Meio ambiente e o setor elétrico

Edição 74 / Março de 2012
Por Michel Epelbaum 

Na coluna passada, abordamos os temas que fazem parte da sustentabilidade empresarial, usando a norma ISO 26000 como referência. Refletiremos nesta coluna sobre as quatro questões do tema “meio ambiente”, explicadas a seguir, e as consequências para o setor elétrico.

 

Emissões de gases de efeito estufa (GEE) e o aquecimento do planeta

Os dados mundiais controlados pelas Nações Unidas (metas do milênio – http://mdgs.un.org e Framework Convention on Climate Change – UNFCCC – www.unfccc.int) e pelo IPCC mostram crescimento das emissões mundiais de gases causadores do aquecimento global e uma contribuição crescente da China e da Índia. Os maiores países emissores mundiais são China, Estados Unidos, Índia, Federação Russa e Japão, nesta ordem.

Estes inventários mundiais identificam o uso da energia como o mais contributivo ao aquecimento global (cerca de 80% em 2009 no caso dos Estados Unidos, União Europeia e Federação Russa).

No Brasil, a última comunicação oficial das emissões de gases de efeito estufa (2005) indicou um aumento de cerca de 60% desde 1990. No entanto, as emissões nos anos recentes mostraram reduções, principalmente nas emissões derivadas de desmatamentos e queimadas.

A distribuição das fontes de geração no país é destoante da encontrada nos países desenvolvidos, pois o uso da energia representou somente 15% do total de emissões, e 60,6% se refere ao uso da terra, mudança do uso da terra e floresta (basicamente queimadas e desmatamentos ilegais). Porém, o inventário de emissões do Estado de São Paulo de 2005 apontou que 57,2% das emissões foram derivadas do setor de energia.

Daí nota-se a importância deste tema crítico para o setor elétrico, dado o esforço global de redução de emissões.

Figura 1 – Pegada ecológica global (Referência: Planeta Vivo Relatório 2010; WWF/Sociedade Zoológica de Londres, Global Footprint Network).

 
Uso sustentável de recursos e energia

Talvez a melhor forma de expressar a evolução do uso de recursos seja a dada pelo indicador anual “Pegada ecológica” (da organização não governamental Global Footprint Network – http://www.footprintnetwork.org), medido pela área usada para neutralizar as emissões de CO2, áreas de pastagens, florestal, cultivo, estruturas humanas e na produção primária necessária para sustentar os peixes e mariscos capturados (área para produzir os recursos que um indivíduo, população ou atividade consome e para absorver os resíduos que gera).

O resultado apresentado no seu relatório de 2010 (referente ao ano de 2007) é apresentado na Figura 1 e demonstra que a demanda humana pela biosfera mais do que dobrou entre 1961 e 2007. Além disso, o relatório evidencia que precisávamos, em 2007, de cerca de 1,5 planetas para suprir as nossas necessidades, situação já insustentável, e que este número aumentará para 2 planetas em 2030.

Sobre a situação do consumo de energia, da eficiência energética e do uso de fontes alternativas, não é preciso detalhar nesta coluna, pois já vêm sendo bastante comentado nesta revista.

Prevenção da poluição

Apesar da regulação e conscientização crescente nos últimos anos, o cenário atual planetário mostra, em várias partes do mundo, uma piora significativa da qualidade ambiental, dentre os quais podemos citar:

  • Oceanos, rios, lagos e águas subterrâneas contaminados, afetando a vida aquática e o suprimento de água potável;
  • Solos contaminados por deposição de resíduos industriais e domésticos;
  • Poluição do ar e ruído crescentes nas grandes cidades, causando redução da vida dos seus habitantes e aumento do número de doenças respiratórias;
  • Número crescente de produtos químicos novos desenvolvidos, do qual boa parte sem dados confiáveis e de longo prazo sobre os impactos à saúde e ao meio ambiente. 

 

Pode-se visualizar a relação do setor elétrico com a poluição e com a missão de reduzi-la drasticamente, por meio dos exemplos a seguir:

  • Geração de lixo eletrônico perigoso ao meio ambiente no pós-uso dos produtos;
  • Geração de efluentes líquidos contendo metais pesados na manufatura de produtos elétricos;
  • Uso de substâncias perigosas nos produtos e na fabricação, objeto de regulamentações nacionais ou regionais (por exemplo: Diretiva Europeia de controle de substâncias perigosas – RoHS).


Proteção da biodiversidade

Ilustraremos a situação da proteção da biodiversidade pelo Índice Planeta Vivo, acessado por meio do Relatório Planeta Vivo 2010 (http://www.wwf.org.br), elaborado bianualmente pela respeitada Organização Não Governamental WWF, em colaboração com a Sociedade Zoológica de Londres e a Global Footprint Network. Ele acompanha a evolução de quase 8 mil populações de mais de 2.500 espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes. 

 Esse índice mundial demonstra uma redução de espécies de 30% desde 1970.  O declínio é mais acentuado nas regiões tropicais, em que se verifica uma queda de 60% em menos de 40 anos. Em algumas áreas temperadas, houve uma recuperação promissora de populações de espécies, entretanto, nas áreas tropicais, houve uma queda de quase 70% nas populações aquáticas (água doce) que foram rastreadas – maior declínio já mensurado em quaisquer espécies.

 

E como o setor elétrico se relaciona a esta situação?

A conexão ocorre por meio dos impactos de partes da cadeia de valor com a biodiversidade, como:

– uso de recursos naturais na manufatura oriundos de áreas com impacto sobre a biodiversidade (por exemplo: minérios em áreas próximas a matas nativas);

– uso de energia gerada em usinas com impacto sobre a biodiversidade (p.ex.

grandes hidrelétricas);

– instalação de fábricas de produtos elétricos próxima a locais com impacto sobre a biodiversidade;

– poluição causada pelo transporte marítimo de matérias-primas e produtos acabados.

 

Energia sustentável não é fácil, mas a viabilidade desta gestão e os investimentos estão sendo crescentemente percebidos diante dos benefícios empresariais estratégicos, às pessoas e ao planeta.

 

 

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Comentários (1)

[…] …Talvez a melhor forma de expressar a evolução do uso de recursos seja a dada pelo indicador anual Pegada ecológica , medido pela área usada para neutralizar as emissões de CO2, áreas de pastagens, florestal, cultivo, estruturas humanas e na produção primária necessária para sustentar os peixes e mariscos capturados (área para produzir os recursos que um indivíduo, população ou atividade consome e para absorver os resíduos que gera). Leia mais! […]

Os comentário estão encerrados.

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico