Os bons ventos da diversidade

Considerando que estamos em março, gostaria de aproveitar este espaço para uma comemoração ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. E começo este artigo com uma afirmação categórica: estamos vivendo uma época muito especial no que se refere às discussões sobre a inserção das mulheres no setor elétrico. Quando comecei nessa indústria, há cerca de vinte anos, não havia movimentação neste sentido e a data era lembrada apenas com as tradicionais flores, alguns chocolates e nada mais. Hoje o cenário é outro porque o assunto é tema constante, não apenas em uma data específica. E isso, em si, já é uma grande vitória. O caminho a percorrer, no entanto, ainda é longo.

Se há vinte anos, as mulheres eram poucas no setor, o que vejo hoje é uma geração de mulheres fortes, determinadas e apaixonadas pela profissão. São diretoras, conselheiras, gerentes, executivas, assistentes e operárias de todos os pontos da cadeia produtiva que vão, aos poucos, ocupando seu espaço. As notícias de iniciativas das empresas para ampliar o acesso das mulheres ao mercado de energia chegam de variadas fontes e mostram que há um esforço real para o que o cenário mude. Sabemos que ainda estamos distantes de um cenário verdadeiramente diverso e equilibrado em termos de gênero, mas há que se comemorar o momento tão interessante que estamos vivendo, com os profissionais efetivamente engajados em discutir o tema de forma profunda, avaliar as barreiras e colocar a mão na massa para aumentar a diversidade no setor de energia.

Entre tantos rumos que a discussão sobre inclusão de gênero pode tomar, há um ponto que gostaria de destacar e que muitas das empresas já se preocupam com ele: o fato de que resolver este problema passa por se preocupar não apenas com as mulheres já adultas, mas também com o fato de que isso começa lá na infância, na formação mais inicial das crianças e essa não é apenas uma discussão do setor elétrico.

Já na escolha de carreira, muitas mulheres deixam o setor elétrico de fora das possibilidades. E acredito que esse é o resultado de muitos problemas que não são específicos do setor de energia. Então, precisamos começar essa discussão olhando para o quadro geral. Vou dar um exemplo: em geral, nossa sociedade tende a encorajar os meninos a carreiras mais ligadas a engenharia, matemática, lógica e isso acontece desde cedo. E você pode ver isso acontecendo facilmente apenas indo a uma loja de brinquedos: do lado das meninas, bonecas e brinquedos mais ligados ao universo emocional e, do lado dos meninos, uma grande variedade de brinquedos mais desafiadores e criativos, mais conectados ao universo da lógica. Então, uma menina cresce e vai pensar “bem, energia não é minha coisa, engenharia é muito difícil” e ela acredita nisso porque parece um mundo distante do dela. É claro que isso não é uma regra, mas precisamos admitir que esses primeiros anos de infância são muito importantes para construir o entendimento que os meninos e meninas têm sobre suas potencialidades. Eu também acredito que esta questão também tem a ver com a expectativa que a sociedade coloca sobre as mulheres, os estereótipos associados ao feminino e as dificuldades que as mulheres geralmente enfrentam em todas as indústrias. Por isso, acho crucial que as empresas também pensem em iniciativas para estimular as meninas a seguirem as chamadas carreiras STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics – Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática).

O que anima diariamente é que vejo uma onda muito positiva de muitas mulheres em todo o mundo lutando pela igualdade de gênero e isso me deixa muito esperançosa em relação ao futuro, porque podemos ver as coisas mudando diante de nossos olhos. Usando o exemplo que eu dei sobre meninos e meninas em idade precoce, por exemplo, é possível ver iniciativas de algumas empresas de brinquedos criando brinquedos para meninas que estimulam um pensamento mais matemático, espacial e estratégico. E também vejo famílias e escolas mais conscientes disso, especialmente porque o avanço tecnológico nos pede para preparar as crianças para esse futuro. Eu vejo um intenso movimento feminino questionando os estereótipos femininos em todo o mundo e este é um caminho muito interessante para promover a mudança porque, ao mudar os estereótipos, você libera muito mais possibilidades de existência para as mulheres, e isso pode resultar em diferentes escolhas de carreira. ver mais e mais mulheres no setor de energia.

Espero com ansiedade o momento em que esta questão dos desafios femininos no mercado de trabalho não venha mais fazer sentido, mas sei que ainda há grandes desafios para as mulheres no mundo corporativo e que o caminho é longo. O que posso dizer, pela minha experiência, é que, sim, é possível abrir caminhos novos, mudar paradigmas e construir um futuro mais equilibrado neste sentido. E o fato é que as mulheres que vão abrindo caminho na frente inspiram as que se seguem. Há uma energia muito forte que circula entre seres humanos dispostos e determinados a melhorar o mundo, a fazer as coisas diferentes e lutar por uma vida de mais diversidade e igualdade de oportunidades para todos. E é dessa energia que precisamos nos alimentar neste momento tão especial das discussões sobre diversidade no setor elétrico.

Atualizado em 9 de agosto de 2021 por Flávia Lima

Posts Relacionados

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico