O impacto socioambiental da pesquisa tecnológica no Brasil

Já faz algum tempo que a pesquisa científica e tecnológica vem extrapolando as fronteiras das universidades e dos institutos de tecnologia. Deixou de ter o cunho restrito de produção de conhecimento para, de fato, ajudar na construção de uma sociedade mais justa, igualitária e sustentável. E quando falamos de um país de superlativos em dimensão geográfica, população e diferenças sociais, como o Brasil, a responsabilidade das instituições de ciência e tecnologia é ainda maior e mais desafiadora.

Para contextualizar a importância da pesquisa e de seus impactos sociais, uso como exemplo o acesso à energia elétrica, que foi colocado na Agenda 2030, da Organização das Nações Unidas (ONU), como um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – o ODS 7, para ser mais preciso: “Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos”.

Temos, no Brasil, um dos sistemas elétricos mais robustos e complexos do mundo, com uma matriz baseada em fontes renováveis de energia. Mas, ainda assim, não atendemos a totalidade da população. Segundo dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, 99,8% da população tinham acesso à energia elétrica.

Sem dúvida, o índice de atendimento é bem expressivo, mas não é o ideal, pois, quando traduzimos o percentual não atendido (0,2%) para números absolutos, temos mais de 420 mil brasileiros que não têm o privilégio de acionar um interruptor de luz. Quem dirá dispor de outras comodidades, como um refrigerador para conservar seus alimentos.

O acesso à energia elétrica é um fator que reflete de maneira importante na qualidade de vida das pessoas e, consequentemente, nos indicadores de desenvolvimento econômico e social. E onde entra a pesquisa nessa história toda? Em várias frentes, como na melhoria do desempenho operacional das concessionárias para garantir a disponibilidade e qualidade da energia à população, no melhor aproveitamento das energias limpas e na inserção de novas tecnologias, que permitam avançar nos índices de atendimento, para citar algumas vertentes.

Quero me ater aqui a um exemplo recente e bem marcante para o Lactec e para os pesquisadores envolvidos nesse trabalho: o projeto de P&D de eletrificação rural em Mato Grosso do Sul, que serviu de base para a universalização do atendimento às comunidades isoladas, prevista no Programa Ilumina Pantanal, anunciado pela Energisa e Governo do Estado. A concessionária irá investir R$ 134 milhões para atender 2.090 famílias da região, até 2022.

Demandado pela Energisa, o projeto – realizado no âmbito do Programa de P&D da Aneel – teve início em 20a16, quando em uma primeira etapa foram estudadas as alternativas de fornecimento de energia, respeitando as especificidades e restrições logísticas e de proteção ambiental da região. O atendimento ao pantanal é bastante complexo em razão dessas particularidades e dos alagamentos sazonais.

Na continuidade da pesquisa, chegou-se a definição da solução mais viável nos aspectos técnicos e econômicos – sistemas individuais de microgeração fotovoltaica e de armazenamento de energia. Para validar a tecnologia em campo, foram instalados, inicialmente, 23 sistemas em casas de famílias ribeirinhas, escolas e propriedades rurais, que passaram a ter autonomia na geração da energia.

O projeto de P&D também envolve o desenvolvimento de algoritmos para avaliar o desempenho das plantas e fazer o planejamento dos recursos de operação e manutenção, além da criação de uma metodologia para otimizar e prolongar a vida útil das baterias.

Projetos como esse são desafiadores, mas extremamente gratificantes, quando vemos os resultados transformando, para melhor, a vida das pessoas. E esse é apenas um entre tantos exemplos que corroboram a importância da pesquisa no Brasil e legitimam seu caráter de sustentabilidade social, ambiental e econômica.

Ao estudarmos e desenvolvermos tecnologias, ultrapassamos os limites da engenharia e do conhecimento técnico e vislumbramos o bem-estar da sociedade e o desenvolvimento sustentável do país.

A Aneel está conduzindo um processo de revisão de seu programa de investimentos em P&D no setor elétrico brasileiro e este, talvez, seja um momento oportuno para colocar na balança não apenas o avanço dos resultados da pesquisa tecnológica na cadeia de inovação, mas, também, seus impactos socioambientais.

*Carlos Eduardo Ribas é engenheiro eletricista, com MBA em gestão empresarial, e diretor Comercial do Lactec, um dos maiores centros de tecnologia e inovação do Brasil, referência para o setor elétrico. Está na empresa há mais de 20 anos e tem vasta experiência no mercado de energia.

Atualizado em 5 de julho de 2021 por Carlos Eduardo Ribas

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico