Quem vai pagar a conta no Brasil?

Estamos quase no primeiro aniversário da Covid no Brasil e a turma do “quanto pior melhor” celebra a plenos pulmões apostando nos palanques de 2022.

Quanta hipocrisia, quanta acefalia, quanta bastardia! De  quem?  De  todos!   E  talvez seja a melhor resposta. Claro que os “mais bastardos”, se for possível esta definição, são  aqueles que  praticaram atos ilícitos com a situação como aqueles que vislumbram benefícios políticos ou financeiros com a crise ou  aqueles pseudo  profissionais  de  saúde  que simulam a aplicação da vacina nos nossos idosos, entre outros, e haja “outros”. O modelo de democracia é perfeito, mas os homens… como somos falíveis.

Tesouro Nacional Transparente

De acordo com o portal Tesouro “nacional”  Transparente,  serão necessários  até  agora  valores  da  ordem de R$ 38 bilhões  para  pagar  a  conta, sendo R$ 23 bilhões relativos às vacinas, mais de R$ 10 bilhões para auxílio emergencial para cidadãos   em   situação de vulnerabilidade e manutenção  de emprego e renda  e  outros  R$  5  bilhões de outras despesas.

Produto Interno Bruto

O valor da conta pode parecer desprezível em relação ao PIB do Brasil, da ordem de R$ 7,5 trilhões, mas a comparação exige avaliação de  forma realista e o orçamento da União é que garantirá o pagamento das  despesas. Aqueles  que  tentam  tocar  seus  negócios e suas famílias diuturnamente aprenderam com seus avós que dinheiro não aceita desaforo, e aqui não é diferente, ou  se aperta o cinto, ou se  trabalha  mais,  ou gasta a  sua  poupança  para  cobrir  o rombo.

Estado x Economia

Há um senão, pois estamos tratando de economia pública e entram outras variáveis; os sócios do Estado que somos nós seremos convidados a aportar o capital que está faltando para fechar a conta. Sim, meu amigo, eu, você e o seu Mané do botequim seremos chamados a aportar o que  falta  para  fechar  a conta. Sim meu amigo, eu, você e o seu Mané apesar de já pagarmos impostos sobre  nosso  faturamento  de  serviços da ordem de 20% a 25%, se a nossa margem líquida de onde retiramos nossa subsistência e reinvestimentos for de 10%, ou seja, a cada real que ganhamos com nosso suor e riscos, pagamos mais de 2 a 2,5 reais para manter um Estado que fornece aos cidadãos saúde, educação, segurança e outros desejos de forma absoluta sofrível. Já  eu,  você  e  o seu Mané, se não entregarmos os nossos serviços aos clientes além do prometido, teremos que buscar clientes em outras freguesias.

O Estado do Brasil tem uma estrutura cara  para  o  serviço  que  entrega.  Já passou da  hora  de  rever  os  conceitos, que tal aproveitar a tal da pandemia como estímulo?

A tal da reforma administrativa não foi prometida? Vem ou não vem? A reforma fiscal que já está no ar vai nos achatar, e “achacar”  mais  ainda?  Mais  sacrifícios? Por enquanto o  que  comprávamos  com R$ 3,00 agora são necessários quase R$ 6,00! Onde iremos parar?

Por favor, senhores, reduzam o tamanho do Estado e parem de brigar pelos seus mesquinhos  interesses,  nós não suportamos mais.  Deixar  a  conta aos nossos filhos e netos é no mínimo antiético. Pode xingar Presidente, seus gritos, palavrões e incredulidades são também as nossas, mas tenha a certeza de que as nossas razões são bem maiores que as vossas.

 

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Flávia Lima

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico