Por que a energia solar precisa ser acelerada diante da crise hídrica?

Recentemente, o Operador Nacional do Sistema (ONS) emitiu novo alerta sobre a grave escassez de água nos reservatórios de hidrelétricas brasileiras. Segundo a entidade, responsável pela operação da matriz elétrica do Brasil, a falta de chuvas poderá levar o País ao seu limite já em novembro, prejudicando a geração de energia elétrica. Esta situação crítica reforça ainda mais o papel estratégico da energia solar como parte da solução para diversificar e fortalecer o suprimento de eletricidade, fundamental para a retomada do crescimento econômico nacional.

Diante da crise hídrica e com a entrada em vigor da bandeira de escassez hídrica, a partir de setembro, é fundamental que o Governo Federal acelere a energia solar, tanto em grandes usinas contratadas por leilões (geração centralizada), quanto na geração própria em telhados e pequenos terrenos. As usinas solares de grande porte geram eletricidade a preços até dez vezes menores do que as termelétricas fósseis emergenciais ou a energia elétrica importada de países vizinhos atualmente, duas das principais responsáveis pelo aumento tarifário sobre os consumidores e aumento da inflação na economia, corroendo o poder de compra e os salários da população.

Graças à versatilidade e à agilidade da tecnologia solar, basta um dia de instalação para transformar uma residência, empresa ou propriedade rural em uma pequena usina geradora de eletricidade limpa, renovável e acessível. Já no caso de uma usina solar de grande porte, são menos de 18 meses desde o leilão até o início da geração de energia elétrica, a menor média do setor elétrico. Assim, a solar é reconhecidamente campeã na rapidez de novas usinas de geração.

O Brasil possui mais de 10,4 gigawatts (GW) de potência operacional da fonte solar fotovoltaica em usinas de grande porte e em pequenos e médios sistemas instalados pelos próprios consumidores. Somados, os sistemas fotovoltaicos representam mais de 74% da potência da usina hidrelétrica de Itaipu, segunda maior do mundo e a maior da América Latina.

A fonte solar já trouxe ao Brasil mais de R$ 54,1 bilhões em novos investimentos e gerou mais de 312 mil empregos acumulados desde 2012. Com isso, evitou a emissão de mais de 11 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade.

Na geração centralizada, o Brasil possui 3,8 GW de potência instalada da fonte solar, o equivalente a 2,1% da matriz elétrica do País. Em 2019, a solar foi a fonte mais competitiva entre as renováveis nos dois Leilões de Energia Nova (LEN), A-4 e A-6, com preços-médios abaixo dos US$ 21,00/MWh. Já em julho de 2021, repetiu o feito nos LEN A-3 e A-4, com os menores preços-médios dos dois leilões, abaixo dos US$ 26,00/MWh. Com isso, a solar consolidou a posição de fonte renovável mais barata do Brasil.

A fonte solar fotovoltaica segue cumprindo o seu compromisso de trazer energia elétrica competitiva aos leilões, ajudando a reduzir o preço da energia aos consumidores e à sociedade brasileira. Se o Governo tivesse contratado o dobro de energia da fonte solar nos dois leilões de julho de 2021, reduzindo a energia comprada de fontes mais caras, teria economizado aos consumidores brasileiros pelo menos R$ 126,8 milhões nos próximos 20 anos.

Por isso, o Governo Federal precisa revisar as diretrizes do planejamento e ampliar a contratação de energia solar nos próximos leilões. Isso ajudará a reduzir os preços de energia elétrica, aliviando o bolso da população e melhorando a competitividade dos setores produtivos.

Já na geração própria de energia, são 6,6 GW de potência instalada da fonte solar. A tecnologia solar é utilizada atualmente em 99,9% de todas as conexões de geração própria no País, liderando com folga o segmento.

Ao somar as capacidades instaladas das grandes usinas e da geração própria de energia solar, a fonte solar ocupa o quinto lugar na matriz elétrica brasileira. Recentemente, a solar ultrapassou a potência instalada de termelétricas movidas a petróleo e outros fósseis, que representam 9,1 GW da matriz elétrica brasileira.

A energia solar ajuda a população e os setores produtivos a se protegerem dos fortes aumentos nas contas de luz e contribui para a sustentabilidade do País, que inicia uma importante retomada econômica este ano. Não podemos deixar que a ameaça da crise hídrica freie a recuperação da economia brasileira, a criação de novas oportunidades de emprego e a geração de renda e riqueza à sociedade. A energia solar é parte da solução para este desafio que paira sobre nosso País.

Atualizado em 4 de outubro de 2021 por Redação

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico