Pontos de desvio em um projeto ou instalação de uma PDA

Edição 124 – Maio de 2016
Espaço 5419
Por José Barbosa*

 

Um bom projeto e uma boa instalação da Proteção contra Descargas Atmosféricas (PDA) passa necessariamente por atender a todas as exigências mínimas da ABNT NBR 5419:2015. Há os requisitos de destaque na norma, como as medidas dos módulos da malha de captação, as distâncias entre os condutores de descidas e a quantidade de eletrodo de aterramento. Porém, há pontos importantes que podem passar despercebidos em um projeto ou instalação da PDA. Vejam alguns:

1 – Seção do condutor que liga o subsistema de descida ao eletrodo de aterramento

 

A ABNT NBR 5419:2015 define uma seção menor para o subsistema de descida do que o de aterramento. Por exemplo, no caso do cobre, a seção do condutor de descida pode ser de 35 mm2, mas o de aterramento deverá ser, no mínimo, de 50 mm2. Mas, há um trecho que liga a descida ao aterramento (o rabicho de aterramento) que deverá ter a mesma seção do condutor do eletrodo de aterramento. A ABNT NBR 5419:2015 exige que todo condutor em contato com o solo e sem proteção compatível deva ter a seção do condutor do eletrodo de aterramento. Uma prática interessante é aproveitar o conector de ensaio exigido pela NBR5419:2015 e fazer a transição das seções. A recomendação é que este conector seja instalado a 1,5 metro de altura. Até ele, no caso do cobre, utiliza a seção de 35 mm2 e, após, trocar a seção para 50mm2


Figura 1 – Transição da descida para o aterramento.

 

2 – Atendimento da distância de segurança

 

A distância de segurança é o afastamento necessário entre o subsistema de captação ou de descida e as partes metálicas estruturais, instalações metálicas, portas, janelas e sistemas internos da instalação, a fim de criar isolação suficiente e assim minimizar a possibilidade de centelhamento. Nos projetos e instalações de SPDA, o atendimento da distância de segurança para as condições mencionadas deve ser observado. Manter descidas afastadas suficientemente de portas e janelas, tubulações de gás, equipamentos instalados nas fachadas, por exemplo, é fundamental. Esta distância não é fixa, pois dependerá de vários fatores e características, sendo necessário, assim, calcular o valor para cada caso. A ABNT NBR 5419:2015, principalmente no anexo C da parte 3, apresenta a estrutura deste cálculo.

 

3 – Equipotencialização das linhas de energia e de sinal

 

As atenções nos projetos e instalações de PDA geralmente concentram-se nos subsistemas de captação, descida e aterramento. A equipotencialização, não menos importante, acaba sendo negligenciada pela dificuldade conceitual e culmina na implementação das medidas necessárias, principalmente, quando se trata de Medidas de Proteção contra Surtos (MPS), da equipotencialização das linhas elétricas de energia e sinal. A ABNT NBR 5419:2015 exige a interligação das linhas de energia (fases e neutro) e de sinal, através de Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS), ao barramento de equipotencialização mais próximo. Esta medida irá minimizar a ocorrência de choque e incêndios, principais causadores de perdas de vida humana, na ocorrência de uma descarga atmosférica. 


Figura 2 – Exemplo de equipotencialização.
 

4 – Conexão de todos os pilares metálicos à solução de aterramento

 

Edificações com coberturas e pilares com estrutura metálica podem ter estes elementos, desde que compatíveis com as exigências normativas, como elementos naturais dos subsistemas de captação e de descida. É uma grande vantagem do ponto de vista de desempenho do sistema, da redução dos custos de implantação e manutenção, e estético. Uma vez utilizando os elementos metálicos como captores e descidas naturais, necessariamente, devem-se interligar todos os pilares metálicos em nossa solução de aterramento, natural, através das armaduras de aço das fundações ou convencional, por meio de condutores.


*José Barbosa de Oliveira é engenheiro eletricista e membro da comissão de estudos CE 03:64.10, do CB-3 da ABNT

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Redação

Posts Relacionados

Comentários (2)

Fui ingormado que algumas concessionárias de energia elétrica não permitem que se tenha o aterramento interno de instalações residenciais (terra de tomadas) interligado na mesma haste cobrada principal que aterra o neutro que vem da rua e segue para o interior do imóvel; exigindo assim, que seja colocada uma segunda haste para tal aterramento. Isto não vai contra a norma ABNT NBR5419, mesmo se houver DPS? E no caso de instalações residenciais que não têm DPS, que é a grande maioria das intalações residenciais mais antigas; não é o caso de surgir ddp entre a haste principal a entrada da rede e a 2° haste (terra -PE) em caso de sobre tensão na linha?

Não acredito que uma concessionária de energia não permita a interligação do aterramento do seu cliente com o seu, pois é uma medida fundamental em configurações de aterramento TN.

Att.

Os comentário estão encerrados.

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico