Insights de sustentabilidade sobre a Flórida

Edição 97 – Fevereiro de 2014
Por Michel Epelbaum

O repouso de férias nos Estados Unidos serviu de inspiração para esta coluna. Relato algumas percepções sobre a cultura e as práticas dos temas da sustentabilidade, contudo, levando em consideração os poucos dias lá passados e a visão de que a Flórida não representa os Estados Unidos como um todo.

Meio ambiente

Automóvel – muitos carros grandes e SUVs (“sport utility vehicles”) nas ruas, os quais usualmente emitem mais poluentes e consomem mais combustível. O carro que aluguei dispunha de dispositivo economizador de combustível (introduzido pela montadora em 2011) e funciona com gasolina ou com o E85 (mistura de álcool e gás. Fonte: www.onlydrivegreen.com), mas procurei em vários postos e não vi nenhum vendendo esta mistura;

Coleta seletiva – me pareceu organizada nos vários locais em que fui, separando de modo geral o reciclável do não reciclável. Em alguns casos se falava de garrafas, latas e plásticos, mas não era citado o papel;

Sacolas plásticas – as sacolas plásticas das lojas e supermercados que vi não eram biodegradáveis, mas algumas continham percentual de material reciclado;

Conservação de água – vimos descargas automáticas para conservação de água em várias lojas, shoppings, etc.

 

Energia

Gás de “xisto” e carvão – as discussões sobre as fontes energéticas estão “quentes” nos Estados Unidos, objeto de várias matérias na mídia. O crescimento da geração de gás de “xisto” (folhelho) nos últimos anos foi impressionante, mas as consequências ambientais e à saúde estão em debate e têm de ser trabalhadas. Os novos padrões de emissões atmosféricas para termoelétricas à carvão, a serem definidos nos próximos meses pela Agência Federal Ambiental (EPA), podem representar o maior passo do país na direção da redução dos gases de efeito estufa. Ou a inviabilidade do setor, como defendido pelos representantes desta indústria;

Conservação de energia – as construções parecem ter um bom isolamento com conservação de energia. No entanto, não vi nos hotéis dispositivos para desligar as luzes e equipamentos em caso de o hóspede não estar no quarto (como já vi em vários hotéis no Brasil);

Lâmpadas Led – não as encontrei nas lojas usuais de venda, somente lâmpadas halógenas. Este movimento parece estar em estágio inicial;

Carro elétrico – em pleno coração de Miami Beach, entre as lojas de grifes, estranhei a presença de uma loja da Tesla Motors, empresa fundada em 2003 por um grupo de engenheiros do Vale do Silício que se desafiaram a provar que o carro elétrico pode ser viável (venderam 2.300 veículos desde 2008, estando atualmente presentes em 37 países). Sinal de mudanças?

 

Segurança e saúde

Cuidados com a segurança e acidentes nos parques e atrações – sempre são apresentadas inicialmente nos brinquedos as regras de segurança e incêndio; os carrinhos/cadeiras são dotados de dispositivos e travas de segurança; as restrições para crianças menores são usualmente seguidas; as orientações sobre os efeitos à saúde nos brinquedos mais radicais são claras, inclusive para mulheres grávidas;

Proteção contra incêndio nos locais de concentração de pessoas &nda

sh; me pareceu organizada e operante. Num dos hotéis em que me hospedei, houve um princípio de incêndio, de madrugada, e a comunicação de abandono nos quartos via caixa de som funcionou perfeitamente bem. Todos os hóspedes foram seguindo para o saguão central (ou para área externa), até que fomos informados de que o detector de fumaça de um quarto disparou por conta do uso do fogão. Os elevadores de hotéis são dotados também de instruções em caso de incêndio;

Acidentes com copos de bebidas quentes – nos cafés (expressos) que ansiosamente buscávamos, as bebidas vinham com tampa e proteção contra queimadura (não somente no Starbucks e no McDonalds).

 

Social

Inclusão dos portadores de necessidades especiais – é visível a preocupação com o acesso e inclusão nas calçadas, ruas, hotéis, shoppings, parques;

Diversidade de povos – os funcionários dos parques da Disney vêm de vários países, línguas (identificados no crachá) e idades (muitas pessoas da terceira idade trabalhando).

Realizar “benchmarking” com outras práticas e culturas é interessante para nos autoavaliarmos e perceber oportunidades de evolução. Espero que estas percepções ajudem nesse sentido.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico