Já estamos em plena safra dos ventos

Já começaram a chegar novos avisos do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) sobre os recordes de geração da temporada 2019. Estamos em plena safra dos ventos, o período do ano em que costumamos ter nossos melhores ventos, e que vai até novembro.

No dia 5 de agosto, uma segunda-feira, ocorreram os últimos recordes de geração eólica no Subsistema Nordeste, de acordo com o ONS. Na média diária, a energia dos ventos abasteceu 85% da demanda da região, com geração de 8.284MWmed e fator de capacidade de 72%. Nesse mesmo dia, foi registrada máxima diária de 9.632MW às 13h35, com fator de capacidade de 84%, atendendo a 93% da demanda do Nordeste. O Nordeste foi exportador de energia durante todo o dia.

E não é só no Nordeste que os recordes são registrados, já que a alta geração eólica desta época do ano tende a significar também um maior atendimento do Sistema Interligado Nacional (SIN). Afinal de contas, embora tenhamos cerca de 80% da capacidade instalada no Nordeste, o Sul do Brasil tem um capacidade instalada muito importante, sendo o Rio Grande do Sul o quarto Estado com mais parques eólicos no Brasil. No dia 21 de junho, por exemplo, a força dos ventos chegou a atender 15,34% da demanda do SIN, um recorde histórico, com um fator de capacidade médio de 64,73%.

Estamos batendo estes recordes porque, em primeiro lugar, estamos instalando cada vez mais parques. Há 10 anos, tínhamos pouco mais de 0,6GW instalados e estamos chegando neste segundo semestre de 2019 com 15,1GW de capacidade instalada em mais 600 parques e com 7.500 aerogeradores em operação.

E tem um outro fator importante: a qualidade de nossos ventos. Para produzir energia eólica, são necessários bons ventos: estáveis, com a intensidade certa e sem mudanças bruscas de velocidade ou de direção. O Brasil tem a sorte de ter uma quantidade enorme deste tipo de vento, o que explica em grande medida o sucesso da eólica no País nos últimos anos. Enquanto a média mundial do fator de capacidade está em cerca de 25%, o Fator de Capacidade médio brasileiro em 2018 foi de 42%, sendo que, no Nordeste, durante a temporada de safra dos ventos, que vai de junho a novembro, é bastante comum parques atingirem fatores de capacidade que passam dos 80% ou mesmo médias mensais de 60% em Estados do Nordeste.

Somos abençoados não apenas pela grande quantidade de vento, mas também pela sua qualidade. E nossa energia também é grande, porque seguimos lutando pela energia eólica, trabalhando com foco e instalando cada vez mais parques. E fazemos isso por um motivo muito simples: acreditamos que a energia eólica não é apenas uma boa escolha do ponto de vista de segurança do sistema e de competitividade, mas também porque é uma fonte de energia que respeita o meio ambiente, que traz benefícios sociais e ambientais concretos e que nos ajuda a lutar contra o aquecimento global. E todos estes são bons motivos para continuar trabalhando e batendo recordes.

Atualizado em 20 de julho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico