Londres 2012: a primeira olimpíada “sustentável”

Edição 79 – Setembro de 2012

Por Michel Epelbaum

Aproveitando o acontecimento do maior evento esportivo planetário, descrevo nesta coluna o lado da sustentabilidade que não é mostrada na cobertura dos Jogos Olímpicos.

 

A cidade de Londres propôs em 2007 o “Plano de sustentabilidade Londres 2012: rumo a um planeta”, com o objetivo de sediar os Jogos Olímpicos mais sustentáveis possíveis. O processo foi dividido em três etapas:

 

1) 2007 – 2011: nesta fase, a sustentabilidade foi incorporada ao projeto e à construção do Parque Olímpico, de outros locais permanentes e infraestrutura;

2) 2011 – 2012: esta fase está centrada na realização dos Jogos Olímpico e Paraolímpico;

3) 2013 em diante: os jogos devem garantir um bom legado ambiental e social para a área do Parque e Vila Olímpicos e por todo o Reino Unido.

O Plano está centrado em cinco temas-chave, sendo três deles ambientais e dois sociais/ econômicos, sobre os quais apresentamos as principais metas e os resultados alcançados:

  1. 1.       MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Reduzir as emissões de gases de efeito estufa e garantir instalações capazes de lidar com os impactos das mudanças climáticas.

Principais metas:

– Atingir em 2013 uma redução de 50% nas emissões de carbono dos edifícios permanentes no Parque Olímpico, tendo como referência o Regulamento de Edificações de 2006.

– Fornecer 20% da energia usada, no parque após os jogos, de fontes renováveis internas ao local.

– Prover frete de 50% em peso dos materiais de construção do parque por ferrovia ou hidrovia.

– Usar frota de veículos/ônibus de baixa emissão durante os jogos.

– Prover combustível de baixo (ou zero) carbono para as piras Olímpica e Paraolímpica.

– Fazer com que 100% dos espectadores dos Jogos Olímpicos utilizem o transporte público, a bicicleta ou a caminhada como meio de transporte para ir e voltar das atividades (por meio de ciclovias e plano de transporte).

Principais resultados:

– Redução de 58% nas emissões de carbono derivadas das operações de construção do Parque Olímpico até dez/11.

– 10% da energia utilizada nas instalações eram provenientes de fontes locais e renováveis até dez/11. Previam-se inicialmente turbinas eólicas dentro do Parque Olímpico, para obter a meta, porém elas não foram implementadas.

– Realização do primeiro estudo abrangente de pegada de carbono de Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Verão.

– A mistura de concreto usada na construção da Vila e Parque Olímpico atingiu mais de 40% de redução de carbono comparada com especificações padrão.

– Todos os prédios permanentes estão sendo rastreados para ser 15% mais eficientes do que os prédios equivalentes do Código de 2006.

– Frete de 67% em peso dos materiais de construção do Parque por ferrovia ou hidrovia.

– 4.000 carros doados pela BMW para o uso durante os jogos atendem aos padrões legais de emissão do Euro 6, com baixa emissão de poluentes.

  1. 2.       RESÍDUOS

Reduzir os resíduos em todas as etapas do projeto e encorajar o desenvolvimento de novas infraestruturas para seu tratamento, além do aterro.

Principais metas:

– Recuperar 90%, em peso, do resíduo de demolição para reuso ou reciclagem.

– Usar 20%, em valor, do material de construção de fontes de reuso ou reciclagem.

– Evitar que 90% do resíduo de construção seja destinado em aterro.

– Assegurar que nenhum resíduo gerado durante os jogos sejam enviados diretamente para aterros.

– Tratar todo o resíduo como uma matéria prima potencial para assegurar que no mínimo 70% do resíduo gerado durante os jogos sejam reusados, reciclados ou passem por compostagem.

Principais resultados:

– 98,5% do resíduo de demolição e 99% do resíduo de construção do Parque foram reciclados (ou reusados em alguns casos) até dez/11.

– Um total de oito prédios foram reusados externamente.

– Uso de 34%, em valor, do material de construção de conteúdo reciclado.

– Mais de 80% do solo foi descontaminado e reusado no Parque Olímpico.

– Fundações do Centro Aquático, Arena de Handebol e do Estádio Olímpico usaram concreto com mais de 30% de materiais reciclados.

  1. 3.       BIODIVERSIDADE

Reduzir o impacto dos jogos na vida selvagem e nos seus habitats do entorno.

Principais metas:

– Incluir uma seção de Biodiversidade nos requisitos de sustentabilidade em projetos para prédios temporários e coberturas.

– Criação de 45 hectares de habitat e área com cobertura vegetal.

Principais resultados:

– Criação de 25 hectares para os Jogos e 45 hectares de habitat e área com cobertura vegetal no Parque Olímpico após os jogos (um dos maiores parques urbanos criados na Europa nos últimos 150 anos).

– Recuperação de áreas verdes degradadas na cidade.

– Projeto da Vila Olímpica, Centro Aquático, Eton Manor e Centro de Imprensa incluem mais de 15 mil m² de telhados vivos.

  1. 4.       INCLUSÃO

Promover o acesso a todos e celebrar a diversidade de Londres e do Reino Unido, criando novas oportunidades de emprego, formação e negócios, incluindo critérios de ética e requisitos socioambientais nas compras.

Principais metas:

– Grupo de Trabalho de Emprego de Londres para reduzir desemprego na cidade de 70 mil em 2012.

– Prover 20 mil locais de treinamento no Parque Olímpico nos próximos cinco anos.

– Programa Internacional de Educação e Inspiração para atingir 12 milhões de crianças em 20 países.

– Atingir metas ambiciosas de recrutamento de pessoal de grupos mais sensíveis, como mulheres e portadores de necessidades especiais.

– Prover um serviço de mobilidade aos espectadores em todos os locais de Jogos.

Principais resultados:

– Após os Jogos, moradores locais podem passar o dia no Parque Olímpico e desfrutar de um piquenique e conhecer áreas naturais reflorestadas do

local, como as matas ciliares e florestas úmidas.

– 22 mil escolas e colégios estão participando de iniciativas envolvendo o evento.
– 12 milhões de crianças e jovens por todo o mundo foram estimulados a serem mais ativos devido ao programa de inspiração internacional.

– Recuperação de áreas degradadas na zona leste da cidade.

– Site CompeteFor para compras eletrônicas para as Olimpíadas 2012, com 10.200 oportunidades de negócios, 41.600 fornecedores registrados de Londres e mais de 153.000 no país.

– Programas de treinamentos e empregos com investimento de 14 milhões de libras para mais de 10.000 desempregados e 2.500 residentes locais.

  1. 5.       SAÚDE/QUALIDADE DE VIDA

Inspirar o estilo de vida ativo, saudável e sustentável nas pessoas por intermédio do evento.

Principais metas:

– Zero acidente de trabalho durante a fase de construção.

– Definição e implementação da Visão Alimentar 2012, focada em cinco áreas: segurança e higiene alimentar; escolha e balanceamento de alimentos, critérios para a cadeia de suprimentos (por exemplo: comércio justo); gestão ambiental; e educação.

– Inspirar ao menos 2 milhões de pessoas na Inglaterra a tomar parte em atividades esportivas e a ter uma vida mais saudável e ativa até 2012.

– Oferecer 5h de esporte por semana para as pessoas na faixa de 5-16 anos e 3h de esporte por semana para a faixa de 16-19 anos até 2012.

Principais resultados:

– Taxas de acidentes durante a construção abaixo da média da indústria da construção.

– 90% das crianças estão fazendo 2h de atividades esportivas por semana.

– 15,5 milhões de libras investidos para o desenvolvimento do esporte na comunidade nos próximos três anos.

Além disso, destacam-se os seguintes resultados:

– Água sustentável – redução do uso de água nos novos prédios: 60% em dez/11 (meta: 40%).

– Materiais sustentáveis – 86% dos materiais provenientes de processos com responsabilidade socioambiental (meta: 80%); 100% da madeira proveniente de fontes renováveis (meta: 100%).

– Onde possível, foram usados locais existentes para as competições, como Wimbledon (tênis); onde não havia necessidades pós-Olimpíadas, foram construídos locais temporários (exemplo: arena de basquetebol, hipismo), os quais serão desmontados (e alguns levados para a Olimpíada Rio 2016).

Vejo avanços interessantes na:

– Busca do transporte sustentável.

– Priorização do legado após os jogos (externo minha preocupação pelo legado da Copa do Mundo no Brasil: dispêndio enorme em alguns estádios que terão baixo uso após a Copa).

– Busca da eficiência energética e redução de emissões nos novos locais construídos.

– Visão alimentar de suporte.

– Integração entre o evento em si e a “economia verde inclusiva” (palavra em voga após a Rio+20), ainda mais num momento de crise econômica.

Vimos que nem todas as metas foram atingidas, mas a avaliação dos erros e acertos destes Jogos Olímpicos será muito importante para poder subsidiar o plano de sustentabilidade da Copa do Mundo e do Rio 2016. E servirá ainda para visualizar o potencial mercado para algumas soluções, tecnologias, produtos, materiais e serviços do setor elétrico nos próximos anos.

Vamos fazer dos próximos grandes eventos no Brasil uma referência em sustentabilidade econômica, ambiental e social?

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Comentários (1)

[…] – Integração entre o evento em si e a “economia verde inclusiva” (palavra em voga após a Rio+20), ainda mais num momento de crise econômica. Leia mais! […]

Os comentário estão encerrados.

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico