Pesquisa – Equipamentos para transmissão e distribuição de energia

Redução da demanda por energia elétrica por conta do baixo crescimento econômico diminui expectativa de crescimento dos mercados de geração, transmissão e distribuição.

Edição 136 – Maio de 2017

 

A crise econômica afeta todos os setores, especialmente, o da infraestrutura. A baixa expectativa de crescimento econômico afugenta os investidores e freia aportes em grandes projetos com receio de que fiquem ociosos, já que o aumento da demanda por energia elétrica depende do crescimento do país. Em geração, por exemplo, é esperada a realização de apenas um leilão de energia reserva neste ano, em função da queda da demanda de energia no ano passado e das perspectivas menos otimistas para este ano. Com isso, do ponto de vista dos fabricantes de produtos para este segmento, sem novas usinas a serem construídas, espera-se um período de baixas encomendas, situação que pode permanecer estagnada pelos próximos três anos.

O diagnóstico é da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), em sondagem conjuntural realizada com seus associados em abril deste ano.

Para o segmento da transmissão, a situação parece um pouco melhor. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realizou, em abril deste ano, um leilão de transmissão, em que foram arrematados 31 dos 35 lotes licitados. Das linhas de transmissão leiloadas, 93% foram arrematadas, totalizando 7.068 quilômetros de extensão. As subestações foram 100% assumidas. A transmissão já foi considerada um grande problema para a ligação de usinas já em operação ao sistema, especialmente, as eólicas. Por este motivo, este é um mercado com melhor perspectiva de resultados positivos para este ano de 2017.

Na distribuição, segundo a Abinee, nos primeiros meses deste ano verificou-se que os investimentos continuam parados, o que demonstra que este cenário não deve apresentar alterações significativas no primeiro semestre de 2017. A queda da demanda também inibiu investimentos das concessionárias.

Em pesquisa realizada pela revista O Setor Elétrico, fabricantes e distribuidores de equipamentos para transmissão e distribuição mostraram-se céticos com relação ao futuro próximo do setor. Se, no mesmo levantamento do ano anterior, as empresas planejavam crescer 7% em 2016, a realidade (constatada no estudo deste ano) foi bem diferente. Na média, as empresas cresceram apenas 3% no ano passado na comparação com 2015. No entanto, esperam melhores resultados para este ano de 2017, devendo chegar à média de 6% até o fim do ano.

Segundo as pesquisadas, diversos fatores explicam a conjuntura pouco otimista, como desaceleração da economia brasileira, cenário político desfavorável e falta de confiança dos investidores.

Para os entrevistados, as incertezas que assolam o país prejudicam a tomada de decisões e adiam investimentos, no entanto, boa parte das empresas consultadas acredita em uma retomada da economia, ainda que a passos lentos.

Confira, a seguir, a pesquisa na íntegra, com dados de mercado e informações sobre as companhias que participaram do levantamento, como produtos e serviços oferecidos.

Clique aqui para fazer o download da pesquisa na íntegra.
https://pt.slideshare.net/atitudeeditorial/pesquisa-136-76804473

Atualizado em 13 de agosto de 2021 por Simone Vaiser

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico