Quando investir em tecnologia na minha produção?

A pergunta no título deste artigo ecoa no pensamento de boa parte dos empresários industriais no país. A automação industrial no Brasil ainda dá seus primeiros passos em comparação com os países desenvolvidos, como Japão, Estados Unidos e países da União Europeia.

Em um mercado global cada vez mais competitivo, a busca pela lucratividade pode ser feita por meio do aumento da produtividade, que, por sua vez, pode ser obtida com o uso da automação das linhas de produção.

Em pesquisa publicada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2016 sobre o uso da tecnologia nas indústrias, 58% delas já identificaram a adoção de tecnologias digitais como um fator importante para se manterem competitivas apesar de um percentual menor, de 48%, adotarem as tecnologias consideradas na pesquisa.  Entre os benefícios esperados, 54% dos respondentes esperam reduzir custos operacionais e 50% esperam aumentar a produtividade.

A crise recente que afeta a indústria nacional deixa os empresários e os investidores receosos, porém há de se considerar que se trata de um fenômeno cíclico e não deixar de se atentar às iniciativas no mercado internacional em busca de eficiência e inovação, como a Indústria 4.0 ou a IIot (Industrial Internet of Things). Ou seja, boa parte dos competidores internacionais não congelaram investimentos tecnológicos e estão aperfeiçoando suas linhas de produção, dando um salto de qualidade capaz de abrir uma larga distância de competitividade comparando com as empresas nacionais. Portanto, quem não investir em automação e/ou em tecnologia em geral, pode acabar ficando para trás na corrida pelo mercado.

Para dar o primeiro passo, é necessário buscar parceiros e fornecedores de marcas renomadas, com vasta experiência, produtos reconhecidos pelo mercado, suporte técnico e uma rede de atendimento global para qualquer necessidade de manutenção ou atualização de equipamentos.

 

Além disso, é crucial um bom planejamento, levantando as necessidades e cronogramas, além de definir os responsáveis para que, ao final, o prazo de retorno de investimento seja atingido. Ou seja, a crise econômica será um divisor de águas entre as empresas que vão se destacar e se preparar para uma retomada da economia e aquelas que por receio, poderão ficar para trás na corrida pelo mercado.

 

Por Hélio Hideo Sugimura, formado em engenharia elétrica pela PUC-SP e gerente de marketing da Divisão de Automação Industrial da Mitsubishi Electric do Brasil.

Edição 134 – Março 2017

 

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Simone Vaiser

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico