Lâmpadas Led rumo à certificação do Inmetro

Edição 110 – Março de 2015
Por Juliana Iwashita

Com o aumento do custo da energia elétrica, as substituições de lâmpadas convencionais por lâmpadas de tecnologia led ganham uma força ainda maior. Com preços cada vez mais baixos e com uma quantidade cada vez maior de marcas e modelos surgindo no mercado, aumenta-se a necessidade de uma certificação desses produtos, visando que eles não tenham o mesmo destino que as lâmpadas  fluorescentes compactas na época do racionamento de 2001.

Não há dúvidas de que a tecnologia led é a grande bola da vez, por ter baixo consumo de energia elétrica e elevada vida útil, porém, infelizmente, nem sempre a qualidade dos produtos condiz com o esperado e o consumidor pode estar comprando gato por lebre. Com o objetivo de regular esse mercado e garantir condições mínimas de desempenho e segurança, há alguns anos estamos falando da certificação de lâmpadas led.

Em setembro de 2013 vimos serem publicadas para consulta pública o Regulamento Técnico da Qualidade (RTQ) e, em outubro de 2014, os Requisitos de Avaliação da Conformidade (RAC). A portaria 389, de agosto de 2014,  publicou oficialmente o RTQ, isto é, as exigências técnicas que as lâmpadas deverão atender, porém, ainda aguardamos a publicação oficial do RAC, que estabelecerá os mecanismos de análise, prazos e regras para obtenção dos registros para comercialização das lâmpadas.

Tudo indica que falta muito pouco agora. Em fevereiro, reuniram-se o Inmetro, a Eletrobras, representantes das associações de classe Abilux e Abilumi, laboratórios e fabricantes para discutir os pontos levantados na consulta pública do RAC. Com vários pontos discutidos e aparentemente sem um consenso total entre todos os envolvidos, o ponto que todos concordam é sobre a necessidade de se ter uma portaria para começar a certificação.

Esta, entretanto, quando iniciar, provavelmente, será bastante tumultuada, visto os curtos prazos que serão exigidos para os ensaios em laboratórios e concessão de registros para comercialização. Sendo oficializado o Modelo 5 de certificação de produtos, será exigida a figura do Organismo de Certificação de Produtos (OCP), isto é, uma organização independente acreditada para executar a Avaliação da Conformidade.

O Modelo 5 exigirá ensaio de tipo, avaliação e aprovação do Sistema da Qualidade do fabricante, acompanhamento através de auditorias no fabricante e ensaio em amostras retiradas no comércio e no fabricante. Segundo o Inmetro, este modelo proporciona um sistema credível e completo de avaliação da conformidade de uma produção em série e em grande escala, pois é um modelo baseado no ensaio de tipo, acompanhado de avaliação das medidas tomadas pelo fabricante para o sistema de gestão da qualidade de sua produção, seguido de um acompanhamento regular, por meio de auditorias, do controle da qualidade da fábrica e de ensaios de verificação em amostras tomadas no comércio e na fábrica.

Estas medidas serão efetivamente uma forma bastante rigorosa que deverá tirar muitos Leds do mercado. Impactos em aumento de preços provavelmente também devem ocorrer num primeiro momento. Entretanto, a tendência maior é a redução de preço ao longo do tempo com a penetração cada vez maior da tecnologia.

Em paralelo a todas as discussões do Inmetro, a Eletrobras foi mais rápida e lançou em outubro de 2014, o Selo Procel para identificar as melhores lâmpadas Led do mercado. Etiquetagem voluntária, o Selo Procel é atualmente a única forma que os consumidores possuem para saber quais produtos atendem aos requisitos mínimos de desempenho, eficiência energética e segurança através de testes em laboratórios de terceira parte.

Embora nem todos os ensaios do RTQ do Inmetro sejam exigidos pela etiquetagem do Procel, acredito que a existência deste selo seja a mais indicada atualmente para especificações e compras de lâmpadas Led. Enquanto não temos em vigor a certificação do Inmetro, o Selo Procel será a melhor opção para seleção destes produtos, visto a grande quantidade de produtos de qualidade questionável no mercado.

 

Atualizado em 29 de julho de 2021 por Simone Vaiser

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico