Medições de transitórios em alta frequência

Edição 113 – Junho 2015
Por Cláudio Sérgio Mardegan

Prezados leitores, tenho observado que algumas empresas de engenharia têm proposto realizar medições de transitórios em alta frequência. Gostaria de alertá-los para o fato de que, com os resultados recebidos, poderemos ter apenas medições qualitativas em vez de quantitativas.

Entenda o porquê nas Figuras 1 e 2, que representam, respectivamente, a resposta em frequência dos TCs e TPs.


Figura 1 – Resposta em frequência de um TC, recebido de um fabricante de TCs.

 
Figura 2 – Resposta em frequência de um TP, retirado do IEEE Std 518-1992.

Como pode ser observado, os TCs acima de 10 kHz podem apresentar erros de amplitude e de fase significativos e os TPs acima de 6 kHz também podem apresentar erros de amplitude.

Uma solução para ampliar um pouco a faixa de frequência seria a utilização de bobinas de Rogowski e ampliaríamos a faixa de medição para 100 kHz, como pode ser observado na Figura 3.


Figura 3 – Resposta em frequência da bobina de Rogowski.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico