Indústria eletroeletrônica encerra 2010 aquém das expectativas

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Por Grasiele Maia
Edição 59 – Dezembro/2010

A indústria eletroeletrônica brasileira deve encerrar 2010 com faturamento de R$ 124 bilhões, representando crescimento de 11% com relação ao ano anterior. O crescimento da indústria da construção civil, o aumento de renda e emprego, os programas do governo para proteger a economia do País contra a crise internacional, a redução do IPI para os eletrodomésticos, os investimentos em Geração, Transmissão e Distribuição (GTD) foram alguns dos fatores que contribuíram para este cenário. Os dados são da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

Embora o setor tenha superado (em aproximadamente 1%) os resultados de 2008, período pré-crise, os números não agradaram os empresários, visto que a expectativa, diante do crescimento do PIB, da ordem de 7,3% neste ano, era de crescimento de ao menos 15%. O grande entrave, segundo a Abinee, foi a valorização de 13% do Real diante do Dólar americano, implicando o aumento das importações e, assim, o desequilíbrio da balança comercial do segmento.

As vendas de produtos elétricos e eletrônicos para o exterior devem somar US$ 7,75 bilhões, 4% acima das realizadas no ano passado, entretanto, com os valores convertidos para Reais, os resultados demonstram queda de 9%. Nesse sentido, a participação das exportações no faturamento total da indústria passa de 13,4% em 2009 para 11% em 2010. Entretanto, as importações devem crescer 41% em Dólar, passando de US$ 25 bilhões, em 2009, para US$ 35 bilhões neste ano. Em Reais, o crescimento corresponde a 25%.

Os materiais elétricos de instalação foram influenciados pelo crescimento da indústria civil, motivado pelo programa Minha Casa Minha Vida e por investimentos de construtoras privadas. Na área de Geração, Transmissão e Distribuição, o ano de 2010 foi marcado pela retomada dos investimentos em infraestrutura de distribuição de energia elétrica e também pela continuidade do programa Luz para Todos.

Faturamento total por área
(R$ milhões a preços correntes)

Áreas

2008

2009

2010

2010 x 2009

Automação industrial

3.446

2.943

3.152

7%

Componentes

9.500

8.263

9.350

13%

Equipamentos industriais

18.369

15.003

18.311

22%

Geração, Transmissão e Distribuição

11.919

10.604

12.101

14%

Informática

35.278

35.278

39.917

13%

Material de instalação

8.323

7.954

8.912

12%

Telecomunicações

21.546

18.367

16.714

-9%

Utilidades domésticas

14.710

13.427

15.583

16%

Total

123.092

111.839

124.040

11%

Para 2011, as expectativas são positivas, já que há uma tendência de que os projetos que ficaram no papel durante 2010 sejam colocados em prática. A previsão é que o faturamento cresça 13% com relação a 2010, atingindo cerca de R$ 140 bilhões.

Para o segmento de Geração, Transmissão e Distribuição, por exemplo, é esperado um faturamento de R$ 14,4 bilhões, sendo R$ 2,3 bilhões a mais do que o ano passado. Conforme o diretor da área de Geração, Transmissão e Distribuição da Abinee, Newton Duarte, o grande responsável por esses números será a área de distribuição de energia. “Não haverá grandes investimentos na área de geração por conta da reavaliação do PAC e das dificuldades em se obter licenças ambientais. Já em distribuição teremos um melhor crescimento, o que ajudará as demais áreas”, declarou

O setor está preocupado, no entanto, com a concorrência com o mercado estrangeiro, especialmente, quanto à compra de equipamentos destinados aos grandes projetos do PAC. Como exemplo foi citada a hidrelétrica do Rio Madeira e a linha de transmissão de Tucuruí-Manaus que têm participação efetiva de capital estrangeiro.

De acordo com a associação, o ambiente favorável para o consumo, a manutenção da renda do trabalhador, a permanência dos investimentos privados e públicos e a ocupação de mão de obra serão os fatores que devem contribuir para o resultado positivo.

Para o presidente da Abinee, Humberto Barbato, esse contínuo crescimento se deve à expectativa da execução de grandes obras de infraestrutura que estavam em pauta para 2010 e tendem a ser efetivadas em 2011.

Em paralelo com crescimento do mercado de equipamentos industriais e materiais de instalação, Barbato ressaltou o salto do número de empregados no setor, que em 2009 era de 159,8 mil, pulando em 2010 para 175 mil. Mas mostrou preocupação com a qualidade da mão de obra disponível no mercado. “O número de estudantes em engenharia ainda não é suficiente para manter o setor aquecido”, avaliou.

Projeção para faturamento total por área
(R$ milhões a preços correntes)

< td width="101" valign="top">

2010

Áreas

2011

2011 x 2010

Automação industrial

3.152

3.503

11%

Componentes

9.350

10.109

8%

Equipamentos industriais

18.311

21.067

15%

Geração, Transmissão e Distribuição

12.101

14.411

19%

Informática

39.917

45.545

14%

Material de instalação

8.912

10.262

15%

Telecomunicações

16.714

18.586

11%

Utilidades domésticas

15.583

17.017

9%

Total

124.040

140.500

13%

 

 

 

 

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico