O progresso de todos na proteção de sistemas elétricos

No meio da década de 1990, assisti a uma palestra de diversos fabricantes de relés de proteção. Eles apresentavam os novos relés microprocessados, suas diferenças dos relés eletromecânicos e estáticos, além de mostrar suas novas capacidades. Dentre elas, a multifuncionalidade, memória interna para oscilografia, funções de medição, facilidade de implementação de lógicas e entradas/saídas digitais, etc.

Durante as apresentações, sentados à minha frente no auditório, estavam dois engenheiros de proteção com longa experiência trabalhando em sistemas de proteção de usinas e linhas de transmissão. Talvez eles seriam os profissionais com mais experiência dentre os presentes. Dada minha posição, não pude deixar de ouvir o comentário entre eles: “Isso parece bom, mas só vai ser usado daqui uns 15 a 20 anos…”.

Hoje é muito fácil dizer que eles erraram muito, mas devemos usar essa história como exemplo para as ações a serem estabelecidas para o uso das novas tecnologias quando elas se apresentam.

Desde a década de 1980, as chamadas RTU ou UTR (Unidade Terminal Remota) são utilizadas para dotar o sistema de automação de subestação de habilidades que aumentaram a capacidade da automação desses sistemas, inclusive interligando os relés de proteção com o sistema supervisório. Inicialmente possibilitaram o monitoramento e controle simples produzindo uma automação lenta, e depois a integração dos dispositivos de controle e proteção com o uso de lógicas entre esses dispositivos.

Com a utilização dos relés microprocessados e da comunicação como base desses sistemas, o desenvolvimento dos Dispositivos Eletrônicos Inteligentes (IED) e a consolidação das aplicações com a norma IEC 61850, nota-se que:

  • Permite-se o acesso de dados a partir do barramento de processo até o sistema supervisório, sendo essas informações distribuídas para quaisquer dispositivos componentes do SAS;
  • Estabelecimento de uma arquitetura com funções distribuídas;
  • Elimina a necessidade de UTR;
  • Elimina o uso de grande quantidade de fios de cobre.

Entretanto, alguns projetistas e fornecedores permanecem presos a tecnologia convencional, promovendo a funcionalidade em uma única caixa e não a distribuição das funções. Muitos ainda utilizam diferente nomenclaturas como remotas, concentradores, controladores de bay, unidades remotas de entrada e saídas, gateways, computadores de estação, etc.

Em um trabalho desenvolvido pelos membros do Comitê de Estudo B5 (Proteção e Automação) do Cigré Brasil, através de uma pesquisa com profissionais do setor elétrico, foi constatado que, quando perguntado sobre o tipo de automação de subestação em sua empresa, temos:

  • Não existe subestação com serviço digital: 0%;
  • Existem sistemas digitais, mas nenhum baseado na norma IEC 61850: 16%;
  • Existem de um a dez sistemas digitais, baseados na norma IEC 61850: 42%;
  • Existem mais de dez sistemas digitais, baseados na norma IEC 61850: 42%.

Além da nova tecnologia e dos dispositivos disponíveis no mercado, é imperativo pensarmos na formação dos profissionais, técnicos e gerenciais, e nas estruturas organizacionais das empresas brasileiras.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico