Os Desafios da Geração e Transmissão

No final de 2019, o Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica (SNPTEE), realizado em Belo Horizonte (MG), sediou a apresentação de mais um grande congresso brasileiro. Nossas dimensões continentais nos permitem resolver não só os sérios problemas técnicos relacionados à estabilidade, confiabilidade e manutenção destes sistemas elétricos, suas interligações e regras de contingência, mas também a manter os sistemas operando de forma sustentável, adequada e viável
financeiramente, e esta última variável parece ser o maior desafio. A figura 1 apresenta o comportamento da carga de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN) no biênio 2018/2019, onde se pode observar
a variação da demanda média mensal. Em períodos extremos, a demanda média de julho de 2019 foi 15% menor que a de janeiro do mesmo ano. Para suprir esta demanda, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) faz a gestão das fontes e do sistema com a operação das usinas, conforme apresentado na figura 2 (hidráulicas, térmicas, eólicas e outras). Notar que o cruzamento da geração e consumo (figura 3) definirá os perfis de operação e qual usina despachará e qual ficará na espera. Será que o “MIX” adotado
entre hidráulicas, térmicas, eólicas e outras seria a solução mais favorável? Certamente, é a solução “possível” e otimizada em função dos diversos aspectos técnicos e econômicos que devem ser seguidos.
As fotovoltaicas centralizadas ainda não atingiram demanda média acima dos 500MW mensais em 2019 e não aparecem no gráfico da figura 2. Outras fontes também não estão representadas como as de geração distribuída (por exemplo, as de biomassa, fotovoltaicas e plantas de cogeração térmica). Este segmento de GD tende a crescer, sendo, portanto, necessárias constantes revisões de modelos adotados. Outra
expectativa considera a limpeza das fontes sem a produção de energia com combustíveis fosseis, dando o lugar merecido à eficiência energética. Será? Em uma época de incertezas da economia, meio ambiente imprevisível, futuro incerto com o coronavírus, a imprevisibilidade de operação e investimentos parece ser mais um bom desafio além daqueles reportados no SNPTEE.

Figura 1 – Carga de Energia do Sistema Interligado Nacional (SIN).
Figura 2 – Produção de Energia – Sistema Interligado Nacional (SIN).
Figura 3 – Carga de Energia do Sistema Interligado Nacional emProdução de Energia (SIN).

Atualizado em 17 de agosto de 2021 por Maria Elisa Vaiser

Posts Relacionados

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico