Intertravamentos

Prezado leitor, gostaria de abordar  um tema bastante interessante, muito  conhecido de todos, além de ser de grande importância e funcionalidade. Pela própria etimologia da palavra, trata-se do conjunto de passos ou laços que devem existir para garantir a segurança de um equipamento, pessoa ou processo.

Observando-se a definição acima, os campos de aplicação são vastos e numerosos, razão pela qual o assunto ganha importância. São divididos em três grandes grupos: elétricos, mecânicos e intertravamentos por procedimentos operacionais. Do ponto de vista da facilidade de implementação e seus custos, os intertravamentos mais comuns são os implementados por circuitos elétricos, sejam eles eletromecânicos, elétricos funcionais, eletrônicos ou os de segurança (estes geralmente comandados por PLCs de segurança e aplicados a máquinas  e  equipamentos cujo funcionamento pode representar risco à vida humana, como prensas e similares). Os intertravamentos elétricos também são usados para definir princípios de funcionamento, lógicas funcionais, funcionamento em contingências e outras aplicações, sendo que os intertravamentos consistirão de circuitos com combinações de contatos em série e em paralelo que impedem ou liberam o funcionamento de bobinas de abertura, fechamento, mínima tensão, relés auxiliares, entre outros, cuja resultante desta lógica permite ou impede o fechamento de um disjuntor ou contator, obriga a abertura de um disjuntor ou contator, e assim sucessivamente.

Mais confiáveis e geralmente decisivos, os intertravamentos mecânicos são aplicados para impedir que partes e peças realizem movimentos mecânicos, sejam a abertura e fechamento de chaves seccionadoras, inserção ou extração de disjuntores ou contatores, acionamento rotativo de comutadores de posição, entre tantos outros. Inclusive, na NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, do MTE, em sua cláusula 10.5.1.b, considera-se desenergizada a instalação elétrica e liberada para o trabalho as instalações que, mediante procedimentos apropriados, obedeça à seguinte sequência: seccionamento, impedimento de reenergização, constatação de ausência de tensão, instalação de aterramento temporário, proteção de elementos energizados dentro da zona controlada e instalação de sinalização de impedimento de reenergização. Para o impedimento à reenergização, muitos intertravamentos mecânicos são aplicados com boa eficácia.

Entretanto, gostaria de propor, como sempre faço, a discussão sobre o uso de procedimento como intertravamento. Entende-se aqui como sendo um conjunto de instruções operacionais que visam impedir que manobras erradas sejam realizadas, colocando em risco a integridade física dos agentes, assim como a do patrimônio. Será que temos profissionais bem formados, capacitados, mas, sobretudo, educados para respeitar regras e procedimentos estabelecidos sem negligenciá-los ou simplesmente abandoná- los em nome da célebre frase: “Precisa energizar agora! Dá um jeito aí!”. Vejo com muita preocupação tantos relatos que recebo deste tipo de conduta. E você, o que acha?

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Flávia Lima

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico