O Estado, o governo, a sociedade, a educação e a cultura

Às vezes, estes temas parecem se confundir, mas eles têm significados diferentes. Enquanto o Estado é constituído pelas instituições, o governo é simplesmente uma destas instituições, as outras seriam os sistemas públicos de saúde, de educação, as forças armadas. Os poderes judiciário e legislativo também compõem o Estado. No governo presidencialista, o chefe de Estado e de governo são exercidos pela mesma instituição, a “Presidência da República”. O governo tem a função de administrar o Estado da forma como ele está constituído. A sociedade, sua educação e cultura são associadas ao conceito de nação. Nação Brasileira que sai da anestesia “pós-Copa” e observa o que os últimos governos têm feito pelo Estado. Um Estado que sangra, fruto de má gestões e atos fraudulentos. Mau preparo das equipes, corrupção, interesses mesquinhos e outros nos três poderes destruíram o Estado. Além das decisões de caráter duvidoso, outras simplesmente não são tomadas por razões antagônicas aos interesses políticos de quem deveria tomá-las; considere que um em cada quatro dos representantes eleitos na Assembleia Legislativa (poder legislativo) é funcionário público de carreira defendendo naturalmente seus interesses e de seus pares.

Nos últimos anos, além da roubalheira já amplamente reportada e documentada, também foi “para a conta da viúva” os débitos com a previdência, com a Petrobras, com a Eletrobras e até com a Telebrás, que, ressuscitada para o projeto do satélite, tomou R$ 2,8 bilhões dos cofres públicos para resultados abaixo dos esperados e projetados. Mais recentemente, até a Caixa Econômica Federal também precisou de injeção de capital. Além da família “Brás”, as agências de regulação e controle têm dificuldades para fazer o que tem que ser feito. É o caso da escandalosa situação das empresas de seguro saúde, que têm a função de cobrir a inoperância e incompetência do SUS. Alguém tentou nestes meses contratar ou recontratar seguro saúde? O que acharam? E os reajustes das contas de energia teriam relação com desajustes passados, ou seria somente o efeito do esvaziamento de nossas represas?

O debate na sociedade esclarecida e organizada que vislumbra as eleições que se avizinham para o novo governo está polarizado entre público e o privado, entre direita e a esquerda, tolerância ou ignorância, cadeia ou liberdade. Será que pelo simples fato de alguma coisa ser pública, seria também corrupta e ineficiente? A resposta será “sim” se as equipes que a comporem e as fiscalizarem também o forem. Será que não existem empresas privadas que possam desempenhar um bom papel, com custos e qualidade adequadas? A resposta tem a mesma conceituação da anterior. Parece claro que o que não funciona é o atual sistema de governo para a gestão do Estado, este modelo sim é que está obsoleto. Falta coragem, coragem de homens idealistas como Bento Gonçalves, de Garibaldi, de Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo. Não com revolução armada, mas revolução de ideias, de mudanças estruturais e de conceitos, sem fanatismos nem paixões cegas e exageradas, com um senão: deste debate só devem participar pessoas de bem e comprometidas com a verdade. Difícil? Talvez; dependerá de nossa vontade e empenho em construir um país livre de fato.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico