Para a ABNT NBR 5419:2015, o que há na ponta do captor não faz a mínima diferença, sendo metálico

O elemento captor de um Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) é tido como o mais emblemático dos componentes. Muitas vezes é considerado também o mais importante. Essa fama dos elementos captores leva muitos projetistas e instaladores a desenvolverem e instalarem proteções que não irão garantir a proteção devida e nem atendem às exigências da ABNT NBR 5419:2015.

A supervalorização dos captores pode retirar o foco da dependência do SPDA dos demais subsistemas: descidas, aterramento e equipotencialização. Receber a descarga atmosférica é apenas uma das etapas para se garantir a proteção contra descargas atmosféricas. Especificar adequadamente os demais subsistemas é fundamental para conduzir a descarga atmosférica até o solo com segurança, reduzindo significativamente o risco de haver acidentes causados por centelhamentos perigosos, que causam incêndios, e choques por tensão de passo e toque.

Há décadas, o mercado apresenta captores com a promessa de se obter proteção satisfatória por meio da utilização de apenas um elemento para a proteção de áreas enormes. Um exemplo clássico é o captor radioativo. Trata-se de uma estrutura metálica, geralmente, em formato circular onde se afixavam partículas de elementos radioativos. Essas partículas tinham o propósito de aumentar a capacidade de proteção em muitas vezes, quando comparado a um elemento de captor convencional. Porém, esses captores foram proibidos de serem fabricados pelo risco de contaminação e por ter sua superproteção não comprovada.

Quando o assunto é a validação de uma tecnologia de proteção contra descargas atmosféricas, temos que considerar que ela tem por objetivo principal a proteção da vida humana. Além disso, ela poderá ser solicitada na prática em um intervalo da ordem de décadas. Ou seja, a tecnologia não conta com o rigor da ciência e da comprovação da adequada proteção e ainda pode colocar vidas humanas em risco.

A norma ABNT NBR 5419:2015 e, consequentemente, a IEC 62305:2010 não supervalorizam os captores. Tratam todos os subsistemas com a mesma importância. E vão além, trazem em seu texto a determinação de que não há uma tecnologia satisfatória capaz de aumentar o desempenho de um captor além do que uma haste metálica pode proporcionar. O item A.1.1 da parte 3 da ABNT NBR 5419:2015 deixa isso explícito: “Devem ser consideradas apenas as dimensões físicas dos elementos metálicos do subsistema de captação para a determinação do volume de proteção”. A norma também, em seu item 5.2.1 da parte 3, não permite a utilização de “recursos artificiais destinados a aumentar o raio de proteção dos captores ou inibir a ocorrência das descargas atmosféricas”.

As normas brasileiras da ABNT são uma formidável ferramenta para a sociedade, pois disciplinam a prática técnica. Porém, acredito ser ainda mais útil para os profissionais que a utilizam. Principalmente quando se trata de uma norma de proteção para a vida humana. Ela servirá de padrão para o juízo de valor quando da ocorrência de possíveis sinistros que resultarem em processos cíveis e criminais. O profissional que tem as normas como referência tem o poder do respaldo técnico que elas possuem. Aplicar plenamente os conceitos da ABNT NBR 5419:2015 é ter a segurança do padrão e a segurança da utilização de conceitos robustos, reconhecidos internacionalmente.

 

*José Barbosa de Oliveira é engenheiro eletricista e membro da comissão de estudos CE 03:64.10, do CB-3 da ABNT.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico