futura certificação compulsória de lâmpadas Led pelo Inmetro, para a melhoria dos produtos existentes no mercado e garantia de melhores índices de economia de energia para o Brasil nos próximos anos. Com isto e outras políticas esperamos que haja sim luz (eficiente) no final do túnel! Desejo a todos um ano novo iluminado e de muitas realizações!

 

Atualizado em 29 de julho de 2021 por Simone Vaiser

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico