Memórias das Copas do Mundo de um colunista e seu neto

Edição 100 – Maio de 2014
Por Michel Epelbaum

Aproveitando a proximidade da Copa do Mundo de 2042, conversei com meu neto de oito anos sobre as memórias de Copas que ele não viu nem ouviu.

– Rodrigo, vi que você está colecionando hologramas sobre os craques e times da Copa. Na minha época e na de seu pai, nós colecionávamos figurinhas em um álbum de papel. As pessoas se reuniam para trocar e bater figurinhas. Era uma febre para completar o álbum. Eu era criança na Copa de 1970 e de 1974. As figurinhas carimbadas eram do Pelé, Rivelino. Em 1970, o Brasil foi tricampeão, o melhor time do mundo. Mas o seu pai tinha a sua idade quando aconteceu a Copa do Mundo no Brasil! Você imagina isso?

– Vô, já teve Copa do Mundo no Brasil?

– Sim, Rodrigo, não uma, mas duas! Na primeira eu não era nem projeto de gente, mas a segunda eu acompanhei de perto.

– E como foi, vô?

– Sabe a Arena que fomos no ano passado? Ela foi construída para a Copa de 2014. Assim como outros 11 estádios. Foi um período bem agitado e bagunçado. Muita gente saiu às ruas para reclamar: do muito dinheiro que foi gasto e roubado, dos preços do ônibus, da confusão nos aeroportos. Até decretaram feriados nos dias de jogos para não ter trânsito.

– Vô, o que é ônibus?

– É verdade, não tem mais, é como se fosse o “teletransporte magnético” de hoje. Mas, voltando à época, você imagina um dia seu sem água e energia? Pois é, então imagina um evento tão importante, o maior do mundo no futebol, com ameaça de racionamento?

– Vô, o que é racionamento?

– Racionamento é quando a água ou energia não é suficiente para todo mundo e as pessoas têm que gastar menos.

– Mas então é parecido com o que acabou de aparecer no “Online News” da minha camiseta eletrônica?

– É, meu neto, as coisas mudam, mas nem tanto assim, não é? Sobre este assunto, não tem mágica: o mundo cresce e cada vez precisa de mais energia e água. Se não cuidar bem, falta. Você sabe que em muitos países só tem água tirada do oceano? Lembro-me da sensação no mês anterior à Copa de 2014, com a possibilidade de problemas na competição, das manifestações, e tinha eleição para presidente e para governadores naquele ano, ninguém queria “sair mal no filme”. Era uma torcida para o adversário se dar mal. Lembro-me também de estar escrevendo para uma revista sobre o setor elétrico…

– Vô, o senhor era escritor?

– Não bem do jeito que você está pensando. Eu era um técnico que escrevia sobre sustentabilidade e energia. Orgulhava-me de explicar, conscientizar e comentar mensalmente sobre este assunto no qual trabalhei toda a minha vida. Na época, sustentabilidade era uma palavra muito usada, mas o seu significado…. Não é como hoje, que todos conhecem e praticam no dia a dia. Escrevi várias colunas sobre esportes e a Copa no Brasil: Olímpiadas de Londres em 2012, construção sustentável dos estádios, crise de água e energia às vésperas do grande encontro. Desde adolescente sempre gostei de escrever e, para mim, escrever nestes anos para a revista tornou-se um momento bacana para pesquisar novos assuntos, dar forma a ideias e exemplos específicos para atingir os leitores.

– Legal, vô, mas e esta crise, o que aconteceu na Copa, deu problema?

– Você já ouviu alguém falar que Deus é brasileiro?

– Já, na escola virtual, vi algumas vezes o pessoal falar assim. Mas o que quer dizer isto?

– Quer dizer que parece que o Brasil tem sorte e as coisas vão acontecendo, os problemas passam, mesmo quando a gente não faz o que precisa.

– Ah, entendi, é o que acontece quando vamos ter a avaliação tridimensional e não estão muito preparados, mas vão assim mesmo, e na última hora eles adiam por outro motivo qualquer.

– Pois é, Rodrigo, você tem de aprender isso: querer colher sem plantar não dá. Tem de se esforçar e fazer o que precisa.

– Vamos mudar de assunto, vô. O time do Brasil era bom nesta Copa?

– Bom, vamos dizer que estava longe de ser o melhor que já tivemos. Tínhamos um time razoável e o Neymar, a sensação brasileira do momento, mas uma andorinha só não faz verão.

– Como é? O que tem a andorinha a ver com o time? Mas vô, o senhor falou, falou, e quem ganhou a Copa afinal?

– Este é um assunto para a nossa próxima conversa “videofônica telepresencial”. Já vai começar a abertura da Copa e o jogo entre os destaques deste ano: Serra Leoa e Paquistão.

Um beijão!

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico