Quando poderemos ter o risco zero em proteção contra descargas atmosféricas?

A ABNT NBR 5419:2015 começa pela análise da necessidade de medidas de proteção contra as descargas atmosféricas. Em sua parte 2, há uma estrutura de cálculo em que é possível definir os riscos de se haver perda de vida humana (R1), perda de serviço essencial ao público (R2), perda de patrimônio cultural (R3) e perda de valores econômicos (R4). Caso esses limites sejam superiores aos estabelecidos, medidas de proteção podem ser aplicadas a fim de se obter a redução necessária. Apesar do peso da estrutura do dimensionamento, alguns pontos podem servir de suporte para aliviar a carga.

Todos os quatro riscos (R1, R2, R3, e R4) devem ser calculados para cada edificação e estrutura, porém, dependendo do caso, alguns desses riscos são notoriamente iguais a zero. Todos os riscos são referentes a uma perda e, como não é possível perder aquilo que não se tem, onde os objetos dos riscos são ausentes, os seus valores são iguais a zero. Ora, R1 é o risco de se ter a perda de vida humana. Se em uma edificação ou estrutura, não há pessoas presentes, esse risco é necessariamente zero – não se pode perder aquilo que não existe. O mesmo tem-se com R2, cujo objeto é o equipamento eletroeletrônico que presta um serviço essencial, e com R3, cujo objeto é o patrimônio cultural. A única exceção fica por conta de R4, cujo objeto são os valores econômicos. Em todos os casos, tem-se o risco de haver perda de valor econômico.

Vejamos o caso de um prédio residencial típico: nele não há a presença de um equipamento eletroeletrônico que presta serviço essencial ao público e nem patrimônio cultural. Logo, os riscos R2 e R3 são necessariamente iguais à zero e teremos somente os riscos R1 e R4.

O cálculo dos riscos R1, R2, R3 e R4 é estabelecido através da soma de riscos associados às fontes de danos ou pontos de impacto da descarga atmosférica. Para a descarga que pode atingir diretamente a edificação ou a estrutura, temos o risco de uma pessoa sofrer choque por tensão de passo ou toque (RA), o risco de incêndio por centelhamento perigoso (RB) e o risco de falha de equipamentos eletroeletrônicos (RC).

O risco RA poderá ser zero em certa situação. Caso seja possível fazer uma restrição física, ao redor dos condutores de descida, a um afastamento mínimo de três metros, o risco de choque por tensão de passo e toque será praticamente zero. O risco RA também será tolerado em uma das três condições a seguir:

a)  a probabilidade de a aproximação de pessoas, ou a duração da presença delas fora da estrutura e próximas aos condutores de descida for muito baixa;

b)  o subsistema de descida consistir em pelo menos dez caminhos naturais de descida (elementos de aço das armaduras, pilares de aço etc.) interconectados conforme item 5.3.5 da parte 3 da ABNT NBR 5419:2015;

c)  a resistividade da camada superficial do solo, até 3 m de distância dos condutores de descida, for maior ou igual a 100 kΩ.m.

O risco RB poderá assumir o valor zero no caso da zona definida para a área externa da edificação, onde não há carga de incêndio e nem área classificada, explosiva. Nesta condição, o fator redutor de perda dependente do risco de incêndio será zero.

Para a descarga que pode atingir diretamente a linha de serviço que alimenta a edificação ou estrutura a ser analisada, temos também o risco de uma pessoa sofrer choque (RU), o risco de incêndio por centelhamento perigoso (RV) e o risco de falha de equipamentos eletroeletrônicos (RW). Todos esses três riscos podem ser zero se o tipo de linha externa for um cabo protegido contra descargas atmosféricas ou cabeamento em dutos para cabos protegido contra descargas atmosféricas, eletrodutos metálicos ou tubos metálicos e se essa blindagem for interligada, na entrada da linha, ao mesmo barramento de equipotencialização que o equipamento. Essas condições também resultam em um valor igual a zero para o risco de falha de equipamentos eletroeletrônicos por descarga direta na edificação ou estrutura (RC) e por descarga próxima a linha de serviço (RZ).

  • Por José Barbosa de Oliveira é engenheiro eletricista e membro da comissão de estudos CE 03:64.10, do CB-3 da ABNT.

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Redação

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico