Light e as primeiras subestações de energia de São Paulo

por Isabel Regina Felix  e Mariana de Andrade

www.energiaesaneamento.org.br

A chegada da energia elétrica às cidades no final do século XIX é considerada um marco na história da urbanização. No Brasil, o advento da companhia Light há 120 anos promoveu intensas, amplas e rápidas transformações na paisagem paulistana.

Fundada em  1899, com sede em Toronto, Canadá, a The São Paulo Railway, Light and Power, Company Ltd tinha como objetivos “estabelecer, construir completar, manter e fazer funcionar obras para a produção, utilização e venda e produzir eletricidade gerada por vapor e força motora elétrica, a gás, pneumática, mecânica e hidráulica ou outra força qualquer para quaisquer fins”. O termo “Railway”, na razão social, foi substituído por “Tramway”, limitando a atuação da empresa, no que se refere ao transporte, apenas à viação urbana.

Quando a Light se estabeleceu em São Paulo, a cidade tinha uma população próxima de 240 mil habitantes, suas ruas eram estreitas e existiam diversos núcleos populacionais esparsos e separados por áreas não edificadas. A empresa The San Paulo Gas Company Ltd atuava na cidade desde 1872, quando passou a produzir gás e cuidar da iluminação por meio de lampiões. Na época, a Companhia de Água e Luz do Estado de São Paulo era a concorrente da Companhia de Gás, fornecendo energia elétrica em algumas localidades centrais e comerciais da cidade, do escurecer até a meia-noite.

As duas primeiras décadas do século XX foram fundamentais para o fortalecimento da Light no Brasil. Responsável por obras que garantiram a infraestrutura necessária para o desenvolvimento urbano e industrial de São Paulo, a empresa teve forte presença, especialmente na capital.

Dia a dia seus moradores viam a paisagem da cidade modificada pela instalação de redes elétricas que alimentariam as linhas de bondes e levariam a eletricidade para várias áreas da cidade.

Nesse contexto, um novo tipo de edificação passa a fazer parte do cotidiano paulistano: as subestações, de onde a energia era distribuída para ser levada a diferentes destinos como bondes, fábricas, comércios, residências etc. A princípio, apenas a Subestação Paula Souza, localizada na região central, cumpria essa função, mas com o surgimento de novas indústrias e novos bairros, foram sendo construídas outras subestações, como Lapa, Ipiranga e Augusta, entre outras.

A Fundação Energia e Saneamento tem disponível de forma online mais de mil documentos gráficos produzidos pela antiga companhia Light entre 1914 e 1949, e que registram obras e alterações na cidade. A série “Propriedades da Companhia” revela ao público uma grande variedade de fontes gráficas, como projetos de arquitetura e engenharia, entre eles desenhos técnicos, plantas baixas e cartografias que retratam o processo de urbanização da cidade através das construções realizadas pela Light. Entre esses documentos, encontram-se exemplares referentes a diversas subestações de energia espalhadas pela Capital, como a antiga Subestação Central Riachuelo, recentemente restaurada e transformada em um centro cultural, na Praça da Bandeira.

Subestação Paula Souza, a pioneira

A subestação Paula Souza é a mais antiga estrutura transformadora e distribuidora de energia elétrica do Estado. Inaugurada em 1901 junto da Usina de Parnaíba, primeira hidrelétrica a gerar eletricidade para a cidade de São Paulo, a estrutura compunha o sistema de energia da Light e foi construída ao lado do rio Tamanduateí. Em princípio, além de contribuir para o sistema de iluminação pública, fornecia energia para os bondes elétricos da Capital. Sua primeira edificação foi considerada uma obra monumental, contando, em equipamentos, com o que havia de mais moderno e de alta potência à época.

Mais tarde, na década de 1970, foi construído um prédio no complexo da subestação, com a instalação do primeiro equipamento com sistema de isolamento a gás (GIS). Em 2016, as suas instalações foram novamente modernizadas, com a renovação de seus equipamentos de alta tensão – com tecnologia que permite a redução do espaço ocupado e melhoria de performance.

Isabel Regina Felix é Historiadora e Coordenadora de Serviços e Projetos Especiais da Fundação Energia e Saneamento.

Mariana de Andrade  é Jornalista e Pesquisadora da Fundação Energia e Saneamento.

Fundação: Energia e Saneamento

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico